×
ContextoExato

Marieke Vervoort: Uma reflexão sobre a morte digna

Marieke Vervoort: Uma reflexão sobre a morte dignaFoto: Agência Brasil

Atleta paralímpica passou por eutanásia na semana passada

Agência Brasil - 28/10/2019 - 20:15:04

Marieke Vervoort. A paratlatleta belga ficou conhecida no Brasil em 2016 por ter deixado público que assinaria documentos para fazer a eutanásia. O procedimento, que consiste na morte com ajuda médica, ainda é proibido por aqui, mas é legalizado na Bélgica. Em geral, nossa relação com a morte é marcada por uma dualidade. É uma certeza que todos temos, mas sobre o qual geralmente não falamos.

Há três anos, às vésperas dos Jogos Paralímpicos, um evento que exige que o atleta vá até seus limites físicos, supere marcas e que serve como exemplo de superação para tantas pessoas, Marieke revelou que já tinha aprontado os documentos para a eutanásia. A partir dali várias pessoas passaram a procurá-la: alguns para conhecer as razões que a levaram a tomar a decisão e outros até para tentar fazer com que ela mudasse de ideia.

A belga, que descobriu uma doença degenerativa aos 14 anos de idade e a partir daí sentiu dores intensas em todos os dias de sua vida, escancarou para todos uma realidade que o glamour dos Jogos Paralímpicos às vezes nos faz esquecer: alguns dos atletas que ali estão são pessoas com deficiência, com doenças graves e que causam sofrimento. Não são super-heróis. São humanos. Que buscam quebrar limites esportivos, resistindo aos limites do corpo. Mas estes limites existem e a dor também.

Após os Jogos Paralímpicos do Rio, Marieke seguiu contando sua rotina em redes sociais, assim como tantos fazem. Postava algumas fotos mostrando sua rotina. Além do esporte, nos últimos anos ela realizou sonhos: voou em um caça, andou em carro de rali e desmistificou a curiosidades de muitos em saber como ela lidava com a morte. A resposta? Com naturalidade. Obviamente, falou sobre a eutanásia, defendendo o procedimento. Disse que, se a técnica fosse aprovada em todo o mundo, ajudaria a reduzir o número de suicídios.

Três anos após conquistar duas medalhas nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, Marieke morreu no dia 23 de outubro. Em sua última publicação na internet, uma foto e uma frase “Não posso esquecer as boas recordações”.

Edição: Verônica Dalcanal

Por William Douglas - Comentarista do programa Stadium da TV Brasil. A coluna do comentarista será publicada pela Agência Brasil semanalmente às segundas-feiras. São Paulo

Comentários para "Marieke Vervoort: Uma reflexão sobre a morte digna":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório