×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

A vida não é para hoje, para amanhã nem para agora: a vida é pra já!

A vida não é para hoje, para amanhã nem para agora: a vida é pra já!Foto: Pixabay

Toda forma de amor vale a pena

Paulo José Cunha - Unb Notícias - 05/01/2021 - 21:43:58

O ano foi embora. Então... é hora! Hora de afirmar a vida e lutar por ela, não só a partir de agora, mas desde já. Porque a vida tem pressa, não pode esperar. É preciso inaugurar ou renovar o amor. Não o amor fútil das canções chorosas, babentas, melosas. Mas o amor transformador, esse que impulsiona as grandes mudanças sociais, que oferece o combustível para as grandes revoluções. Sim, é preciso renovar o amor pelo ser humano, como também o amor-próprio, e principalmente o amor pelos que mais precisam... de amor. O amor que derruba ditadores, que restaura a liberdade, preserva direitos e impõe deveres a governantes e governados. Um amor que vá além do beijo e do carinho, mas que seja sinônimo de luta por dias melhores. E como a vida é pra já, o amor tem pressa.

É preciso renovar as forças para combater o mal em todas as suas manifestações. E começar já, com ações que atinjam, por exemplo, o feminicídio que, no ano que se foi, pela covardia de machos que se escondem atrás do argumento de que mataram por amor, custou o assassinato de pelo menos 1 mil e 500 mulheres. A vida é pra já. Daí a necessidade de começar pelas nossas crianças um projeto educacional que saia do bê-a-bá e do dois-mais dois e eduque não apenas para ler o Chapeuzinho Vermelho ou para aprender a contar até 10. Mas que eduque... para a vida. E para o respeito, como o que se deve às mulheres, com o fim definitivo do machismo estrutural que precisa ser encarado como um mal que mata, e não como afirmação de superioridade masculina, como cultuado ao longo de séculos.

Toda forma de amor vale a pena

É preciso começar já, nas famílias e nas escolas, nas praças e nos escritórios, nas casas e nas ruas, a respeitar todas e as mais diversas formas de amar, sem exceção, pois exceções não há quando se trata de as pessoas serem o que são e o que querem ser. Assim, a homofobia, a bifobia e a transfobia, que desde 2019 são consideradas crimes e não doenças, precisam começar desde já a ser combatidas e homossexuais, bissexuais e transexuais precisam ser defendidos apenas como o que são: seres humanos com suas formas de ser e de amar. E protegidos com esse amor revolucionário, amor que reinventa a vida em sociedade. Uma luta que precisa começar já, porque a vida tem pressa. Muita pressa.

O ano passado ficou marcado pelas reflexões sobre o racismo, a partir de atos repugnantes como o assassinato cruel daquele americano negro, sufocado pelo joelho de um policial. E, aqui, pelo assassinato covarde daquele homem negro esmurrado até a morte num supermercado de Porto Alegre. É preciso encarar o racismo como crime hediondo, porque atinge o ser humano na sua natureza mais íntima. Todo dia, ao abrir os olhos, milhões de pessoas em todo o mundo passam a mão na pele negra e sabem que, mal o dia nasce, e é hora de começar a lutar pelo direito de serem apenas o que são, pois assim vieram ao mundo. Não há razão para esperar. E não é uma luta que deva começar agora. A luta contra o racismo é pra já. Porque a vida tem pressa.

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Comentários para "A vida não é para hoje, para amanhã nem para agora: a vida é pra já!":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto ‘Desapega DF’ recolhe doações de servidores

Projeto ‘Desapega DF’ recolhe doações de servidores

Peças de vestuário estão entre os itens requisitados para doação

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Proposta foi aprovada hoje e segue para análise do Senado

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Doações de sangue tiveram um redução de 13% neste mês e para alguns tipos sanguíneos o estoque está em níveis críticos

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.