×
ContextoExato
Responsive image

Milicianos do “escritório do crime” são alvo de operação no Rio de Janeiro

Milicianos do “escritório do crime” são alvo de operação no Rio de JaneiroFoto: Renan Olaz - CMRJ

Policiais Civis cumprem quatro mandados de prisão e outros 20 de busca e apreensão. O chamado

Metrópoles - 30/06/2020 - 08:02:16

O Ministério Público e a Polícia Civil do Rio de Janeiro deflagraram, na manhã desta terça-feira (30/06), uma operação para cumprir quatro mandados de prisão e 20 de busca e apreensão contra o chamado “ escritório do crime “.

O grupo, formado por milicianos, é investigado por uma série de crimes, incluindo o assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista, Anderson Gomes, ocorrida em março de 2018.

De acordo com informações do site G1, o primeiro alvo a ser preso nesta manhã foi Leonardo Gouveia da Silva, o Mad ou Paraíba, que estava em uma mansão em Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O escritório do crime é alvo de investigações há mais de 10 anos pela prática de crimes como assassinatos e execuções por encomenda.

Veja o nome dos alvos da operação:

  • Anderson de Souza Oliveira, o Mugão;
  • Leandro Gouveia da Silva, o Tonhão, irmão de Mad;
  • Leonardo Gouveia da Silva, o Mad ou Paraíba, preso;
  • João Luiz da Silva, o Gago.
Escritório do crime

A primeira ofensiva dos investigadores envolvidos no caso Marielle Franco ao “escritório do crime” ocorreu no dia 23 de janeiro de 2019, quando foi deflagrada a operação Os Intocáveis, responsável por investigar milicianos que agem em Rio das Pedras. Na época, as autoridades do estado prenderam cinco pessoas suspeitas de envolvimento na execução da parlamentar e de seu funcionário.

Rio das Pedras é a região de onde partiu o Cobalt prata, com placa clonada, usado no assassinato da vereadora e do motorista. A informação foi comprovada durante a apuração do duplo homicídio por imagens de câmaras de segurança de vias e comércios.

De acordo com a reportagem, o veículo teria saído da localidade, passado pelo Quebra-mar, na Barra, antes de acessar a Estrada do Itanhangá e seguir pelo Alto da Boa Vista até a Tijuca.

Segundo a polícia, o celular “bucha” (registrado com o CPF de terceiros) usado por um dos suspeitos presos, que integra o Escritório do Crime, foi detectado no raio de abrangência de uma das antenas próximas ao local do homicídio, no bairro Estácio, zona oeste do Rio de Janeiro.

Comentários para "Milicianos do “escritório do crime” são alvo de operação no Rio de Janeiro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório