×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de novembro de 2021

É um caso difícil, diz relator do 'zapgate' de Jair Bolsonaro no TSE

É um caso difícil, diz relator do 'zapgate' de Jair Bolsonaro no TSEFoto: Reprodução

WhatsApp baniu pelo menos 1,5 milhão contas do aplicativo num período de quase um ano

Eduardo Militão Do Uol - 16/12/2019 - 08:39:38

O corregedor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o ministro Og Fernandes, afirmou que vai ouvir especialistas em tecnologia da informação para conduzir a ação judicial de investigação eleitoral que apura se a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) cometeu abuso de poder econômico no uso do aplicativo WhatsApp nas eleições. "É um caso difícil", disse ele.

O processo está em andamento há mais de um ano e verifica se empresas de informática foram pagas, com caixa dois, para fazer envios em massa de milhares de mensagens pelo aplicativo, inclusive com uso de robôs e notícias falsas, as chamadas fakenews.


"Eu pretendo estudar a matéria, conversar com pessoas do segmento para obter um mínimo de expertise sobre o tema em debate, que me propicie, com segurança, decidir de uma maneira ou de outra", disse Og Fernandes ao UOL, em entrevista em seu gabinete de ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Og não revelou quando vai consultar especialistas em tecnologia da informação. Ouvidos pelo UOL, três experts em segurança cibernética já informaram que um dos melhores caminhos a ser seguido é pedir ao WhatsApp quais foram as contas banidas por disparos em massa e qual a localização delas.

O TSE solicitou informação ao WhatsApp apenas das linhas telefônicas registradas em nome das empresas investigadas e de seus donos — à exceção de Peterson Quirino. Em resposta, o aplicativo disse que encontrou apenas três linhas banidas por disparos em massa.

Uma delas estava relacionada à Yacows, uma agência que prestou serviço à campanha de Bolsonaro. No entanto, essa informação foi prestada pelo WhatsApp apesar de a linha telefônica não estar entre as relacionadas pelo TSE.

Portanto, conforme os especialistas ouvidos pelo UOL, haveria mais informações úteis a serem obtidas com o aplicativo de troca de mensagens. Og Fernandes evita comentar quais medidas tomará como corregedor, uma função que lhe permite requisitar informações mesmo sem pedido das partes do processo.

Na investigação é que vão surgindo os elementos para indicar tal ou qual caminho você deve seguir. Não há algo que se diga: só tem esse caminho, só tem esse rumo. Ela vai se construindo no fazer

Og Fernandes, corregedor do TSE

O ministro deixa o cargo de corregedor em agosto do ano que vem. Mas Og afirmou que a investigação vai durar o tempo que for necessária para se chegar à verdade, sem se importar com a duração de seu mandato.

Empresa baniu 400 mil linhas apenas dois meses antes da eleição

Como mostrou o UOL, continua ativa 80% de uma rede de linhas telefônicas que distribuíam fakenews nas eleições, com uso de robôs. Essa amostra contém um conjunto de mais de 1.600 números telefônicos analisados pela reportagem.

No entanto, ao todo, o WhatsApp baniu pelo menos 1,5 milhão contas do aplicativo num período de quase um ano, em meio às eleições de 2018. Foram 400 mil apenas entre 15 de agosto e 28 de outubro de 2018.

Quem é Og Fernandes

O ministro Geraldo Og Marques Fernandes tem 68 anos de idade e 38 anos de magistratura. Foi jornalista em Pernambuco, mas mudou de profissão. Possui uma conta na rede social Twitter. Nela, compartilha literatura e poesia, tema sempre presente em seus discursos. Também divulga decisões judiciais históricas, com a hastag "#oTempoEosCostumes".

No STJ, Og é o relator do processo em que sete magistrados da Bahia foram denunciados por corrupção e lavagem de dinheiro, acusados de integrar esquema de venda de sentenças em favor de grileiros.

UOL - Quando o caso do WhatsApp será julgado?
Og Fernandes -
Quando estiver pronto para ser julgado. É uma ação de investigação e requer investigação.

É um caso simples?
Esse especificamente é um caso difícil porque envolve, além da questão jurídica, uma questão de tecnologia da informação muito importante. Então, não pode ser um caso fácil.

O senhor pretende recorrer a especialistas em tecnologia da informação?
Eu pretendo estudar a matéria, conversar com pessoas do segmento para obter um mínimo de expertise sobre o tema em debate, que me propicie, com segurança, decidir de uma maneira ou de outra.

Quais seriam os caminhos para seguir com o caso?
Encaminhar os autos [o processo judicial] para a manifestação das partes [Ministério Público, campanha de Bolsonaro, campanha do PT e empresas investigadas].

As partes são colaboradoras do juiz na aplicação do direito. Essa foi a primeira providência que tomei ao chegarem essas diligências [relatório das empresas telefônicas com o número do celulares dos empresários e empresa e relatório do WhatsApp mostrando quais dessas contas foram banidas por envio de disparos em massa]. Vou aguardar chegarem as manifestações do Ministério Público e das partes para então seguir o rumo que vão tomar.

No TSE, um processo menciona venda de disparos de WhatsApp na prestação de contas do PSL, mas essa informação não está na prestação de contas da campanha do presidente. Isso pode ser útil ao caso?
Essa informação diz o quê?

Diz que um funcionário que trabalhou na campanha entregou um contrato de disparos, que cobrou tanto...
A primeira providência cabe ao Ministério Público Federal. É preciso que o Ministério Público, como interessado no processo, se manifeste sobre isso. Ou as outras partes [se manifestem]. Diante dessa manifestação, eu vou verificar o caminho a seguir.

Na investigação é que vão surgindo os elementos para indicar tal ou qual caminho você deve seguir. Não há algo que se diga: só tem esse caminho, só tem esse rumo. Ela vai se construindo no fazer.

A geolocalização, informada pelo WhatsApp, de quem fez disparos em massa será considerada?
Tem que se verificar o que está nos autos ou que possa ser útil. Não posso decidir num processo por informações obtidas extra-processo. Ninguém pode pode decidir processo por "ouvir dizer". A construção da verdade processual tem que ser feita no processo.

Uma das empresas que tiveram contas banidas por disparos em massa trabalhou para a campanha de Bolsonaro. Mas não se sabe se aquela linha telefônica foi usada em favor do presidente. Essa é uma pergunta que precisa ser respondida?
Não sei. Tem que ver os autos.

Comentários para "É um caso difícil, diz relator do 'zapgate' de Jair Bolsonaro no TSE":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Mais verbas para ciência, pedem ICTP e entidades de C,T&I

Mais verbas para ciência, pedem ICTP e entidades de C,T&I

Às 11h estavam em frente ao prédio do Ministério da Economia servidores, pesquisadores, professores e pós-graduandos.

Fotos revelam que ao lado de Stonehenge houve estrutura milenária 20 vezes maior

Fotos revelam que ao lado de Stonehenge houve estrutura milenária 20 vezes maior

Uma pesquisa com tecnologia de ponta na área de Stonehenge confirmou a existência de um conjunto de fossas construídas há cerca de 4.400 anos, justificando a conclusão com

Arqueólogos encontram ruínas de escola muçulmana do século XII na Turquia

Arqueólogos encontram ruínas de escola muçulmana do século XII na Turquia

No sudeste da Turquia, no distrito de Harrã, onde se encontra uma das cidades mais antigas do mundo, os arqueólogos encontraram restos de uma madraça (escola muçulmana) do século XII.

CIEDS abre vagas para última turma da capacitação gratuita para empreendedores em parceria com o WhatsApp

CIEDS abre vagas para última turma da capacitação gratuita para empreendedores em parceria com o WhatsApp

As inscrições do programa Conecta+ Brasil estão abertas, com aulas online para orientações sobre o uso do aplicativo Whatsapp Business

Encontrados em Marrocos adornos pessoais 'mais antigos do mundo', de mais de 142.000 anos

Encontrados em Marrocos adornos pessoais 'mais antigos do mundo', de mais de 142.000 anos

Autoridades marroquinas e paleontólogos anunciaram na quinta-feira (18) que no país foram descobertos os adornos pessoais "mais antigos do mundo", datados de entre 142.000 e 150.000 anos.

Museu Nacional anuncia descoberta de dinossauro muito raro

Museu Nacional anuncia descoberta de dinossauro muito raro

Esqueleto foi encontrado em Cruzeiro do Oeste, noroeste do Paraná

Cientistas estabelecem centro de pesquisa para conservação da biodiversidade do nordeste da Ásia

Cientistas estabelecem centro de pesquisa para conservação da biodiversidade do nordeste da Ásia

Foto tirada em 14 de junho de 2019 mostra o Lago Tianchi na Montanha Changbai na Província de Jilin, nordeste da China.

NASA compartilha foto de 'lado oculto' de Plutão iluminado pelo seu maior satélite

NASA compartilha foto de 'lado oculto' de Plutão iluminado pelo seu maior satélite

Cientistas da NASA compartilharam uma fotografia do "lado oculto" de Plutão que foi feita pela sonda espacial New Horizons.

Pela 1ª vez, cartas de indígenas do século XVII são traduzidas do tupi para o português

Pela 1ª vez, cartas de indígenas do século XVII são traduzidas do tupi para o português

"Por que faço guerra com gente de nosso sangue?" pergunta um dos indígenas nas cartas traduzidas por professor da USP. Material pertence ao período entre 1645 e 1654, quando aconteceu a Insurreição Pernambucana no Nordeste brasileiro.

Egito descobre interior de tumba antiga em necrópole de Saqqara, próximo das pirâmides de Gizé

Egito descobre interior de tumba antiga em necrópole de Saqqara, próximo das pirâmides de Gizé

Foto sem data mostrando desenhos nas paredes de uma tumba antiga na necrópole de Saqqara, ao sul do Cairo, Egito. Uma missão arqueológica da Universidade do Cairo revelou o interior de uma tumba na necrópole de Saqqara perto das três pirâmides de Gizé, ao sul da capital Cairo, afirmou o Ministério de Turismo e Antiguidades egípcio em um comunicado no sábado. (Ministério de Turismo e Antiguidades

Asteroide passa 'raspando' pela Terra sem ser detectado

Asteroide passa 'raspando' pela Terra sem ser detectado

O corpo celeste, identificado como 2021 UA1, sobrevoou a Antártica no dia 24 de outubro a uma velocidade de 57 mil quilômetros por hora.