×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 21 de setembro de 2021

Foto: Reprodução Instagram

"Skate não é só para meninos", diz a medalhista Rayssa Leal

Rayssa Leal:

Portal Dw De Noticias - 26/07/2021 - 07:52:52

Conhecida como Fadinha, jovem de apenas 13 anos conquista a prata em Tóquio, na estreia do skate como esporte olímpico. Atleta também faz história como a mais jovem medalhista olímpica do Brasil.

A skatista brasileira Rayssa Leal, de apenas 13 anos, entrou para a história nesta segunda-feira (26/07) como a mais jovem atleta brasileira nos Jogos Olímpicos e a mais jovem medalhista olímpica do Brasil. Foi a primeira vez que o skate foi disputado como esporte olímpico.

Na final feminina da categoria street do skate, Rayssa levou a medalha de prata, sendo superada apenas pela japonesa Momiji Nishiya, também de 13 anos, e ficando à frente de outra competidora do Japão, Funa Nakayama, de 16 anos. As três compuseram pódio mais jovem da história olímpica.

"É fantástico estar aqui em Tóquio. Quando voltar ao Brasil, o primeiro que farei será dizer aos meus amigos que consegui e que todos os meus esforços deram resultado", disse Rayssa em coletiva de imprensa. A jovem natural de Imperatriz, no Maranhão, afirmou esperar celebrar com uma festa a sua conquista.

Rayssa tem o apelido de Fadinha, graças a um vídeo que viralizou nas redes sociais em que ela, com apenas seis anos de idade e vestida com uma fantasia da personagem Sininho, faz manobras de skate.

Questionada por um repórter, a jovem prodígio disse nunca ter dado ouvidos a quem diz que meninas não podem andar de skate ou que o esporte é incompatível com os estudos.

"Acho que todos os esportes são válidos para meninos e para meninas, não há barreiras nos esportes", disse.

"Skate é, sim, para todo mundo", declarou à TV Globo. "A gente está podendo provar que felizmente skate não é só para meninos."

Rayssa afirmou que o skate está ganhando popularidade no Brasil e disse que, além do esporte, também gosta de jogar futebol.

Além de Rayssa, outras duas skatistas brasileiras – Leticia Bufoni e Pâmela Rosa – representaram o Brasil na categoria street nos Jogos de Tóquio, mas a Fadinha foi a única a chegar à final. As provas da categoria park serão realizadas nos dias 4 e 5 de agosto.

"Poder representar o Brasil e ser uma das mais jovens a ganhar uma medalha... Estou muito feliz, este dia vai entrar para a história", disse a jovem após a conquista.

A prata de Rayssa foi a terceira medalha do Brasil nos Jogos de Tóquio: Kevin Hoefler ficou em segundo lugar na final masculina de skate street, e o judoca Daniel Cargnin conquistou o bronze na categoria até 66 quilos.

lf (Efe, AFP, Reuters)

LEIA MAIS

Tóquio 2020 é edição com mais atletas abertamente LGBTQ

Mais de 160 competidores dos Jogos na capital japonesa se declararam publicamente homossexuais, bissexuais, transgêneros ou não binários, segundo contagem do site Outsports. Grande maioria é mulher.

Tóquio abre Jogos com cerimônia atípica e menções à pandemia

Brasil destoa e leva apenas quatro pessoas ao desfile, em sinal de preocupação com a pandemia. Estádio tinha arquibancadas vazias, e apresentações trouxeram mensagens de respeito à diversidade e esperança.

Atleta alemã é autorizada a usar faixa nas cores do arco-íris

COI dá aval para que Nike Lorenz, capitã do time de hóquei, estampe símbolo LGBTQ no tornozelo durante os Jogos de Tóquio. Caso levantou críticas quanto à falta de clareza nas regras.

Covid, polêmicas e escândalos assombram os Jogos de Tóquio

Tachados de "amaldiçoados" por vice-premiê japonês, Jogos Olímpicos de 2020 acumulam críticas por ocorrer em meio à pandemia, dezenas de participantes infectados e vários diretores demitidos por atitudes preconceituosas.

Comentários para ""Skate não é só para meninos", diz a medalhista Rayssa Leal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório