×
ContextoExato
Responsive image

Crítica da França ao acordo com Mercosul mostra que o boicote ao Brasil já começou

Crítica da França ao acordo com Mercosul mostra que o boicote ao Brasil já começouFoto: Tribuna da Internet

O vice Mourão reage com ataques à Guiana Francesa

Guilherme Mazui E Pedro Henrique Gomes - G1 — Brasília/tribuna Da Internet - 18/09/2020 - 19:41:02

Após o governo francês ter acesso a um relatório sobre desmatamento no Brasil e reforçar a oposição à versão atual do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia, o vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira (18) que a Guiana Francesa também tem registros de desmatamento e mineração ilegal.

A Guiana Francesa é um departamento ultramarino que a França possui na América do Sul. A região faz fronteira com o Brasil e tem parte de seu território coberto pela floresta amazônica. O garimpo ilegal é um dos problemas nesta porção da Amazônia.

CASO DA GUIANA – “Temos a Pan-Amazônia, abrangida pela Organização do Tratado de Cooperação Amazônica, onde, incluído o Brasil, nós somos nove países, sendo que um é a França, uma vez que a Guiana Francesa é um departamento ultramarino e faz fronteira com o nosso estado do Amapá. E lá temos mineração ilegal e desmatamento também, mas ninguém fala disso”, disse o vice-presidente durante videoconferência nesta sexta.

Mourão disse ainda que o anúncio francês de rejeição ao acordo UE-Mercosul reflete uma “opinião” do primeiro-ministro, Jean Castex.

O vice-presidente defendeu que o governo brasileiro use a diplomacia para mostrar aos países europeus que o acordo, anunciado em 2019 mas que ainda não entrou em vigor, será benéfico os países dos dois blocos.

DISCUSSÃO DO NÍVEL BAIXO – “É uma opinião do primeiro-ministro francês de que o acordo Mercosul-União Europeia não deve ser ratificado pelo parlamento francês pela questão do desmatamento. Ora, vamos lembrar que na Guiana Francesa nós temos garimpo ilegal e temos desmatamento, é uma província francesa, mas não vou colocar a discussão nesse nível, essa é aquela discussão do nível baixo”, declarou Mourão.

O vice-presidente voltou a dizer que o problema do desmatamento e do garimpo ilegal na Amazônia brasileira é menos grave do que o divulgado e que ele atinge a região há muito tempo.

“Existem problemas? Existem. Mas não é um problema generalizado da forma como se coloca. A questão dessas ilegalidades, ela ocorre praticamente nas áreas antropizadas da Amazônia, a maioria delas há mais de 20 anos, 30 anos, ocupada por propriedades rurais”, acrescentou.

CRÍTICAS AO BRASIL – Único país do Mercosul com território coberto pela floresta amazônica, o Brasil é alvo de críticas desde o ano passado, em razão da política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Em julho, organizações ambientais e de direitos humanos europeias apresentaram um pedido ao ombudsman do bloco para que o processo de ratificação do acordo de livre comércio fosse interrompido.

Para entrar em vigor, o acordo de livre comércio precisa ser aprovado pelos parlamentos dos países envolvidos, o que ainda não aconteceu.

QUATRO PAÍSES CONTRA – Com restrições na área ambiental, três parlamentos na Europa (Áustria, Holanda e o da região da Valônia, na Bélgica) nunciaram que não darão seu aval ao acordo de livre comércio, negociado ao longo de duas décadas.

O acordo também é alvo de críticas na França. O primeiro-ministro do país, Jean Castex, argumenta que o desmatamento ameaça a biodiversidade e o clima. A França, junto com outros países, deseja impor condições ambientais para que as negociações avancem.

###
NOTA DA REDAÇÃO
– Não foi por falta de aviso. Era público e notório que o Brasil seria alvo de boicote devido ao menosprezo do governo quanto à devastação da Amazônia. O presidente Bolsonaro e os ministros Ernesto Araújo (Exterior) e Ricardo Salles (Meio Ambiente) realmente não dão a mínima para a necessidade de preservar a floresta. Por isso, o boicote vai aumentar cada vez mais. (C.N.)

Comentários para "Crítica da França ao acordo com Mercosul mostra que o boicote ao Brasil já começou":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório