×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

TCDF auditará atendimento a pessoas com síndrome de Down

TCDF auditará atendimento a pessoas com síndrome de DownFoto:

O Conselheiro Renato Rainha concedeu o prazo de 10 dias para que o Secretário de Saúde, Humberto Lucena, dê explicações sobre a enorme demanda reprimida e que apresente um plano de atuação para sanar os problemas apontados pelo Ministério Público de Contas.

Redação - 24/08/2017 - 18:05:48

O Ministério Público de Contas do Distrito Federal apresentou pedido ao Tribunal de Contas para que averigue a precariedade do atendimento aos pacientes com síndrome de Down. Segundo informações obtidas pelo MPDFT e pelo MPC, 1850 pacientes são atendidos nas diversas especialidades que compõem o Crisdown, Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down, que funciona no Hospital Regional Asa Norte-HRAN.

Na investigação preliminar feita pelo Ministério Público apurou-se que existe demanda reprimida, em Clínica Médica, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Genética, Nutrição, Pediatria, Psicologia e Terapia Ocupacional. Na parte de estrutura física, descobriu-se a necessidade de novo espaço, já que o HRAN é um hospital que possui mais de 35 (trinta e cinco) anos e, por isso, subdimensionado.

O Secretário de Saúde, Humberto Lucena, não informou aos órgãos de investigação porque não provê a mão de obra necessária para o atendimento no Crisdown. Também não foram dadas explicações suficientes acerca da não nomeação de clínicos médicos, Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos, Geneticistas, Nutricionistas, Pediatras, Psicólogos e Terapeutas Ocupacionais admitidos em concurso público e aguardando nomeação ou que podem ser deslocados para o atendimento das pessoas com síndrome de Down.

O Secretário de Saúde também não indicou aos órgãos de controle se existe algum planejamento ou previsão de que o Crisdown receba espaço físico adequado para desenvolver políticas públicas de estimulação das pessoas com a síndrome de Down.

Diante da insuficiência das respostas e de adoção de políticas públicas concretas para atender a população com síndrome de Down, a Procuradora Geral, Cláudia Fernanda, requereu uma completa auditoria por parte do Tribunal de Contas do Distrito Federal. Destacou que “a falta do referido tratamento é o divisor de águas entre aqueles que terão qualidade de vida e independência, daqueles que não a terão. Não é um luxo. É um direito, e se é direito, não é favor. Essa reabilitação será tanto mais efetiva quanto antes se iniciar, aproveitando o que especialistas denominam de "plasticidade cerebral".

A Procuradora geral destacou que a não-adoção de políticas públicas eficazes, que tem agravado a situação das pessoas com síndrome de Down, “é causa de improbidade administrativa e, sendo assim, o gestor pode e deve ser chamado a explicar a política pública que adota perante as Cortes de Contas, que, por sua expertise, pode e deve contribuir com sua análise. Por aqui, passam discussões emergentes, como a admissão de servidores públicos, a eficiência na aplicação dos recursos públicos, atos e contratos, etc”.

O Conselheiro Renato Rainha, admitiu a instauração da auditoria, dissentindo do corpo técnico do TCDF, por ter vislumbrado graves violações aos direitos dos pacientes atendidos pelo Crisdown.

O Conselheiro concedeu o prazo de 10 dias para que o Secretário de Saúde, Humberto Lucena, dê explicações sobre a enorme demanda reprimida e que apresente um plano de atuação para sanar os problemas apontados pelo Ministério Público de Contas.

Enquanto isso, as famílias de pessoas com síndrome de Down começam a organizar formas de auxiliar os auditores do Tribunal de Contas a identificar todos os problemas existentes e de pressionar o Governo do Distrito Federal para que cumpra a lei. Também querem o apoio da Câmara Legislativa do Distrito Federal para que auxiliem na definição de um espaço físico adequado, com profissionais em número suficiente para atender a demanda. Hoje, existem crianças de até 04 anos de idade e que nunca foram atendidas por especialistas para promover a estimulação.

A sociedade espera um trabalho sério e rápido por parte do Tribunal de Contas. Aguarda que a Câmara Legislativa e o Poder Executivo se unam para encontrar soluções para o grave problema, que pode comprometer o futuro de inúmeras crianças. Não mais é possível tolerar o descaso e o preconceito que, historicamente, é destinado às pessoas com deficiência. Uma solução deve surgir e deve surgir para ontem.

Comentários para "TCDF auditará atendimento a pessoas com síndrome de Down":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Os dados fazem parte da pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 24 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

A nota técnica que baseia a decisão cita manual do Sistema Único de Saúde

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Estado é líder com mais de 16% da participação nacional

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

MP dos Cartórios também pretende atuar no processo de modernização com o objetivo de unificar os registros cartorais de todo o país

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

A entidade está realizando nesta semana, no Catar, seu encontro anual.

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

O IPCC também aponta que, nos próximos oito anos, 132 milhões de pessoas (especialmente de países mais vulneráveis, incluindo regiões da América do Sul) podem cair na extrema pobreza.

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Buscas por viagens aumentam no primeiro semestre

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

As primeiras visitas aos cidadãos aconteceram em março, no estágio denominado arrolamento, em que agentes comunitários de saúde visitam setores sorteados em busca do público-alvo da sondagem.

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Pesquisa TIC Domicílios foi divulgada hoje por centro de estudos

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Consumidores não pagarão mais porque bandeira está verde

Procuradora de Registro espancada revela que 'tinha medo' de colega

Procuradora de Registro espancada revela que 'tinha medo' de colega

“Foi exposta a minha dignidade. Como mulher, fui desrespeitada, assim como servidora pública”, afirmou a procuradora-geral de Registro (SP)