×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de dezembro de 2021

Agência estimula práticas para a preservação do solo e da água no Distrito Federal

Agência estimula práticas para a preservação do solo e da água no Distrito FederalFoto: Arquivo: Agência Brasília

Esforço para racionalizar consumo d´água

Agência Brasília - 23/12/2019 - 09:44:32

Projetos como a semeadura de espécies nativas do cerrado às margens do Descoberto.

O crescimento populacional, as mudanças climáticas e a ocupação desordenada do solo têm sido os principais responsáveis pelo comprometimento da segurança hídrica no Distrito Federal. Em 1999 o DF já era considerado a terceira pior Unidade da Federação em disponibilidade de água.

Hoje, com 3 milhões de habitantes e o volume de 930m³ de água por habitante/ano, o DF pode ser considerado zona de escassez hídrica, de acordo com os critérios da Organização das Nações Unidas (ONU).

10,1%Volume a mais de água consumido no DF nos quatro primeiros deste ano em relação ao mesmo período de 2018

A recente crise de abastecimento – de janeiro de 2017 a junho de 2018 – não foi suficiente para a conscientização populacional em torno da necessidade de consumo racional da água. Pesquisa da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa), realizada após o período crítico da crise hídrica, mostra que só nos quatro primeiros meses deste ano o volume consumido foi 10,1% maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando ainda vigoravam medidas de restrição hídrica.

Enquanto nos primeiros quatro meses de 2018 foram consumidos 46,3 milhões de m³, em 2019 o volume aumentou para 51 milhões de m³, muito próximo do que foi registrado em 2016 (52,7 milhões m³), antes da crise hídrica.

“A segurança hídrica vai muito além dos reservatórios cheios. Ela requer que a sociedade como um todo esteja preparada para eventuais retornos de crises hídricas, que são realidade no mundo. Para que se atinja a segurança hídrica é importante poupar na abundância”, afirmou o diretor-presidente da Adasa, Paulo Salles.

Uma das iniciativas tomadas pela Adasa neste ano, para minimizar o aumento do consumo de água pela população do DF, foi o lançamento da campanha de conscientização para o uso racional do recurso hídrico. Com o slogan Use, reuse, economize e repita, a mensagem foi transmitida em redes sociais, emissoras de rádio de TV e outdoors, enfatizando a necessidade de manutenção da prática no combate ao desperdício.

A ação foi reforçada pela regulamentação, inédita no país, das instalações do sistema de reaproveitamento das águas de chuva e de reúso nas residências. A resolução da Adasa estabelece diretrizes para o aproveitamento de água pluvial e reúso de água cinza (proveniente de chuveiros, banheiras, lavatórios, tanques e máquinas de lavar roupa).

Apesar da prática de aproveitamento de água não potável estar prevista em legislação federal, a Adasa foi o primeiro órgão regulador no Brasil a definir os critérios para a implantação do sistema de água não potável em edificações residenciais.

Depois de tratadas, as fontes alternativas de água não potável podem ser utilizadas na irrigação de jardins, na descarga de vaso sanitário, na lavagem de pisos, fachadas e veículos automotivos e para uso ornamental – como espelhos d’água e chafarizes. Para a lavagem de roupa é permitido apenas o uso da água da chuva.

Investimento tecnológico

Além de campanhas de conscientização e ações para estimular a racionalização do consumo, a Adasa tem investido em novas tecnologias, com o apoio da Inteligência Artificial (IA) para monitorar cenários e se antecipar a possíveis crises hídricas no DF.

A agência oferece serviços de qualidade nos setores de recursos hídricos, água potável, esgotamento sanitário, drenagem urbana e resíduos sólidos Paulo Salles, diretor-presidente da Adasa

Para maior eficiência nesse trabalho de monitoramento, a Agência utiliza sensores instalados em diferentes pontos para medir os níveis de água em rios e reservatórios – além dos índices de chuvas, com medições programadas para cada 15 minutos.

Essas informações são transmitidas via satélite ao Banco de Dados SQL Server da Adasa, instalado na nuvem, e os dados são processados de forma automática e transferidos para ferramenta de análise.

Conscientização ambiental

A educação ambiental é outra frente de trabalho do órgão. Os programas Adasa na escola e Sala de leitura, dirigidos a alunos dos ensinos Médio e Fundamental, de escolas públicas e particulares, têm como foco a formação de multiplicadores da informação sobre a importância do uso racional da água.

Também é discutido o combate ao desperdício, a necessidade da preservação do meio ambiente e da destinação correta dos resíduos sólidos. Com o mesmo propósito, promove eventos dirigidos à população como a Semana do Lago Limpo e a Corrida e Caminhada pela Água.

Práticas conservacionistas para a preservação do solo e da água também são estimuladas pela Agência. São projetos especiais desenvolvidos em parceria com órgãos distritais federais e instituições, como o Produtor de Água, no Pipiripau, e a semeadura de espécies nativas do cerrado às margens do Descoberto.

Reconhecimento internacional

O trabalho incansável da Agência no sentido de orientar e procurar alternativas para garantir a segurança hídrica no DF lhe proporcionou o reconhecimento internacional. Hoje, a Adasa integra o Conselho Mundial da Água, como membro ativo na discussão de alto nível de temas relacionados a problemas com o produto no mundo.

A busca pela eficiência e qualidade tem pautado o trabalho da Agência na transparência, conhecimento, articulação institucional e na participação popular no processo decisório. Segundo Salles, a Adasa é reconhecida como uma das mais importantes agências reguladoras do país.

Comentários para "Agência estimula práticas para a preservação do solo e da água no Distrito Federal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Unicef pede US$ 9,4 bilhões para ajudar 327 milhões de pessoas

Unicef pede US$ 9,4 bilhões para ajudar 327 milhões de pessoas

Unicef faz apelo recorde para fundo emergencial pós-pandemia, conflitos e mudança climática

Estudantes de todo o país se mobilizam em defesa da Amazônia durante encontro no Maranhão

Estudantes de todo o país se mobilizam em defesa da Amazônia durante encontro no Maranhão

Estudante de Direito, o indígena Alexandre Arapiun fala sobre o papel da educação para a preservação da Amazônia.

China lança plano de cinco anos para impulsionar desenvolvimento verde dos setores industriais

China lança plano de cinco anos para impulsionar desenvolvimento verde dos setores industriais

Robôs inteligentes soldam carrocerias de carros em uma empresa de veículos de nova energia em Chongqing, sudoeste da China, em 2 de abril de 2021.

Pesquisa revela que 55% dos países não conseguem analisar qualidade do solo

Pesquisa revela que 55% dos países não conseguem analisar qualidade do solo

Solos degradados são restaurados em Ruanda.

Furacões são mais frequentes no Atlântico Norte, diz estudo

Furacões são mais frequentes no Atlântico Norte, diz estudo

Motivo é o aquecimento global

Marcas de roupa mundiais estariam relacionadas ao desmatamento na Amazônia, segundo estudo

Marcas de roupa mundiais estariam relacionadas ao desmatamento na Amazônia, segundo estudo

Nos últimos anos o governo brasileiro vem sendo alvo constante de críticas de diversas organizações por conta do crescente desmatamento da floresta amazônica. Os dados da pesquisa da Stand.Earth mostram que a criação de gado é um dos principais responsáveis pela deflorestação, em grande parte feita pela empresa brasileira JBS.

Sai garimpo, fica o mercúrio: Saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira

Sai garimpo, fica o mercúrio: Saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira

Centenas de balsas e dragas bloqueiam trecho do Rio Madeira (AM) para garimpo ilegal

Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Se acidentes são ocasionais não é preciso fechar praias, diz professor

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

Mulher vende batatas no Peru.

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Queimada na Amazônia durante última semana de julho, mesmo com moratória do fogo no bioma.

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Anúncio foi feito durante a COP26, em Glasgow