×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

Marinho diz que Bebianno e demissão de Moro o motivaram a acusar Flávio

Marinho diz que Bebianno e demissão de Moro o motivaram a acusar FlávioFoto: Ellan Lustosa/Código19/Estadão Conteúdo

O empresário Paulo Marinho deixa a Superintendência da Polícia Federal, na zona portuária do Rio de Janeiro, após depoimento

Portal Uol - 26/05/2020 - 22:54:50

O empresário Paulo Marinho, que prestou hoje mais um depoimento à Polícia Federal, disse que a memória de seu "saudoso amigo" Gustavo Bebianno, morto em 14 de março, e a demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça o motivaram a acusar o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) de ter sido informado sobre uma investigação contra seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, antes de seu desdobramento.

A declaração foi uma resposta a um jornalista que o questionou sobre a demora em revelar os fatos. "Tive duas motivações: primeiro, a memória do meu saudoso amigo Bebianno, que poderia estar falando o que estou falando agora. A segunda motivação foi o episódio da demissão do ministro Moro. Achei que o meu episódio se encaixa no dele", justificou Marinho na saída da sede da PF no Rio de Janeiro.

Relacionadas

Celso de Mello nega pedido de Flávio para ter acesso a depoimento de Marinho

Flávio Bolsonaro chama Witzel de 'traidor' e diz que tsunâmi está por vir

Witzel critica 'ditadura da perseguição' e diz que Flávio deveria ser preso

Ele também informou que os delegados a quem prestou depoimento também pediram uma perícia em seu celular. O empresário deverá voltar à PF na próxima quinta-feira (28) para entregar o aparelho, já que hoje, por conta de outras operações que estão sendo deflagradas pela polícia, não seria possível analisá-lo.

Mais cedo, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ). São apurados indícios de desvios de recursos públicos originalmente destinados para o combate ao novo coronavírus.

"Pediram a perícia porque eles acreditam que meu celular tem alguma coisa que possa colaborar. Eu não acho nada, os delegados acham que precisa periciar meu celular", disse Marinho. "Também autorizei que tivessem acesso à nuvem para que pudessem buscar todas as informações que talvez não estivessem disponíveis no celular [agora]", completou.

O empresário ainda disse não se sentir "nem um pouco intimidado" com as ameaças que vem recebendo, mas acrescentou que agora, após seu último depoimento, a história é um capítulo encerrado em sua vida. "Não tenho nada a acrescentar na narrativa que eu dei. É página virada. Não tenho inimigos, não trabalho com gabinete do ódio. Minha missão como cidadão está cumprida", concluiu.

Entenda o caso

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, publicada na Folha de S.Paulo em 16 de maio, Marinho —que fez parte da campanha de Jair Bolsonaro (sem partido) à Presidência— acusou Flávio Bolsonaro de ter acesso antecipado à informação de que seu ex-assessor parlamentar, Fabrício Queiroz, seria alvo de uma operação da Polícia Federal.

À época das declarações, o senador disse que a acusação de Marinho era uma "invenção de alguém desesperado e sem votos". O empresário, que é presidente do PSDB no Rio de Janeiro, também é pré-candidato à prefeitura da capital fluminense.

O depoimento de hoje é o terceiro que Marinho dá sobre o caso —o segundo à PF. O primeiro foi concedido na última quarta-feira (20), também na Superintendência da PF no Rio; o segundo aconteceu no dia seguinte, na sede do Ministério Público Federal (MPF) na capital fluminense. O órgão também abriu um procedimento investigatório criminal para apurar as denúncias.

Comentários para "Marinho diz que Bebianno e demissão de Moro o motivaram a acusar Flávio":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
2022 será ano determinante para a liberdade

2022 será ano determinante para a liberdade

Students for Liberty Brasil vê 2021 como período em que o liberalismo retrocedeu, apontando grandes desafios para este ano

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Após contaminação de professores por covid-19, retorno será gradual

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Suprema Corte pediu detalhes sobre vacinação de menores

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Cerca de 50 categorias pedem reajustes de 20% a 28%

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro