×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Mulheres ganham menos do que homens, e daí? E daí, tudo. De ruim

Mulheres ganham menos do que homens, e daí? E daí, tudo. De ruimFoto: Pixabay

Brasil vem piorando em relação ao mundo quando o assunto é 'gender gap'

Estadão Conteúdo - 03/04/2019 - 21:33:55

A desigualdade entre homens e mulheres está diminuindo. Na Suécia. E também na Namíbia, na Nicarágua, no México. Mais precisamente, em 89 dos 144 países acompanhados na série histórica do Fórum Econômico Mundial. São nações que conseguiram reduzir a diferença entre os gêneros nas áreas de economia, política, educação e acesso à saúde. O mundo vem avançando quando se trata de igualdade, mesmo que de forma bem mais lenta do que nós, mulheres, gostaríamos. O Brasil?

Não é que o Brasil somente não esteja caminhando para reduzir a dessemelhança entre homens e mulheres, o chamado gender gap. O País vem piorando em relação ao mundo. Em 2016, estávamos na 79ª posição. De lá para cá, foram duas quedas na sequência. Primeiro, para o 90º lugar. E ficou pior – agora mesmo, em dezembro do ano passado, já aparecíamos no 95º.

É mulher? Trabalha fora de casa? Provavelmente você já sentiu os efeitos de um dos índices em que o Brasil tem pior desempenho global: o de igualdade de salários entre homens e mulheres exercendo a mesma função. Para falar de modo ainda mais claro, há grandes chances de você estar recebendo menos no fim do mês do que seu colega homem que está na mesa ao lado. Só por ser mulher.

Na pontuação que vai de 0 a 1 estabelecida pelo Fórum Mundial, em que estar mais perto do zero significa garantir menor paridade de gênero, atingimos apenas 0,489. No ranking geral, isso significa ocupar a 132ª posição entre as 144 possíveis. Atrás de nós fica um time bem pequeno, que inclui El Salvador e Mauritânia, por exemplo.

Em 13 de março, pouco depois do Dia Internacional da Mulher, o Senado aprovou um projeto (PLS 88/2015) que prevê multa para as empresas que não pagarem salários iguais a homens e mulheres com as mesmas atribuições. O mesmo valeria para discriminação por idade, cor e situação familiar. Na realidade, trata-se de um acréscimo ao texto da Consolidação das Leis do Trabalho, que já dava a garantia do mesmo vencimento, independentemente do gênero.

Pelo texto, que seguiu para tramitação na Câmara, as trabalhadoras receberiam em dobro a diferença salarial verificada mês a mês. Isso se a ilegalidade for comprovada judicialmente. Mas como uma funcionária vai conseguir fazer isso? Especialistas em direito trabalhista já alertam para possíveis armadilhas, como a tentativa por parte de alguns empregadores de mascarar a diferença. Também dizem que, quanto mais alto for o cargo que a mulher ocupe, mais difícil será provar a desigualdade.

As distinções não param por aí. As mulheres no Brasil ganham menos por hora trabalhada, segundo estudo divulgado em 8 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2018, eram R$ 13 em média para elas, contra os R$ 14,2 para os homens. Pode parecer uma diferença pequena, pouco mais do que um real, mas as consequências são duras. As mulheres ganham menos por hora e trabalham menos horas remuneradas. Muitas cuidam da casa, dos filhos, dos pais idosos, em jornadas duplas, triplas. O resultado é um salário médio 79,5% menor que o dos homens: R$ 2.050 para os R$ 2.579 recebidos por eles ao mês.

A escolaridade também costuma ser usada, no mundo, para tentar justificar a diferença de ganhos. O que dizer, então, do caso brasileiro, em que um pouco mais de 18% dos homens inseridos no mercado de trabalho têm ensino superior. Entre as mulheres, o porcentual é de quase 23%. Trocando em miúdos: elas estudam mais e ganham menos. Fora que são maioria nas pós-graduações, embora as maiores bolsas de pesquisa fiquem com eles.

Estamos falando, ainda, tão somente das diferenças entre os gêneros. O que acontece se você for parda, negra, indígena? Se for homossexual ou trans? Se não tiver tido a oportunidade de uma educação formal ou não conseguir trabalhar porque não há vaga para o seu filho na creche pública? Essa reflexão é apenas a ponta de um iceberg de desigualdades. O primeiro de muitos. Prontos para afundar o transatlântico. “Mulheres ganham menos do que homens, e daí?”, perguntam alguns. E daí, tudo. De ruim. Para elas e para a sociedade.

Comentários para "Mulheres ganham menos do que homens, e daí? E daí, tudo. De ruim":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Em 2018, eu dei uma entrevista, inclusive eu estava aqui em Osasco, quando eu disse que não concordava.

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

A mostra tem entrada gratuita com agendamento prévio pelo site do IMS.

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

O PSB lembra na ação que, sem uma classificação particular, os feminicídios e as mortes causadas por violência policial vão sofrer um apagão de dados, o que dificulta a definição de políticas públicas para proteger os grupos vulneráveis.

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Jornalista Maria Ressa foi condecorada com o Nobel da Paz em 2021; prêmio também foi concedido ao russo Dmitry Muratov -

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

A novela exclusivamente rural, que caiu no gosto do público, entrou agora para o catálogo da Globoplay e a partir desta segunda, 11, poderá ser assistida em edição completa - são 126 capítulos.

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Divisão digital impacta empregabilidade, saúde reprodutiva e autonomia corporal de mulheres

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Além da sua doença, Severo enfrentou ainda um AVC do marido, Aderbal Freire. A veterana de 74 anos disse que voltar a gravar novela tem ajudado a superar esse período desafiador.

"Nunca quiseram nos escutar, então criamos um ambiente nosso, de acolhimento", diz slammer

Vencedora da Final Gaúcha de Slam, Tiatã conversou com o Brasil de Fato RS sobre a arte das batalhas de poesia das ruas

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Não nos matem

Futebol feminino encoraja luta contra assédio e abuso de técnicos e cartolas

Futebol feminino encoraja luta contra assédio e abuso de técnicos e cartolas

Protesto contra assédio antes do amistoso contra a Rússia