×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de janeiro de 2022

Luta contra a Aids: 5 personagens brasileiros históricos que não resistiram à doença

Luta contra a Aids: 5 personagens brasileiros históricos que não resistiram à doençaFoto:

Para que esse objetivo seja alcançado, é preciso que o mundo continue investindo em prevenção, diagnóstico e tratamento

Redação Com Agência Carolina Peres - 02/12/2021 - 16:17:13

No início dos anos 1980, a imprensa brasileira começou a publicar uma série de reportagens sobre uma nova e desconhecida síndrome que, na época, era mortal: a Aids. Com abordagens marcadas por ignorância e preconceito, a doença a princípio era chamada de “câncer gay”. O vírus só foi descoberto oficialmente em 1983 pelo médico imunologista francês Luc Montagnier e se tornou uma das mais graves epidemias da história.

Hoje, dia 1º de dezembro, é celebrado o Dia Mundial de Combate à Aids e, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a doença pode estar próxima de ser controlada, embora haja 37,6 milhões pessoas vivendo com ela no mundo, segundo os dados mais recentes da UNIAIDS. Para que esse objetivo seja alcançado, é preciso que o mundo continue investindo em prevenção, diagnóstico e tratamento.

Tratamento e prevenção

Segundo uma publicação da Seguros Unimed, empresa que trabalha com seguro de vida e saúde, uma pessoa que contrai o vírus do HIV e recebe o tratamento adequado, provavelmente não chegará a desenvolver a Aids. Caso a carga viral seja mantida indetectável, ela também não transmitirá a doença para mais ninguém.

“Para isso, é importantíssima a adesão irrestrita ao tratamento, caso contrário, em algum momento a doença se instalará e, a partir daí, a baixa imunidade permitirá o aparecimento das doenças oportunistas, que recebem esse nome por se aproveitarem da fraqueza do organismo e que são as verdadeiras causadoras dos óbitos decorrentes da AIDS”, pontua o texto de conscientização publicado pela empresa.

Além disso, a falta de adesão ao tratamento não permite que a carga viral fique indetectável e o portador continua a transmitir o vírus a outras pessoas por meio de relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas ou de mãe para filho durante a gravidez e amamentação. Por esse motivo, a realização periódica de teste é muito importante.

5 brasileiros que marcaram a história e foram vítimas da Aids

Infelizmente, nem sempre o mundo contou com uma estrutura de tratamento como há hoje. Muitas pessoas morreram ao longo da história em decorrência da Aids, inclusive personalidades incríveis e históricas. Relembramos cinco delas, nascidas no Brasil, que lutaram contra a doença, mas não resistiram.

  1. Henrique de Souza Filho (Henfil)

Mais conhecido como Henfil, o cartunista Henrique de Souza Filho faleceu no dia 4 de janeiro de 1988. Ele herdou da mãe um distúrbio chamado hemofilia, que impede a coagulação do sangue e faz com que a pessoa fique mais suscetível a hemorragias.

Henfil contraiu a Aids durante uma das transfusões de sangue que precisava fazer com frequência e faleceu aos 43 anos de idade.

  1. Cazuza

No dia 7 de julho de 1990, morria, aos 32 anos de idade, um dos maiores ícones da Música Popular Brasileira (MPB) em decorrência das complicações causadas pela Aids. Agenor de Miranda Araújo Neto, conhecido como Cazuza, conquistou o Brasil com seu talento, compondo e interpretando canções marcantes.

  1. Claudia Magno

Ela atuou em diversas novelas da TV Globo, como "Meu Bem Meu Mal", "Final Feliz" e “Felicidade”, encantando os brasileiros com suas personagens. A atriz Claudia Magno faleceu aos 35 anos de idade, no dia 6 de janeiro de 1994, por complicações do HIV.

  1. Renato Russo

Um dos maiores nomes da música nacional, Renato Russo liderou com maestria a badalada banda Legião Urbana. Seu sucesso foi interrompido no dia 11 de outubro de 1996, também por consequência da doença. O artista tinha 36 anos de idade.

  1. Wagner Bello (Etevaldo do Castelo Rá-tim-bum)

Quem não se lembra do lendário personagem Etevaldo, do "Castelo Rá-tim-bum", seriado da TV Cultura que fez sucesso nos anos 1990 e 2000? O responsável pelo consagrado papel era Wagner Bello, que morreu aos 34 anos de idade, também em virtude de complicações da Aids, no dia 12 de agosto de 1994, inclusive durante as gravações do programa.

Comentários para "Luta contra a Aids: 5 personagens brasileiros históricos que não resistiram à doença":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
TJSP mantém condenação de dois homens por racismo e injúria contra Maju Coutinho

TJSP mantém condenação de dois homens por racismo e injúria contra Maju Coutinho

Depois, ainda segundo a Promotoria, os réus se reuniam para derrubar páginas do Facebook de pessoas consideradas por eles 'inimigas'

Entenda como o preconceito impede o desenvolvimento das empresas

Entenda como o preconceito impede o desenvolvimento das empresas

Empresas que promovem a diversidade e inclusão se destacam no mercado

"Somos todos seres humanos incompletos e imperfeitos", diz escritor LGBT

Saulo Sisnando levanta a bandeira de que o amor é único e universal

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa

Para Bolsonaro e Queiroga, tem mais valor a opinião de leigos do que o conhecimento da Anvisa e de sociedades científicas do mundo inteiro.

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Estado usa assinatura eletrônica Gov.br para emissão do documento

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

A maior aceitação das famílias aos LGBTI+, embora o preconceito ainda seja um problema grave, também está por trás do rejuvenescimento dos noivos

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A palavra ganhou um sentido ainda mais potente e atual no livro

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Nações Unidas chamam atenção para desigualdade na distribuição das doses da vacina.

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

Apesar do crescimento, essa população não tem sido atendida de forma satisfatória, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit.

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Os investigadores dizem ter identificado, a partir da quebra de sigilo de dados e telefônicos autorizados pela Justiça, grupos que "se autodeclaram nazistas e ultranacionalistas, associados para praticar e incitar atos criminosos".

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

A decisão foi unânime.