×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Governo Federal segura emendas e gera disputa no Senado

Governo Federal segura emendas e gera disputa no SenadoFoto: Senado Federal

O esquema de toma lá dá cá foi apelidado de "tratoraço" porque boa parte dos políticos usou o dinheiro para comprar tratores superfaturados.

Estadão Conteúdo - 06/10/2021 - 17:49:20

Pressionado por investigações sobre o "orçamento secreto", o Palácio do Planalto tem segurado a liberação de recursos de emendas de relator indicadas por senadores. Dos R$ 16,9 bilhões previstos no Orçamento deste ano, apenas R$ 6 bilhões (36%) haviam sido empenhados - a etapa que abre caminho para o pagamento - até a sexta-feira passada. Senadores cobram a abertura do cofre e reagem trancando a pauta do governo na Casa.


Revelado pelo Estadão, o orçamento secreto foi criado dentro do Palácio do Planalto para garantir ao presidente Jair Bolsonaro base de apoio no Congresso. A prática é ilegal, segundo juristas por desequilibrar o sistema democrático - ao beneficiar um grupo de parlamentares que apoia o governo em detrimento da oposição - e pela falta de transparência. O esquema de toma lá dá cá foi apelidado de "tratoraço" porque boa parte dos políticos usou o dinheiro para comprar tratores superfaturados.


Nas últimas duas semanas, o Estadão conversou com dezenas de senadores que aceitaram falar sob condição de anonimato. Eles admitem que as votações de interesse do governo pararam e apontam o ministro da Casa Civil, senador Ciro Nogueira (PP-PI), como responsável por trancar o cofre. Ao contrário do seu antecessor, o general Luiz Eduardo Ramos, Nogueira só aceita pagar as emendas após a votação realizada.


A reação foi imediata. O governo enfrenta no Senado um clima mais hostil na comparação com a Câmara, presidida por Arthur Lira (Progressistas-AL), aliado de primeira hora de Bolsonaro e responsável por impedir a análise de mais de cem pedidos de impeachment.



A interlocutores, Ciro tem dito que a suspensão tem o objetivo de "reorganizar o jogo" no Senado, que tem imposto uma série de derrotas ao governo de Jair Bolsonaro e é palco da CPI da Covid, uma das maiores dores de cabeça do governo. A comissão de inquérito já apontou esquema envolvendo a compra de vacina contra a covid-19, além de relacionar o discurso negacionista do governo as quase 600 mil mortes pela doença.


Nas conversas com senadores, Ciro Nogueira tem justificado que o governo segurou a liberação das emendas diante de investigações do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o uso de emenda de relator (a chamada RP9). Autoridades na área fiscal dizem que o esquema pode justificar a cassação do mandato do presidente. Senadores, porém, afirmam que isso é apenas uma desculpa para pressioná-los a destravar as votações de interesse do governo na Casa, onde a resistência a Bolsonaro tem crescido.


Relatório do TCU já apontou "perplexidades" sobre o modelo de divisão de emendas, em qual cabe a um grupo de parlamentares determinar o que fazer com o dinheiro público sem qualquer critério técnico ou transparência. A investigação foi aberta com base na série de reportagens do Estadão.


Propostas

Além do projeto de reforma do Imposto de Renda e da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite o pagamento dos precatórios (sentenças judiciais), essenciais para a economia, Ciro Nogueira, que coordena na prática a distribuição do orçamento secreto, cobra que o Senado analise a indicação do ex-ministro da Justiça, André Mendonça, para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Mais de dois meses após Bolsonaro enviar o nome de seu escolhido para a Casa, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Davi Alcolumbre (DEM-AP), nem sequer marcou data para a sabatina.



Nos bastidores, senadores manifestam ter sido alvo de pressão dos prefeitos por emendas que estavam prometidas e anunciadas nas bases eleitorais. Os parlamentares argumentam que essas verbas foram negociadas em votações que já passaram pela Casa, como a PEC Emergencial, que permitiu a renovação do auxilio emergencial esse ano e contém também medidas fiscais. O que for votado daqui para frente, especialmente a PEC dos precatórios, seria negociado por meio de recursos do Orçamento de 2022. Na Câmara, a reclamação maior parte dos deputados do chamado baixo clero.



Revisão

A insatisfação em torno da negociação das emendas tem provocado uma pressão no Congresso para revisar o modelo das emendas do relator. Atualmente, esses recursos são indicados no Orçamento por meio do parecer do relator-geral, mas sem a digital de quem apadrinhou o recurso ou de quem vai escolher o beneficiário final da emenda. O deputado Hugo Leal (PSD-RJ), relator-geral do orçamento de 2022, solicitou ao TCU todos os autos sobre a apuração. Como justificativa, citou que precisa das informações para elaborar o parecer sobre o orçamento do ano que vem.


"As emendas de relator são necessárias, mas é preciso ter razoabilidade. Não é razoável uma pessoa só concentrar esse poder", disse o vice-líder do MDB no Senado, Marcelo Castro (MDB-PI), que presidiu a Comissão Mista de Orçamento (CMO) quando o modelo começou a ser adotado.



A CMO fará nos próximos dias uma audiência pública para discutir a forma de divisão dessas emendas, que no jargão orçamentário são conhecidas como RP9. A base do governo, formada especialmente pelo Centrão, é contra abrir os critérios publicamente.


A oposição, por sua vez, acredita que o modelo atual só se sustenta se os beneficiários dos acordos forem mantidos sob segredo e justamente por isso cobra uma mudança nas regras. A presidente da CMO, Rose de Freitas (Pode-ES), também quer mudanças.



A análise dos vetos à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) será decisiva para definir as regras de 2022, ano eleitoral. Bolsonaro vetou o prazo de 180 dias para empenhar as emendas de relator e o poder do responsável por elas de indicar formalmente a ordem de prioridade e os beneficiários da verba. A derrubada dos vetos diminuiria o controle de fluxo dos recursos pelos ministérios do Executivo. Procurada, a Casa Civil não se manifestou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



fonte: Estadão Conteudo


Comentários para "Governo Federal segura emendas e gera disputa no Senado":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
A contragosto, governo vê Câmara aprovar verba de R$ 234 mi para combater covid entre indígenas

A contragosto, governo vê Câmara aprovar verba de R$ 234 mi para combater covid entre indígenas

Indígenas são mais suscetíveis a doenças infectocontagiosas, por isso a pandemia ampliou as ameaças que circundam o segmento

Mais de 200 entidades lançam documento rejeitando MP que extingue Bolsa Família e PAA

Mais de 200 entidades lançam documento rejeitando MP que extingue Bolsa Família e PAA

A MP significa o fim do PAA, instrumento que permite que o poder público adquira a produção de alimentos da agricultura familiar camponesa e doe para instituições que atendem população em situação de vulnerabilidade

PF desarticula contrabando de ouro de terras indígenas venezuelanas

PF desarticula contrabando de ouro de terras indígenas venezuelanas

Operação La Cadena cumpre 40 mandados de prisão, busca e apreensão

Covid pode ter afetado 'cérebro' de Ciro Gomes, diz Lula após pedetista atacar Dilma Rousseff

Covid pode ter afetado 'cérebro' de Ciro Gomes, diz Lula após pedetista atacar Dilma Rousseff

'Vou decidir no ano que vem', diz Lula sobre ser candidato

"O mundo perdeu a admiração pelo Brasil", diz Gilberto Gil

Um dos maiores artistas da MPB e ex-ministro da Cultura lamentou o retrocesso nacional

Após leilão fracassado, oferta permanente de petróleo é

Após leilão fracassado, oferta permanente de petróleo é "ameaça eterna" em Fernando de Noronha

O arquipélago de Fernando de Noronha é considerado Patrimônio Mundial Natural pela UNESCO desde 2001

Xuxa chama Bolsonaro de 'genocida' e pede que apoiadores deixem de segui-la no Instagram

Xuxa chama Bolsonaro de 'genocida' e pede que apoiadores deixem de segui-la no Instagram

“E você que é a favor da vida, assine o impeachment agora”, completou a apresentadora, ao compartilhar vídeo em que Bolsonaro reclamava por não ter conseguido ver o jogo do Santos por não estar vacinado

Ciro fala em conspiração de Lula por impeachment de Dilma, que o acusa de mentir

Ciro fala em conspiração de Lula por impeachment de Dilma, que o acusa de mentir

Em entrevista ao podcast Estadão Notícias, Ciro lembrou que nomes com os quais Lula ensaia uma reaproximação política hoje, como os emedebistas Renan Calheiros e Eunício Oliveira, patrocinaram a deposição de Dilma, tratada pelo PT como golpe.

Fascismo está na raiz do bolsonarismo, diz coordenador do Observatório da Extrema Direita

Fascismo está na raiz do bolsonarismo, diz coordenador do Observatório da Extrema Direita

Bolsonaro usou uma série de símbolos ligados ao integralismo em seu governo, como o slogan "Deus, Pátria e Família"

Invasão de guerrilheiros e atenção de 'países poderosos' na Amazônia ameaçam soberania do Brasil?

Invasão de guerrilheiros e atenção de 'países poderosos' na Amazônia ameaçam soberania do Brasil?

A Polícia Federal confirmou que estrangeiros suspeitos de ligação com dissidência das Farc estão entrando em território brasileiro devido ao avanço do garimpo ilegal de ouro. A Sputnik Brasil conversou com um especialista em questões de Defesa e Segurança para saber o que está por trás desta

Antes de receber Bolsonaro em Aparecida, Arcebispo pede país “sem mentira e fake news”

Antes de receber Bolsonaro em Aparecida, Arcebispo pede país “sem mentira e fake news”

“Para ser pátria amada, seja uma pátria sem ódio