×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Milho: oferta restrita faz preços subirem no Brasil

Milho: oferta restrita faz preços subirem no BrasilFoto:

Confira as principais notícias sobre dólar, mercado agropecuário e previsão do tempo para começar o dia bem informado

Por: Uol - Canal Rural, Com Informações Da Agência Safras, Somar E Agência Brasil / Imagem: Pixabay - 26/11/2018 - 17:31:57

Os preços domésticos do milho terminaram a semana passada entre estáveis e mais altos. De acordo com a consultoria Safras & Mercado, as cotações avançaram especialmente em São Paulo, diante da oferta restrita.

Nas demais regiões, mercado mais equilibrado, mas com pouquíssima movimentação sendo o destaque de forma geral.

Bolsa de Chicago

Os contratos futuros se desvalorizaram, refletindo a queda nos preços do petróleo. Sinais de boa demanda pelo grão dos EUA limitaram o movimento negativo. Na semana, o contrato dezembro recuou 1,58%.

Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as vendas líquidas para a temporada comercial 2018/2019 ficaram em 877,4 mil toneladas na semana encerrada em 15 de novembro, o que representa baixa de 2% frente a semana passada e é 50% superior a média das últimas quatro semanas. O maior importador foi o México, com 375,9 mil toneladas. Para a safra seguinte, foram mais 5 mil toneladas. Analistas esperavam entre 600 mil a 1,1 milhão de toneladas.

Milho no mercado físico – por saca de 60 kg

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) – por bushel

  • Dezembro/2018: US$ 3,59 (-2,75 cents)
  • Março/2019: US$ 3,70 (-2,50 cents)

Boi gordo

As indústrias com escalas de abate confortáveis ofertaram até R$ 3 abaixo dos valores de referência da arroba do boi gordo, na sexta, dia 23. “Porém, nesses patamares os negócios travam”, alerta a Scot Consultoria.

Por outro lado, nas praças pecuárias onde há necessidade de reabastecer estoques e preencher as programações de abate para a próxima semana, os preços subiram.

No sul da Bahia, a arroba teve alta de R$ 2 na comparação dia a dia da Scot, o que significa acréscimo de 1,4%, considerando o valor a prazo. A oferta de boiadas restrita colaborou para firmeza das cotações na região.

No mercado atacadista de carne bovina com osso, as cotações permaneceram estáveis frente ao levantamento de quinta, dia 22, e o boi casado de animais castrados está cotado em R$ 9,98 por quilo.

Mercado de reposição retoma ritmo

Ao passo que o período de vacinação contra a febre aftosa vai chegando ao fim, o volume de negócios retoma a normalidade no mercado de reposição. De acordo com a Scot Consultoria, o que se nota é que na maioria dos estados a oferta não é suficiente para atender a demanda vigente e com isso, quem tem animal para vender pede preços acima das referências.

Além da maior demanda frente à oferta, as pastagens, com vigor cada vez maior, permitem a retenção dos animais. Logo, o cenário é de firmeza nas cotações.

Na média de todas as categorias de machos e fêmeas anelorados e estados pesquisados pela Scot Consultoria, as cotações fecharam mais uma semana em alta, de 0,2%. Aliás, essa já é a 21ª semana consecutiva sem ajustes negativos para esse mercado.

Boi gordo no mercado físico – arroba à vista

  • Araçatuba (SP): R$ 147,50
  • Triângulo Mineiro (MG): R$ 141
  • Goiânia (GO): R$ 136
  • Dourados (MS): R$ 145
  • Mato Grosso: R$ 129 a R$ 134
  • Marabá (PA): R$ 132
  • Rio Grande do Sul (oeste): R$ 4,75 (kg)
  • Paraná (noroeste): R$ 150,50
  • Sul (TO): R$ 134
  • Veja a cotação na sua região

Soja

Os contratos futuros fecharam com preços mais baixos na Bolsa de Chicago. Em uma sessão abreviada, após o feriado de Ação de Graças, a forte queda do petróleo se estendeu às demais commodities, incluindo a soja.

Os preços dos contratos futuros de petróleo operam com forte queda, com o WTI recuando mais de 6% e o Brent mais de 4%, em meio ao aumento da produção nos Estados Unidos e aos temores de enfraquecimento da demanda diante a desaceleração da economia global.

As indefinições em torno de um possível acordo entre China e EUA na reunião do G-20 na semana que vem completaram o cenário de pressão.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos divulgou um relatório sobre as exportações líquidas. O volume referente à temporada 2018/2019 ficou em 680,5 mil toneladas na semana encerrada em 15 de novembro. Isso representa uma forte alta frente à semana passada e ante à média das últimas quatro semanas. O maior comprador foi a Alemanha, com 191,7 mil toneladas. Para a temporada 2019/2020, foram mais 3.900 toneladas. Somando-se as duas temporadas, analistas esperavam entre 500 mil a 950 mil toneladas.

O USDA anunciou ainda a venda de 120 mil toneladas por parte de exportadores privados para destinos não revelados com entrega na temporada 2018/2019.

Brasil

O mercado interno teve uma sexta-feira de preços pouco alterados. Os negócios seguiram travados no encerramento da semana.

Soja no mercado físico – por saca de 60 kg

  • Passo Fundo (RS): R$ 80
  • Cascavel (PR): R$ 76,00
  • Rondonópolis (MT): R$ 70,50
  • Dourados (MS): R$ 75
  • Porto de Paranaguá (PR): R$ 82,50
  • Porto de Rio Grande (RS): R$ 83
  • Confira mais cotações

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) – por bushel

  • Janeiro/2019: US$ 8,81 (-2 cents)
  • Março/2019: US$ 8,94 (-2 cents)

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 0,40, sendo negociada a US$ 306,20 por tonelada, com desvalorização de 0,13%. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 27,60 centavos de dólar, com baixa de 0,20 centavo ou 0,71%.


Café

O mercado brasileiro teve uma sexta-feira de preços mais baixos, diante da forte queda do arábica na Bolsa de Nova York. Com o recuo nas bases, o mercado ficou travado em termos de negociações, com os vendedores na “retranca”.

Nova York

O café arábica encerrou as operações na bolsa com preços acentuadamente mais baixos. As cotações despencaram e atingiram os níveis mais baixos em sete semanas, ameaçando a linha de US$ 1,10 a libra-peso, diante da alta do dólar contra o real e outras moedas e com o tombo do petróleo. No balanço semanal, o contrato março acumulou uma queda de 4,6%.

Londres

Os preços do robusta pouco se alteraram na bolsa londrina. Segundo traders, o mercado foi pressionado pelo tombo no petróleo e pela alta do dólar contra o real e outras moedas. Entretanto, fatores técnicos e preocupação com a passagem de uma tempestade pelo Vietnã, que pode atrapalhar a colheita, limitaram essa pressão e o mercado fechou próximo do zero-a-zero.

No balanço semanal, o contrato janeiro acumulou uma desvalorização de 2,1%.

Café no mercado físico – por saca de 60 kg

  • Arábica/bebida boa – Sul de MG: R$ 435 a R$ 440
  • Arábica/bebida boa – Cerrado de MG: R$ 440 a R$ 445
  • Arábica/rio tipo 7 – Zona da Mata de MG: R$ 365 a R$ 370
  • Conilon/tipo 7 – Vitória (ES): R$ 325 a R$ 330
  • Confira mais cotações

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – por libra-peso

  • Dezembro/2018: US$c 107,15 (-3,15 cents)
  • Março/2019: US$c 110,95 (-3,15 cents)

Café robusta na Bolsa de Londres (Liffe) – por tonelada

  • Novembro/2018: US$ 1.611 (+US$ 1)
  • Janeiro/2019: US$ 1.617 (-US$ 2)

Dólar e Ibovespa

O dólar comercial fechou a negociação em alta de 0,42%, cotado a R$ 3,8210 para a compra e a R$ 3,8230 para a venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7970 e a máxima de R$ 3,8330.


Previsão do tempo

Sul

A maior parte da região segue com tempo firme e sol entre poucas nuvens. Na porção leste dos três estados e na faixa norte do Paraná, não está descartada a chance de pancada de chuva isolada, por conta de áreas de instabilidade.

O calor volta a ganhar força entre o noroeste gaúcho e o oeste paranaense. Já na faixa leste dos estados da região, a expectativa é de temperaturas mais amenas.

Na costa, mar agitado e com risco para ressaca até as 15h, de Rio Grande (RS) até Laguna (SC), com ondas que podem chegar a 2,5 metros.

Sudeste

A frente fria alcança a costa do Espírito Santo e provoca pancadas de intensidade moderada a forte entre o estado e o leste de Minas Gerais. Também pode chover de forma mais intensa no Triângulo Mineiro, por conta de áreas de instabilidade associadas a umidade e calor.

No Rio de Janeiro, o tempo ainda segue bastante nublado, e chove forte em alguns pontos. Atenção nas áreas serranas do estado, que já tiveram deslizamentos no último dia 20: o solo está encharcado e novos episódios de chuva podem causar transtornos na região.

Centro-Oeste

Uma baixa pressão atmosférica se forma no norte de Mato Grosso do Sul, favorecendo a formação de nuvens carregadas e temporais no norte do estado, no sul de Mato Grosso e no sul de Goiás. Além disso, há previsão de chuva persistente entre o norte goiano e o nordeste nordeste mato-grossense. Nessas áreas, o acumulado de chuva previsto é maior.

Nordeste

As instabilidades passam a ganhar força no interior da região, inclusive com expectativa de chuva em áreas do Sertão. A presença da frente fria no litoral sul da Bahia, somada aos efeitos de um fenômeno chamado Alta da Bolívia, que redistribui a umidade e o calor da Amazônia para as demais regiões do Brasil, provoca essas instabilidades.

Norte

Oeste do Amazonas, leste do Pará e Tocantins têm maior condição de instabilidade. Já no restante da região, a chuva ocorre de forma mais isolada e sem previsão de grandes volumes. Como é comum da região, calor e tempo abafado predominam.

https://canalrural.uol.com.br/noticias/agricultura/milho/milho-oferta-precos/


Comentários para "Milho: oferta restrita faz preços subirem no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

A Bayer diz que resolveu cerca de 107 mil de um total de 138 mil casos relacionados ao herbicida.

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Apesar de ser tema que está em voga na atualidade, já há tempos que as políticas de incentivo à melhor responsabilidade social, ambiental e econômica atingem o agronegócio

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Empresa apresentará novidades voltadas às áreas de proteção de cultivo e sementes de frutas e hortaliças

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Para que o papel estratégico do Brasil de produtor mundial de alimentos possa ser consolidado, é importante que os nossos agricultores tenham segurança hídrica e energética

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Iniciativas sustentáveis: de olho em toda a cadeia produtiva

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?

Risco à segurança alimentar

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Ampliação da área de cultivo protegido na maior unidade de pesquisa da multinacional no hemisfério sul vai acelerar desenvolvimento de novas tecnologias

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultor palestino trabalha em uma fazenda de abelhas na cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, no dia 6 de junho de 2022.

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

A condução inadequada na criação do animal pode gerar prejuízos ao produtor

Ferramenta para quebra do coco babaçu é tecnologia social em reta final de validação pelas quebradeiras de coco

Ferramenta para quebra do coco babaçu é tecnologia social em reta final de validação pelas quebradeiras de coco

Os recursos para o desenvolvimento da ferramenta vieram da Fundação de Amparo e Desenvolvimento Científico do Maranhão

O que o MST tem feito em contraponto ao agronegócio predatório no Brasil?

O que o MST tem feito em contraponto ao agronegócio predatório no Brasil?

Emancipação é libertação, é tornar-se autônomo, é constituir-se na luta como sujeito, é consciência