×
ContextoExato

Sommeliers argentinos indicam seus malbec, de R$ 49,99 a R$ 229,90

Sommeliers argentinos indicam seus malbec, de R$ 49,99 a R$ 229,90Foto: Fernando Sciarra/Paladar

A lista conta com rótulos básicos - bem feitos, mas sem maior complexidade -, com opções irreverentes e também com clássicos

Por Suzana Barelli, Estadão Conteúdo - 20/04/2021 - 15:47:45

Cecília Aldaz e Bautista Casafus são dois sommeliers argentinos, que trabalham no Brasil. Cecília, que elegeu o Rio de Janeiro como morada 11 anos atrás, é a responsável pelos vinhos do premiado Oro, restaurante de seu marido Felipe Bronze, no Leblon. Bautista, por sua vez, comanda o serviço de vinho do não menos famoso Arturito, da chef Paola Carosella, em São Paulo.

Os dois cresceram provando malbec e nem poderia ser diferente. Acompanham a evolução dos tintos e, também dos rosés, elaborados com a variedade, que tem um dia especial no calendário. O último sábado, dia 17 de abril, foi comemorado o Malbec World Day. Com esse conhecimento, digamos, privilegiado, são eles que sugerem os vinhos dessa reportagem: são malbec em três categorias: até R$ 60; de R$ 61 a R$ 120; e acima desse valor.

A lista começa com o Doña Paula Malbec (R$ 49,99, no Pão de Açúcar), indicação de Cecília Aldaz. “É um vinho básico, um típico malbec, com muita fruta. Aquele vinho que agrada todo mundo”, defende ela. Bautista, por sua vez, escolheu o Arte Argento Malbec (R$ 58, na Toque de Vinho). “É um vinho mais simples, para tomar geladinho, para levar ao churrasco com os amigos”, define ele. Nesta faixa de preço, os dois concordam que a busca é por vinhos bem feitos, sem defeitos, mas também sem maiores complexidades. “São vinhos sem profundidade, mas que eu beberia tranquilamente”, acrescenta Bautista.

Na categoria intermediária, de rótulos entre R$ 61 a R$ 120, os dois sommeliers, por coincidência, foram para aqueles produtores argentinos mais irreverentes, que trabalham para mostrar novas leituras da malbec. A dica de Bautista é o Amansado (R$ 113, na Familia Kogan Wines), e a de Cecilia é o This is not another lovely malbec, de Matias Riccitelli (R$ 108, na Winebrands).

A irreverência de Riccitelli começa com o nome do vinho, que pode ser traduzido como “esse não é mais um adorável malbec”. “Tem consumidores que dizem que se cansaram do malbec. Mas atualmente tem vinhos mais frescos elaborados com a variedade, com a fruta não tão madura”, destaca Cecília. O vinho escolhido por Bautista é elaborado por Pablo Michelini – a família Michelini, entre irmãos e primos, é conhecida por elaborar vinhos muito bem feitos, equilibrados, mas com aromas e sabores mais intrigantes, diferentes dos clássicos rótulos do país.

Nos vinhos mais caros, Bautista escolheu o Catena Malbec (R$ 168, na Mistral). “A família Catena fez muito pelo malbec, criaram um instituto de pesquisa, fizeram muitas investigações e avanços. Esse vinho é sempre muito bem feito, complexo”, destaca o sommelier. Cecília, por sua vez, sugere o Val de Flores (R$ 229,90, na Adega Express), que também é um clássico. É um tinto elaborado apenas com a malbec por Michel Rolland, um dos primeiros enólogos consultores a desembarcar na Argentina nos anos 1990 e a mostrar para o mundo o potencial do país.

Os dois profissionais elogiam a variedade, mas Bautista não tem nenhuma garrafa de malbec entre os 20 e poucos vinhos da carta do Arturito. E Cecília, mesmo tendo malbec no cardápio, no caso o Achaval Ferrer, diz que dificilmente coloca um malbec no menu-degustação. “Nada contra ao malbec, mas todos associam um restaurante argentino ao malbec e queremos sair do óbvio”, diz Bautista. Ele trabalha para mostrar que a Argentina tem outras uvas e não apenas a sua variedade emblemática.

Cecília, por sua vez, conta que quando o restaurante estava a pleno vapor, antes da covid, 95% dos pedidos eram de menu-degustação e, nesses casos, sua proposta e apresentar vinhos diferentes para os clientes. “Estou sempre buscando vinhos pouco conhecidos, seja de uvas ou regiões menos valorizadas, seja de clássicos elaborados de maneira diferente”, diz ela.

Comentários para "Sommeliers argentinos indicam seus malbec, de R$ 49,99 a R$ 229,90":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório