×
ContextoExato

Mulheres indígenas trilham 1200 km da Patagônia a Buenos Aires denunciando terricídio

Mulheres indígenas trilham 1200 km da Patagônia a Buenos Aires denunciando terricídioFoto: Reprodução

Trajeto levará meses para ser percorrido; cerca de 500 casas já foram destruídas por incêndios na região andina

Por Fernanda Paixão - Brasil De Fato - 18/03/2021 - 14:36:02

Em meio a semanas de incêndios que arrasam a Patagônia argentina, no extremo sul do país, grupos de mulheres indígenas de toda a nação começaram uma longa caminhada na última quarta-feira (17), rumo à cidade de Buenos Aires. O Movimento de Mulheres Indígenas pelo Bem Viver anunciou que cumprirá o trajeto de cerca de 1.200km, em uma jornada que durará meses.

O objetivo é denunciar o terricídio, termo adotado pelo movimento, que convoca a caminhada, para definir os crimes contra a terra efetuados pelos Estados e pelas corporações extrativistas. Neste ano, os movimentos de resistência na região da Patagônia lutam contra os avanços da megamineração em territórios que eram preservados e, mais recentemente, contra os incêndios que avançam sobre as províncias de Rio Negro e Chubut.

Líder mapuche Moira Millán participa da caminhada de Esquel rumo a Buenos Aires: "o Estado é colonial, homogeneizante e racista" - Movimiento de Mujeres Indígenas por el Buen Vivir

Referência do movimento, a líder mapuche Moira Millán detalhou em conferência de imprensa realizada na quarta que haverá grupos da caminhada saindo de quatro localidades argentinas: Jujuy, Salta, Chacho e Córdoba. "A ideia é mobilizar todo o país, para que seja uma caminhada democrática e participativa. Convocamos a todos a participar de uma assembleia, para que possamos elaborar um projeto de lei, para entregarmos juntos às mãos do presidente", disse ela.

As principais reivindicações do movimento incluem considerar o terricídio um crime de lesa-natureza e lesa-humanidade, e que os terricidas sejam julgados e condenados.

Queremos o reconhecimento da plurinacionalidade que habitam nossos territórios contra esse Estado instaurado que é colonial, homogeneizante e racista.

Moira Millán

A previsão é que a caminhada seja concluída no dia 25 de maio, dia da Revolução de Maio, data Nacional da Argentina. "Nesta data, o Estado começou a constituir-se como uma força de invasão nos territórios indígenas", contrapôs o movimento de mulheres indígenas, em comunicado.

Para viabilizar a longa caminhada, a organização solicita ajuda com água, comida e acomodações ao longo do trajeto.

"Muitas irmãs que sairão de distintos pontos do país não têm nada a perder, porque em seus territórios falta água, suas crianças morrem de desnutrição", destacou Paulina Bes, também integrante do movimento de mulheres indígenas. "Consideramos que é o momento para sair a caminhar."

Nas redes, a campanha "Basta de terricídio" tem levantado a hashtag #ApaguenElFuegoYa para mobilizar a população de todo o país. Tanto como colaboração solidária quanto em somar-se à caminhada: bastadeterricidio@gmail.com e acompanhar as caminhas pelo Instagram @mmujeresindigenas.

Incêndios na Patagônia consomem casas e matas no sul da Argentina / Borderperiodismo

Incêndios na Patagônia

Os movimentos de povos originários da região se mobilizam para exigir respostas do governo nacional e para visibilizar a vasta destruição do território. Os incêndios já atingiram cerca de 500 casas e comunidades e devastaram cerca de 30 mil hectares da região.

Desde a primeira semana de março, os incêndios na região da Patagônia argentina geraram um alarme nacional, pelo rápido avanço do fogo devido à condição climática, com ventos de 90km/h. Cerca de 500 casas já foram afetadas pelo fogo na comarca andina.

Moradores da região denunciam a falta de recursos enviados por parte do Estado para conter o fogo, controlado, em grande parte, pelos próprios habitantes. Moradores e grupos organizados de povos originários têm contado com a ajuda de voluntários de todo o país.

Na semana passada, o Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável enviou dois helicópteros, três aviões hidrantes, doze autobombas, veículos de apoio e 104 brigadistas para combater os incêndios. No entanto, dada a proporção do desastre ambiental, a investida foi insuficiente.

O ministro do Interior, Wado de Pedro, reforçou que os incêndios são intencionais. "Os focos foram iniciados simultaneamente em diferentes localidades. Não se trata de um raio ou um acidente, mas sim de incêndios intencionais, que afetam não apenas os bosques nativos, a fauna e a flora, mas a milhares de pessoas que correm risco de vida", ressaltou.

Meios hegemônicos contra a resistência indígena

As informações sobre os incêndios e o que tudo indica serem investidas de grandes corporações no sul da Patagônia sofrem um cerco midiático. Em meio às crescentes denúncias de moradores que foram impactados pelo fogo, uma grande operação midiática passou a incriminar, sem fundamentos, aos povos mapuches como causadores dos focos de incêndio.

No dia 13 de março, o presidente Alberto Fernández visitou a região afetada em Chubut, e foi recebido com um protesto sob o lema "Não é não". A frase reforça a ampla postura contrária da população ao avanço da exploração mineira na Patagônia argentina.

Na ocasião, em Lago Pueblo, um carro passou arremessando pedras no veículo presidencial. Os meios acusaram os manifestantes; porém, a placa do carro foi identificada como propriedade da Polícia de Chubut.

"Que os governos e empresas comecem a instrumentalizar e distrair o foco para o que realmente importa e culpar o povo mapuche não é surpresa para nós", declarou Moira Millán esta manhã. "Vivemos em um país onde o racismo sistêmico é agenda política de tds os governos. O foco não está onde deveria, que é a quantidade de superfície e focos destruídos, que foram intencionais. Deveriam investigar o que está por trás disso, porque o povo está perdendo tudo, e quem ganha são as empresas."

Edição: Vinícius Segalla

Comentários para "Mulheres indígenas trilham 1200 km da Patagônia a Buenos Aires denunciando terricídio":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório