×
ContextoExato

É hora de se movimentar

É hora de se movimentarFoto: CorreioWeb

No projeto Quarentena Fit o personal Thiago Carlos da Silva oferece aulas on-line para os alunos que preferem treinar em casa

Thais Umbelino - Correioweb - 20/09/2020 - 11:31:32

Especialistas alertam para o aumento do sedentarismo entre os brasilienses como uma das consequências do isolamento social provocado pela crise sanitária da covid-19. Antes, Distrito Federal era considerado uma das regiões mais ativas do Brasil

O isolamento social que a pandemia do novo coronavírus trouxe afetou a qualidade de vida dos brasilienses e elevou o sedentarismo da população. Isso é o que afirmam especialistas entrevistados pelo Correio. Segundo eles, o teletrabalho e o confinamento em casa acarretaram na diminuição da rotina de exercícios físicos e acendeu o alerta sobre a importância de se abordar o tema.

“Se a gente não se adaptar a essa nova realidade, vamos sofrer muito no futuro. É necessário que a população se conscientize de que a pandemia não é um motivo para deixar de praticar atividades físicas, mas, sim, de criar uma nova meta de gasto calórico”, afirma o professor e coordenador de Educação Física do Centro Universitário Iesb, Sérgio Avelino.

Fabiana malha cinco vezes na semana, às vezes, com as filhas  (Arquivo Pessoal)
Fabiana malha cinco vezes na semana, às vezes, com as filhas

De acordo com Sérgio, os índices de sedentarismo ficaram piores na capital devido à mudança no estilo de vida dos indivíduos. “Atrelado a isso, intensificou-se problemas de ansiedade, maior ingestão de álcool e alimentação desequilibrada. As pessoas perderam a motivação de fazer atividades físicas, porque a rotina foi alterada e as práticas de exercício deixaram de ser constantes”, avalia.

Foi o que aconteceu com a professora Fabiana Bastos, 35 anos, nos primeiros meses de isolamento social. “No início, não praticava nenhum esporte. Minha energia era toda para as minhas duas filhas e com os cuidados da casa. Essa época de adaptação foi difícil, ainda mais porque estávamos bem apreensivos com o vírus”, conta. Em maio, o diagnóstico positivo para a covid-19 a pegou de surpresa. “Mesmo com sintomas leves, fiquei muito cansada e ofegante e precisava me recuperar”, completa.

Um mês depois, quando voltou a trabalhar, na modalidade a distância, Fabiana tomou a decisão de retomar as atividades físicas, em casa. “Já estou há dois meses fazendo aulas on-line e não pretendo parar. Desde que comecei, sinto-me com mais energia e disposição. As práticas me ajudaram mentalmente e fizeram com que eu me sentisse melhor”, garante Fabiana, que, eventualmente, tem a companhia das filhas Ana Júlia Bastos Durães, 8, e Isabela Bastos, 1, na hora dos exercícios.

Preocupação

De acordo com a última pesquisa divulgada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em 2017, a população do Distrito Federal foi considerada a que mais pratica esportes e atividade física no Brasil. Porém, a presidente do Sindicato das Academias do DF (Sindac-DF), Thaís Yeleni Ferreira, destaca que os hábitos mudaram com pandemia. “Nem 30% das pessoas retornaram para as academias. A situação nos preocupa, principalmente porque a prática de atividades físicas previne diversas comorbidades”, salienta a profissional.

Uma das soluções pensadas pelo consultor fitness Thiago Carlos da Silva, 36, para garantir que os alunos continuassem a malhar foi iniciar o projeto Quarentena Fit, de forma totalmente on-line. “Além da motivação das aulas que têm, em média, duração de 50 minutos ao vivo e em grupo, outro grande diferencial é a variação de exercícios, muitas vezes adaptados com acessórios da casa do aluno, como galões, cadeiras, entre outros”, explica Thiago. “As pessoas descobriram que é possível se exercitar em casa e com o peso do próprio corpo. Sempre digo que qualquer atividade é válida, desde que a pessoa se mantenha em movimento”, aconselha o professor.

Também usando o mundo virtual, os docentes do curso de Fisioterapia da Universidade de Brasília (UnB) Aline Martins de Toledo, Rodrigo Luiz Carregaro, Fernanda Pasinato e Luisiane de Avila Santana desenvolveram o projeto Exercícios Físicos Domiciliares e Práticas de Educação em Saúde: estratégias de enfrentamento durante a pandemia pela covid-19. Com a participação de 25 alunos de graduação e pós-graduação, o objetivo do grupo CONSCiênci@ é tornar acessível discussões sobre exercícios, orientações e outras atividades domiciliares que possam contribuir para a manutenção da saúde das pessoas.

O projeto destina-se a pessoas com dores musculoesqueléticas crônicas, familiares ou cuidadores de lactentes e crianças com ou sem disfunções neuromotoras, além de pacientes de diabetes. “A gente utiliza a rede social do Instagram (@pconscienciaunb) e do YouTube para disponibilizar materiais sobre rotina de exercícios e traduzir informações científicas em saúde para a população”, explica a coordenadora do projeto, Aline Martins.

Segundo Rodrigo Luiz Carregaro, também à frente da iniciativa, falar sobre atividade física neste período de crise sanitária é fundamental: “Se analisarmos o perfil de muitos profissionais na pandemia, vamos perceber um trabalho mais sedentário, no qual a pessoas fica horas sentada em frente ao computador. E mostrar que é possível e necessário fazer exercícios em casa tornou-se um compromisso nosso. As atividades afetam diretamente na saúde e diminui a chance do indivíduo a desenvolver outras doenças”, acrescenta o professor.

Os pesquisadores do projeto chamam a atenção para a importância de incentivar as crianças a realizarem atividades como pular, correr, ultrapassar obstáculos e dançar. “Embora mudar a rotina pareça difícil, os pais podem ir aos poucos adicionando comportamentos que vão ajudar a criança a ser mais saudável, ativa e forte. A pandemia traz muitas consequências para as crianças, e é necessário incentivá-las ainda mais neste período de confinamento”, finaliza a professora Aline Martins.


Saúde

A pessoa sedentária fica mais vulnerável a quais doenças?

Hipertensão

Diabetes

Doenças crônicas

Ansiedade

Depressão

Exercícios para fazer durante a pandemia

Pular corda

Polichinelos

Subir e descer escadas

Burpee simplificado

Fonte: grupo CONSCiênci@

Comentários para "É hora de se movimentar":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório