×
ContextoExato

Agricultura do Distrito Federal dribla impactos da pandemia

Agricultura do Distrito Federal dribla impactos da pandemiaFoto: CorreioWeb

A plantação de milho safrinha, com segunda colheita no ano, é um dos indicadores do bom momento dos grãos

Alan Rios - Correioweb - 06/05/2020 - 07:45:07

Produtores do Distrito Federal sentem perdas ocasionadas em decorrência do novo coronavírus, principalmente com frutas e hortaliças, mas comemoram ganhos com a colheita de grãos. Serviços de entrega ajudam a amenizar as dificuldades

 (COOPA-DF/Divulgação)

Com a pandemia do novo coronavírus, os 11,1 mil produtores rurais do Distrito Federal, segundo levantamento da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), buscam novos caminhos para minimizar os danos. Enquanto setores como os de frutas, hortaliças e flores sentem mais o impacto da crise, o de grãos comemora a safra. “Ela (área rural) é pouco desconhecida, porque Brasília é mais lembrada pela administração e pela política, mas somos uma das poucas capitais com área rural bastante pujante. Temos mais de 20 mil propriedades, cerca de mil agricultores familiares e uma produção diversificada, desde grãos, como milho, soja e trigo, até frutas e hortaliças, por exemplo”, detalha o secretário de Agricultura, Luciano Mendes. Esses dois últimos segmentos estão na lista dos mais afetados pela emergência de saúde.

Decretos do Governo do Distrito Federal (GDF) que suspenderam atividades em feiras e escolas, entre outros setores, achataram a curva crescente de casos de contaminações na capital, mas tiveram a contrapartida dos impactos financeiros. “A restrição foi assertiva, mas não teve como não afetar agricultores familiares, principalmente os que se dedicam à produção de hortaliças e frutas e dependem do funcionamento de boa parte dos espaços públicos”, comenta Luciano.

Outro cultivo muito atingido é o de flores. Com o fechamento de floriculturas e a suspensão de eventos como casamentos, produtores enfrentam dificuldades. “O plantio é feito com antecedência e tudo mudou de uma hora para outra. Por isso, estamos incentivando as pessoas a comprarem flores por delivery, pois é uma forma de aquecer a economia e lembrar da família dos produtores”, diz o secretário.

Ações da Secretaria de Agricultura e dos produtores surgiram como caminhos possíveis para diminuir as perdas. Desde março, o GDF destinou R$ 4,5 milhões em programas para compra de alimentos de produtores cadastrados. Estima-se que cerca de 1,4 mil tenham sido beneficiados. “Dispomos de três programas, que nos permitem comprar parte da produção deles e colocar à disposição de famílias mais necessitadas. Os produtores levam os alimentos às unidades de recepção, nós organizamos em cestas e colocamos à disposição de creches e asilos previamente cadastrados. Além disso, a Secretaria de Agricultura conclui uma chamada para produtores, que vai permitir que a gente continue adquirindo parte da produção que ia para as escolas, para fazer cestas e levar aos pais dos alunos”, adianta Luciano.

Novas possibilidades

As frutas colhidas em fazendas do DF continuam a abastecer supermercados, mas perderam as feiras e os shoppings, o que prejudicou as vendas de muitos agricultores, como Marco Aurélio Mendonça, 58 anos. Ele comercializa frutas e cogumelos desidratados, produtos em alta nos últimos anos com o crescimento de lojas naturais, mas sentiu o impacto nos últimos dois meses. “Parte da produção caiu quase 90%. Tivemos de reduzir a carga horária de funcionários e trabalhamos praticamente um dia por semana, só. Sofremos muito com esse período”, lamenta.

O agricultor não trabalhava com venda direta à população, mas precisou recorrer a esse caminho, com novas metodologias. “Tivemos de incrementar o sistema de delivery, no qual a pessoa pede por telefone e nós fazemos a entrega em casa. Mesmo assim, hoje, a nossa renda não corresponde a 10% do que a gente vendia, até porque há custos de divulgação também. Mas é a única alternativa que temos”, conta. Marco Aurélio calcula que teve um crescimento de 40% nas vendas no ano passado, mas, agora, os hábitos da população mudaram, e a fruta desidratada não é vista mais como necessidade. “Mas recorremos às redes sociais, temos o auxílio da Emater e estamos tentando nos virar”, revela.

Milho e soja

Enquanto isso, a safra de grãos apresenta dados positivos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o DF se destaca nas estimativas de rendimento médio quando comparado com outras unidades da Federação. Estima-se, para este ano, produção de 9.500kg por hectare na primeira safra de milho, atrás apenas do Paraná; e de 7.000 kg/ha na segunda safra, perdendo apenas para o Rio de Janeiro.

O presidente da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa-DF), José Guilherme Brenner, afirma que o comércio de grãos é pouco afetado, porque está ligado à exportação. “Teve recorde em abril. É o produtor colhendo e entregando na cooperativa, e as empresas retirando”, detalha. Ele explica que, atualmente, a segunda safra está em andamento e que será colhida em junho. É a época do “milho safrinha”, que tem esse nome porque os plantadores conseguem fazer a primeira colheita de soja, entre janeiro e abril, realizando dois ciclos de grãos no mesmo ano.

José Guilherme alerta também para o período de pandemia, com mudanças no consumo de muitos produtos, o que impacta diversos setores. “Sentimos retração no consumo e na compra de alguns alimentos por causa da característica dos clientes, que sentiram o fechamento de escolas, lanchonetes, restaurantes. É necessário entender o momento, perceber, por exemplo, que há uma mudança de padrão quando você passa a comer mais em casa e menos na rua. Temos verduras que vendem muito em restaurante, mas no lar não são tão presentes”, avalia. Porém, o produtor entende que se trata de uma situação temporária.

Fique em casa

» Agroindústrias do DF começaram a vender pelo sistema de delivery para minimizar os impactos causados pela pandemia. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) organizou uma lista de pequenas agroindústrias que entregam produtos em casa, como doces, queijos, iogurtes e pães. Outro segmento que sofre neste momento e aderiu às entregas no lar é o das flores. A relação dos produtores de alimentos e plantas pode ser consultada no site www.emater.df.gov.br.

Comentários para "Agricultura do Distrito Federal dribla impactos da pandemia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório