×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

Temer, FHC e Collor alertam para o risco de crise institucional no país e dizem que momento exige diálogo

Temer, FHC e Collor alertam para o risco de crise institucional no país e dizem que momento exige diálogoFoto: Tribuna da Internet

Ex-presidentes pediram a Bolsonaro que evite conflitos

Fernanda Calgaro - G1 / Tribuna Da Internet - 05/05/2020 - 19:48:39

Os ex-presidentes da República Michel Temer (2016-2018), Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Fernando Collor de Mello (1990-1992) alertaram nesta segunda-feira, dia 4, para o risco de crise institucional no país. Ao participarem de um debate por videoconferência, organizado pela TV ConJur, os ex-presidentes também pediram ao presidente Jair Bolsonaro que evite conflitos com os demais poderes, promovendo a união da sociedade.

Durante o debate, os ex-presidentes não chegaram a mencionar especificamente a ida de Bolsonaro a atos em Brasília com pautas antidemocráticas e inconstitucionais. Neste domingo, dia 3, Bolsonaro participou de uma manifestação contrária ao Supremo Tribunal Federal, ao Congresso Nacional e com faixas que pediam intervenção militar. Para os ex-presidentes, o momento exige diálogo, e Bolsonaro deveria adotar um tom conciliador.

SARNEY, LULA E DILMA – Segundo o site Consultor Jurídico, organizador da videoconferência, o ex-presidente José Sarney foi convidado, mas disse que teria outro compromisso. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ainda segundo o site, recusou o convite, e a ex-presidente Dilma Rousseff não deu resposta.

Na videoconferência, Temer disse que chegou a telefonar para Bolsonaro para lhe dar conselhos. Um desses conselhos, segundo o ex-presidente, foi para que Bolsonaro decretasse isolamento social por “10 ou 12 dias” e o outro, que não falasse todo dia com os apoiadores e a imprensa.

“O presidente, muitas vezes, faz a pauta do país. Ele diz de manhã e passa o dia em conflituosidade”, disse.”A crise […] avançou, é uma crise das instituições. A crise institucional nasce da palavra, do verbo, isto é que nós temos que superar neste momento”, acrescentou, em outro momento.

CRISE INSTITUCIONAL – Na avaliação de FHC, “estamos próximos de uma crise institucional”. “Nessas horas, eu acho que as Forças Armadas têm papel importante e acho que elas compreenderam até agora o papel, que é fazer com que a Constituição Federal valha. Não há outro modo de sair além senão de respeitarmos a Constituição”, ressaltou.

Para Collor, “já há em gestação uma crise institucional”, e as palavras de Bolsonaro “criam desassossego e exasperação” quando o país precisa de “paz”. Ainda na avaliação do ex-presidente, o chefe do Poder Executivo pode ajudar com “seu comportamento”, não com “dissonâncias que ele vem todos os dias nos trazendo com esse cálice tão difícil de ingerir”.

LEGISLATIVO – Ao comentar a relação entre os poderes Executivo e Legislativo, FHC disse que Bolsonaro, “ao invés de provocar a coesão, provoca a ruptura”. Afirmou dainda que Bolsonaro “não é o Estado” e tem que levar em consideração a opinião das pessoas.

O ex-presidente observou que o país vive na democracia e que é preciso ouvir o Parlamento e formar uma maioria se quiser governar com tranquilidade. “Quem tem dificuldade de formar maioria, se choca com o Congresso, tem dificuldade em se manter”, declarou.

ISOLAMENTO – “Ao se isolar, é muito difícil governar”, disse. Ele afirmou, entretanto, ser necessário ter cautela em relação a “medidas radicais”, como o impeachment.

Temer foi na mesma linha. Disse que “quem governa não é apenas o Executivo”. “Quem governa é o Executivo juntamente com o Legislativo”, destacou. Quando presidente da República, o emedebista repetia essa frase constantemente.”O Executivo executa o poder popular e quem é que vocaliza a vontade do povo? É a lei. E quem faz a lei é o Legislativo”, completou.

JUDICIÁRIO – Ao debaterem a relação entre Executivo e Judiciário, FHC e Collor comentaram a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que barrou a nomeação de Alexandre Ramagem para a Direção-Geral da Polícia Federal. A decisão gerou críticas de Bolsonaro ao papel do STF.

Collor destacou que cabe ao presidente da República fazer a nomeação para o cargo e que “talvez” tenha havido “açodamento do Judiciário de impedir posse do diretor da Polícia Federal”.

“Nessa questão específica da nomeação do diretor-geral da Polícia Federal, eu acreditaria, agora de fora, que talvez não fosse interessante ao Supremo Tribunal Federal ter entrado nesse mérito, porque é um ato privativo do presidente da República”, disse.

“AGRESSÃO” – Para FHC, como Bolsonaro “vai para a agressão” e “abre espaço para que outros poderes queiram cumprir funções que são próprias do Executivo”.

“Acho que presidente atual, como vai para a agressão, ao contrário da coesão, abre espaço para que outros poderes queiram cumprir funções que são próprias do Executivo. Eu acho que o poder Judiciário, que tem se comportado bastante bem, agora, exagerou. Foi além do que é constitucional, o dever dele. Você não pode dar ao presidente a desculpa de dizer ao país ‘olha, eu não posso governar porque estou sendo bloqueado’. É o que ele está dizendo. Foi dado um pretexto que não seria oportuno”, disse.


Comentários para "Temer, FHC e Collor alertam para o risco de crise institucional no país e dizem que momento exige diálogo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
2022 será ano determinante para a liberdade

2022 será ano determinante para a liberdade

Students for Liberty Brasil vê 2021 como período em que o liberalismo retrocedeu, apontando grandes desafios para este ano

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Após contaminação de professores por covid-19, retorno será gradual

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Suprema Corte pediu detalhes sobre vacinação de menores

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Cerca de 50 categorias pedem reajustes de 20% a 28%

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro