×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Gestão Bolsonaro vai distribuir alimentos de baixo valor nutricional a comunidades indígenas

Gestão Bolsonaro vai distribuir alimentos de baixo valor nutricional a comunidades indígenasFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Organizações indígenas afirmam que não foram consultadas sobre os itens que deveriam ou não ser distribuídos

Júlia Pereira - Rádio Brasil Atual Rede Brasil Atual - 29/09/2021 - 15:49:44

Governo não ouviu necessidades dos povos tradicionais e enviará cestas sem produtos in natura e ricos em açúcar

Júlia Pereira - Rádio Brasil Atual Rede Brasil Atual

O governo Bolsonaro, por meio do Ministério da Cidadania, irá distribuir mais de um milhão de cestas de alimentos a comunidades indígenas. O problema é que os itens escolhidos possuem baixo valor nutricional e não condizem com a realidade e necessidades dos mais de 300 povos indígenas brasileiros.

O ministério aponta que a escolha dos alimentos foi feita pela Fundação Nacional do Índio (Funai) junto às coordenações regionais. No entanto, os itens selecionados não condizem com a realidade da alimentação das comunidades indígenas.

É o que aponta Aline Ferreira, professora de nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e integrante do grupo de trabalho sobre saúde indígena da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

“Do ponto de vista nutricional, tirando o arroz e feijão, os itens possuem um baixo índice. Além disso, há pouca diversidade de alimentos e sem respeitar as particularidades culturais desses povos. São mais de 300 grupos étnicos, com características diferentes, e não há nada para suprir as necessidades de cada um”, explicou a especialista à repórter Júlia Pereira, da Rádio Brasil Atual.

Outros interesses

A distribuição das cestas atende à decisão do Supremo Tribunal Federal que, por meio de uma ação, cobra respostas do governo aos impactos da pandemia sobre os povos indígenas. No entanto, chegam com atraso, já que a ação foi ajuizada em julho de 2020.

Além da demora, organizações indígenas afirmam que não foram consultadas sobre os itens que deveriam ou não ser distribuídos, mas a nutricionista não acredita que esse seja o único motivo que levou à composição da cesta por alimentos não condizentes com a realidade das comunidades.

“Existe uma falta de diálogo, mas a sensação que tenho, olhando para essa cesta, é que há um privilégio da indústria alimentícia, sem alimentos in natura . Então, há outros interesses por trás dessa distribuição do governo federal.”

Rosquinha de coco, açúcar e café moído estão nas cestas básicas que o governo federal adquiriu por R$ 173 milhões e que vai distribuir para 233 mil famílias indígenas de todo o país durante seis meses. Não há proteína de origem animal como o charque, por exemplo, que já apareceu em outras cestas distribuídas a indígenas em anos anteriores por governos estaduais e pela própria União.

A professora de nutrição da UFRJ aponta, ainda, que os impactos dessas cestas podem ir desde o descarte dos produtos até o aumento das chances de problemas de saúde pelo consumo de alimentos industrializados e ricos em carboidratos.

“Há locais que não consomem alguns alimentos, porque não tem nem como consumir na rotina de alguns povos. Uma cesta não adequada nutricionalmente, rica em carboidratos e açúcar, aumenta a chance de problemas de saúde, como hipertensão e diabetes.”

Comentários para "Gestão Bolsonaro vai distribuir alimentos de baixo valor nutricional a comunidades indígenas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

Iniciativa quer arrecadar até US$ 5 milhões para o período entre 2021 e 2022

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Em 2020, foram registradas mais de 150 mil denúncias

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

'Meu filho esqueceu as letras'

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Árvores são plantadas na República Democrática do Congo para ajudar a combater a mudança climática.

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

Cerca de metade das pessoas em situação de pobreza são menores de 18 anos

Como pessoas comuns construíram histórias incríveis

Como pessoas comuns construíram histórias incríveis

“Histórias inspiradoras são muito importantes. A ausência delas pode criar um deserto imaginativo, um empobrecimento da nossa capacidade de fantasiar e sonhar”, explica o psicanalista Christian Dunker.

Enviada da ONU descreve “situação desoladora” no Haiti

Enviada da ONU descreve “situação desoladora” no Haiti

Informe ao Conselho de Segurança sublinha que o mundo precisa apoiar a emergência para as vítimas do tremor

Massacre do Carandiru completa 29 anos sem nenhum agente responsabilizado

Massacre do Carandiru completa 29 anos sem nenhum agente responsabilizado

Em meio à impunidade, depois de 29 anos o caso ainda transcende o sistema prisional

Quase 50 crianças brasileiras, filhas de haitianos, já foram deportadas pelos EUA

Quase 50 crianças brasileiras, filhas de haitianos, já foram deportadas pelos EUA

O Haiti enfrenta uma combinação de crises política, social e humanitária

Comitê da ONU preocupado com desaparecimentos de afrodescendentes no Brasil

Comitê da ONU preocupado com desaparecimentos de afrodescendentes no Brasil

Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Redução da pobreza da China é

Redução da pobreza da China é "conquista notável", diz Brookings

Aldeãs colhem pimentas frescas na aldeia de Qinggangba, vila de Tangtou, no distrito de Sinan, Província de Guizhou, sudoeste da China, em 12 de agosto de 2020.