×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de maio de 2022

Mães influenciadoras. A vida como um grande negócio no Instagram

Mães influenciadoras. A vida como um grande negócio no InstagramFoto: Estadão

O que para muitas começou como uma maneira de constituir uma comunidade, transformou-se em um grande negócio

Alyson Krueger, The New York Times / Estadão Conteúdo - 30/12/2019 - 09:54:10

Por ser uma mãe que exerce certa influência, Caitlin Houston sentia a necessidade de agir. Caitlin, originária de Wallingford, Connecticut, leu um post no Instagram de Karen Feldman, fundadora das Striped Sheep (ovelhas listradas), uma empresa de roupa para mães e filhas, que afirma que um dos seus padrões foi usado sem autorização pela Thuckernuck, uma companhia de roupas femininas.

Por isso Caitlin postou artigos sobre o dilema da Striped Sheep na Instagram. Algumas das suas leitoras - ela recebe 34 mil visualizações por mês - comentaram nas plataformas online da Tuckernuck. Imediatamente, a Tuckernuck retirou os itens contestados do seu site e pediu desculpas a Karen Feldman, oferecendo-lhe uma parcela dos lucros dos seus produtos.


A Striped Sheep ganhou milhares de novos seguidores e vendeu todo o seu estoque. “Foi uma grande promoção para mim, a melhor coisa que poderia acontecer”, comentou Feldman a respeito da publicidade gratuita. A Tuckernuck, fundada por três amigas que também são mães, não gostou. “Nós não achamos que as redes sociais seja o lugar adequado para se envolver em algo deste tipo, além do que isto se torna um péssimo precedente para as futuras gerações”, observou Jocelyn Gailliot, a diretora da Tuckernuck.

Há 4,5 milhões de mães influenciadoras nos Estados Unidos, segundo a Mom 2.0, a organização que elas criaram. Elas utilizam as redes sociais para gravar cada detalhe de suas vidas: o suéter que compraram, o novo brinquedo do filho, a marca de café que consegue acordá-las. O que para muitas começou como uma saída criativa ou uma maneira de constituir uma comunidade, transformou-se em um grande negócio.

As suas seguidoras gastam com os produtos que elas apoiam, e boicotam os que elas criticam. (Algumas mães influenciadoras ganham quando as pessoas compram produtos depois de clicarem nos itens que elas indicam, e às vezes assinam acordos de patrocínio com as marcas.)

Algumas pessoas levantaram uma série de questões a respeito de quando e como as mães influenciadoras deveriam usar o seu poder. Quanto seria preciso pesquisar antes de discutir uma marca? Qual é, em outras palavras, a etiqueta que uma mãe influenciadora deveria adotar?

Heather B. Armstrong, de Salt Lake City, Utah, diz que tem como norma, quando não pode resolver algum problema pelos canais normais de atendimento ao consumidor, recorrer às redes sociais. Outras influenciadoras acham que apoiar ou depreciar uma marca, independentemente de sua interação com ela, é uma responsabilidade para com o público. Faz parte da descrição de suas vidas de maneira autêntica.

Algumas influenciadoras pretendem ser mais jornalísticos. O site de Liz Gumbinner, Cool Mom Picks, tem milhões de leitoras e centenas de milhares de seguidores sociais. Ela tem também o Cool Mom Tech, o Cool Mom Eats e comunidades de mães da mídia social.

Liz tem uma equipe de redatores, pagos por ela, que encoraja a pesquisar conscientemente antes de postar uma apreciação. “Os nossos redatores experimentam um novo produto por um mês, por exemplo, antes de recomendá-lo”, ela disse. Evidentemente, as companhias gostam de uma cobertura positiva. Mas quando uma crítica viraliza, o dano dificilmente pode ser consertado.

Às vezes, segundo Caitlyn, é melhor sair da internet. E contou o que respondeu a uma influenciadora que perguntou se ela postaria uma experiência negativa no novo café do bairro. “‘Não! O café é novo. Por que você iria arruinar os donos?’ ” respondeu. “É bom que ela tenha nos perguntado. Isto sequer passa pela cabeça de muitas pessoas”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Comentários para "Mães influenciadoras. A vida como um grande negócio no Instagram":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Lorena fala que durante a adolescência se sentia isolada e até excluída, mas viu na internet um refúgio. Ela revela que demorou um tempo para falar sobre a doença e sua deficiência.

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Para a escritora, a obra é necessária porque ajuda as mulheres a trilhar um caminho de mentalidade financeira abundante

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

A chamada adoção solo tem as mesmas regras do processo biparental

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Conciliar família, trabalho e estudo é uma tarefa inevitável para mulheres mundo afora. Em Manaus, mães venezuelanas têm ganhado apoio em sua jornada

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Lei integra a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

O filme dá ideia perfeita da trajetória e das dificuldades dessa luta.

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

É o que revela estudo feito pela Unesco

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Em 2006, a lei brasileira Maria da Penha trouxe o reconhecimento e a responsabilização criminal da violência contra a mulher, mas ainda existem muitos desafios a serem superados

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Maioria recebe menos que um salário mínimo e não tem carteira assinada

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Objetivo é ajudar jovens profissionais a entrar no mercado de trabalho

Rayssa Leal conquista ouro e sobe pela primeira vez no pódio do X-Games

Rayssa Leal conquista ouro e sobe pela primeira vez no pódio do X-Games

Antes da medalha de Rayssa, o Brasil havia conquistado outras duas com Gui Khury, de 13 anos