×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Privatização do Jalapão é aprovada e causa revolta em comunidades quilombolas

Privatização do Jalapão é aprovada e causa revolta em comunidades quilombolasFoto: Adetuc/Governo do Tocantins

Quilombo Mumbuca, localizado na região do Jalapão, foi formado em 1909; moradores não foram consultados amplamente sobre o tema

Paulo Motoryn - Brasil De Fato | Brasília (df) - 27/08/2021 - 08:30:32

Governador sancionou lei no dia seguinte à aprovação na Assembleia do Tocantins; "Estou com medo", diz líder de entidade

A privatização do Parque Estadual do Jalapão, aprovada pela Assembleia Legislativa do Tocantins (Aleto) e sancionada pelo governador Mauro Carlesse (PSL) na quarta-feira (25), é criticada por quilombolas e moradores da região por ter excluído as populações mais afetadas pelo projeto dos debates sobre o tema.

O projeto já era anunciado pela gestão estadual desde o início do ano, quando o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social ( BNDES ) firmou contratos com seis estados para estruturar uma série de concessões de parques naturais à iniciativa privada.

:: Bolsonaro estuda abandonar tratado sobre direitos indígenas e quilombolas a partir de setembro ::

No governo do presidente Jair Bolsonaro, o BNDES tem liderado projetos de privatização junto aos Estados. Ao todo, 26 parques foram envolvidos, dentre eles os parques tocantinenses do Jalapão, do Cantão, e do Lajeado. Em sessão realizada na noite dessa terça (24), a Aleto aprovou ainda a permissão a concessão de terminais rodoviários e do Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins.

De acordo com a lei, que é de autoria do governador Mauro Carlesse, a concessão não abrange as 7 comunidades quilombolas que estão na região do Parque Estadual do Jalapão. O projeto foi criticado pela oposição na Aleto pela superficialidade. Deputados estaduais apontaram que as duas páginas do texto não consideram os impactos aos povos tradicionais e quilombos.

Zé Roberto Lula, do PT, afirmou durante a sessão que os impactos para as comunidades não foram calculados pelo projeto. "O modelo a ser adotado não pode ser adotado dos que vem de fora, mas de ajudar os que estão nas regiões", alertou Zé Roberto.

"A gente precisa aprender a ouvir as pessoas e aqui povo do Jalapão, pode contar com este deputado que vai fazer um esforço supremo para que esta Casa não decida nada sem antes discutir com o povo para construir um modelo de desenvolvimento que inclua as pessoas", disse o deputado estadual.

Lei que permite concessão do Parque Estadual do Jalapão / Reprodução/Diário Oficial do Estado

O Ministério Público Federal de Tocantins (MPF-TO), em 20 de agosto, tentou suspender o projeto na Justiça, mas teve o pedido barrado. A ação pedia para que o governo do estado do Tocantins consultasse as comunidades tradicionais sobre medidas que irão afetá-las diretamente.

No documento, o procurador da República Álvaro Lotufo Manzano escreveu que o projeto de concessão não foi discutido com as comunidades tradicionais e que o texto não detalha as obrigações do futuro parceiro privado ou o prazo de vigência de eventuais parcerias.

O Brasil de Fato entrevistou a presidente da Associação dos Artesãos e Quilombolas da Comunidade Mumbuca, Railane Ribeiro da Silva, disse que os moradores estão com medo dos impactos da aprovação da privatização. Segundo ela, o projeto nem sequer foi apresentado aos quilombolas.

Railane disse ainda que teme represálias após ter participado de protestos na Aleto contra a privatização do Jalapão.

"As pessoas ficam com medo. Eu estou com medo até de falar. Porque eu participei dessa luta [contra a privatização], a gente foi, pediu, conversou e não tivemos sucesso", declarou.

"Nas comunidades, muita das pessoas não sabem nem o que é privatização, nem sabe nem o que é concessão. Ficam perguntando o que é, porque sou a líder da comunidade, presidente de uma associação."

A líder comunitária disse também que os moradores criticaram o fato de representantes do governo estadual não terem conduzido conversas sobre a privatização nos territórios: "Em primeiro ligar, precisariam vir aqui e dizer como seria, quais seriam os impactos que causaria na nossa comunidade e nos arredores. Tem muitas comunidades na região e isso não foi feito".

Iniciativa tem participação de fundador da Natura

Em fevereiro, o Brasil de Fato mostrou que Pedro Passos, sócio-fundador e conselheiro da empresa Natura, financia a execução de várias etapas do Programa de Estruturação de Concessões de Parques Naturais, lançado em 2020.

O empresário é o mantenedor único do Instituto Semeia, ONG que prestará quatro serviços “de graça” a governos estaduais até 2023, dentre eles o tocantinense: estudo setorial, acompanhamento do estudo de modelagem, interlocução com possíveis investidores privados e capacitação de agentes públicos. A Natura é uma multinacional brasileira de cosméticos, produtos de higiene e beleza, fundada em São Paulo (SP) em agosto de 1969.

Edição: Vivian Virissimo

Comentários para "Privatização do Jalapão é aprovada e causa revolta em comunidades quilombolas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Lixo marinho, incluindo plástico, papel e madeira, acaba indo para as profundezas dos oceanos.

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Evento busca integração de iniciativas sustentáveis entre países

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Brasileiros descartam 79 milhões de toneladas de lixo sólido por ano

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Na véspera da COP-26, na Escócia, que começa no dia 31, há uma expectativa sobre o que o Brasil vai apresentar.

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Foto tirada em 27 de setembro de 2021 mostra uma vista no parque de Jiuzhaigou, no distrito de Jiuzhaigou, Província de Sichuan, sudoeste da China.

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Ativista Greta em protesto junto da ONU

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre o impacto que um novo projeto de lei norte-americano sobre desmatamento ilegal no mundo pode ter para as exportações brasileiras

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

O desmatamento em junho deste ano, conforme Imazon, apontam para o terceiro maior índice de destruição da vegetação nos últimos 10 anos.

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Desde o início da intervenção na Ponte 3 da Rodovia Transpantaneira, caminhões-pipa de 16 mil litros fazem a reposição diária da água do corixo para beneficiar a população que permaneceu. Um trabalho de "enxugar gelo", segundo Martins, da Ecotrópica, porque o volume é consumido diariamente pelo uso e evaporação.

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e está sendo devastado, segundo Mapbiomas.