×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de agosto de 2022

Coleção traz histórias de comunidades tradicionais invisibilizadas pela urbanização na Amazônia

Coleção traz histórias de comunidades tradicionais invisibilizadas pela urbanização na Amazônia

Foto: A coleção Turma da Beira possui seis livretos que trazem narrativas ilustradas e lúdicas sobre a vida amazônica. - Divulgação projeto Contracartografias

Estudantes universitários contam histórias sobre os costumes e as transformações dos territórios onde vivem no Pará

Anelize Moreira - Portal Brasil De Fato - 31/07/2022 - 10:41:04

Ideia é dar visibilidade a territórios tradicionais que convivem entre práticas rurais e urbanas

"Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Meu nome é Zinquê, sou aqui de Santarém do Pará, moro com a minha família lá no bairro de Mapiri. Tenho muito orgulho do lugar onde eu nasci. Eu faço parte da Turma da Beira, que é um grupo de jovens que defendem seus territórios na Amazônia. Hoje eu vou trazer para vocês uma história de Alter do Chão da Dona Jacira, que é uma grande anciã que faz parte do povo indígena Borari".

Essa é uma das histórias que estão na coleção de seis livros produzidos pela Turma da Beira. É por meio dessas narrativas que a pesquisa científica rompeu os muros da universidade e devolveu às comunidades o resultado dos estudos feitos na academia sobre esses territórios.

Entre os temas abordados na coleção, estão os territórios do Pará, como a Ilha do Maracujá, os assentamentos de reforma agrária de Mosqueiro, as vozes dos estudantes quilombolas e indígenas da Universidade Federal do Pará (UFPA) e de Alter do Chão e dos indígenas que vivem na cidade.

O personagem Zinquê, que conta a história do território Borari, é Yuri Santana Rodrigues. Ele é morador de Santarém, formado em Gestão Pública pela UFPA, onde foi bolsista, e hoje pesquisa os processos urbanos e luta de movimentos sociais da região.

"O projeto surgiu com a finalidade de dar visibilidade para territórios tradicionais que convivem entre práticas rurais e urbanas. Ele teve a orientação metodológica de ter o protagonismo e representação daqueles e daquelas que vivem nestes territórios, pois são eles que podem falar sobre esse lugar. Dando visibilidade para as suas cosmologias, para as suas ancestralidades, resistências e modos de vida e também a importância de preservação desses territórios que estão sob constante ameaça."

::Do quilombo para periferia: SP receberá todo mês alimentos agroecológicos das roças quilombolas::

A palavra “beira" está associada a estar à margem ou na borda. A Turma da Beira surge como uma forma de descentralizar as formas de viver e ocupar o espaço. Ana Claudia Cardoso é uma das coordenadoras do projeto e que representa a UFPA no Projeto Contracartografias.

"Na pandemia vimos que não ia dar para fazer trabalho de campo como era imaginava inicialmente. A minha estratégia foi contratar estudantes da Universidade Federal do Pará inseridos nestes contextos. Então a pessoa precisa ser morador, como é o caso do Edgar da Ilha do Maracujá, aluno de Nutrição, ou Noel, que é morador de um município da borda metropolitana, mas que é líder de um grupo de consumo agroecológico, responsável pela história dos assentamentos de reforma agrária do Mosqueiro, em Belém, aluno da geografia da UFPA", explica.


Os integrantes da Turma da Beira são estudantes e pesquisadores do projeto Contracartografias que são de diferentes lugares do Pará / Karina Pamplona

A pesquisadora diz que o trabalho realizado ajuda a romper preconceitos e a brutalidade contra os povos retratados nos livros.

"Vemos todos os dias as notícias de violência, sabemos que os indígenas têm sido aguerridos há 522 anos e eles resistem nesses territórios. No entanto, nós sabíamos que era possível mostrar uma face bela e que encanta nessas culturas. Se observamos de que forma a comunidade quilombola cuida dos rios, dos quintais, de que forma os indígenas têm conexão com esses locais, especialmente os espaços sagrados e os elementos da natureza".

::Programa Bem Viver discute riscos do avanço da pecuária em áreas de preservação do Pantanal::

Os livros foram desenvolvidos por meio do projeto Contracartografias da Universidade Federal do Pará em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais que se debruça sobre as diversas mudanças no espaço urbano com avanço do agronegócio, da mineração e de outros empreendimentos.

Noel Gonzaga Bastos, é um dos bolsistas, responsável pelas histórias dos territórios de reforma agrária. "São nestes territórios que centenas de famílias que saíram das periferias da região metropolitana de Belém se engajaram na luta pela terra e agora se dedicam a produção de alimentos para autoconsumo, mas também para alimentar famílias da cidade. Falar dos assentamentos de Mosqueiro é falar de resiliência camponesa, ou seja, superação de dificuldades pela vontade de permanecer na terra. É por essa vontade que as famílias aliam produção agroecológica que garantem preservação das florestas e das águas", ressalta.

Os resultados da pesquisa foram adaptados. Dos relatórios, passaram a ser elaborados materiais didáticos, jogos, animações e materiais audiovisuais como forma de serem acessíveis também às pessoas que moram nestes territórios.

Serviço: Coleção Turma da Beira. Seis livretos de 38 páginas cada. Disponível para acesso gratuito em: www.contracartografias.com

Edição: Douglas Matos


Comentários para "Coleção traz histórias de comunidades tradicionais invisibilizadas pela urbanização na Amazônia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro