×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

O que se sabe sobre coronavírus e crianças

O que se sabe sobre coronavírus e criançasFoto: Pexels

O que é mito e o que é verdade sobre o coronavírus e as crianças

Estadão Conteúdo - 04/01/2021 - 22:56:21

Em um primeiro momento, a gente ouviu que as crianças estavam a salvo do Sars-Cov 2, esse vírus que nos trancafiou em casa, tirou nossos filhos das escolas e deixou o mundo em uma crise sanitária que não se via há quase um século. Logo depois, recebemos a notícia de algumas ficaram gravemente doentes semanas depois de terem sido contaminadas pelo coronavírus. Lemos que elas tinham que usar máscara, depois ouvimos que era perigoso. Esse ‘bate cabeça’ é comum quando nos damos conta de que essa doença é nova e que a Ciência começou a estudá-la há poucos meses apenas. Francisco Ivanildo de Oliveira Junior, infectologista e coordenador de controle de infecção hospitalar do Sabará Hospital Infantil, conversou com o blog e nos contou o que é mito e o que é verdade quando o assunto é o coronavírus e as crianças.

Blog: Os bebês podem ser contaminados pelo coronavírus?

Dr. Francisco: Podem sim, não existe proteção em nenhuma faixa etária em relação à infecção pelo coronavírus. O que a gente sabe que acontece é uma menor pré-disposição para crianças de menor idade, principalmente crianças menores de dez anos, de terem infecção e principalmente formas sintomáticas da doença – nelas é muito mais frequente a forma assintomática. Mas em qualquer faixa etária pode haver a infecção, acontecer formas graves da doença, e infelizmente pode haver, sim, óbitos.

Blog: E as crianças também transmitem o Sars-Cov2?

Dr. Francisco: Sim, as crianças podem transmitir, inclusive as assintomáticas. O que a gente sabe é que pessoas assintomáticas de uma forma geral transmitem menos do que pessoas sintomáticas – não tanto pela quantidade de vírus que albergam nas vias aéreas, na garganta e no nariz, mas porque, como elas não têm sintomas, elas não tossem, não espirram. Então a possibilidade dessas pessoas transmitirem o vírus através da eliminação de gotículas quando a gente fala, tosse ou espirra é menor por conta disso.

Blog: As crianças podem ter os mesmos sintomas do que os adultos infectados pelo coronavírus?

Dr. Francisco: Isso é uma verdade. Não existe diferença entre o tipo de sintoma que um adulto tem e a criança. Os sintomas mais comuns da Covid são os mesmos tanto nos adultos quanto nas crianças – febre, tosse, dor de garganta, dor no corpo. O que pode variar é a frequência com que esses sintomas aparecem, já que nas crianças é muito mais frequente não ter sintomas, ou ter sintomas menos intensos. Mas tem alguns que são mais comuns e frequentes nas crianças, como a dor abdominal e a diarreia. Os muito pequenos não sabem se queixar e é importante que a gente fique atento à sonolência, a diminuição da aceitação alimentar, o desconforto respiratório. Quem tem filhos com menos de dois anos precisa se atentar à identificação da doença.

Blog: A partir de que idade se pode colocar máscara nas crianças?

Dr. Francisco: A partir dos dois anos de idade. E é óbvio que a gente tem que levar em consideração aquelas crianças que têm algum problema cognitivo ou que tenham problemas de saúde que a impeçam de utilizar a máscara e que dificultem a própria criança de tirar a máscara caso tenha necessidade. Mas a partir dos dois anos a criança já pode usar a máscara sob supervisão de um adulto e acredita-se que a partir dos seis anos de idade a criança já é capaz, desde que bem treinada e orientada, de utilizar a máscara sozinha – ela observa os pais e as pessoas que são próximas a ela e se torna capaz de usar a máscara com segurança.

Blog: A chamada síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica, que acomete algumas crianças infectadas pelo Sars-Cov 2, pode ser considerada algo grave?

Dr. Francisco: Sim. Essa síndrome é uma doença que pode evoluir com gravidade, inclusive com ‘choque’, que é a diminuição da pressão, com necessidade de internação em UTI e outro tipo de complicações, inclusive cardíacas. Normalmente acontece em crianças um pouquinho mais velhas, a partir dos seis anos de idade, mas pode aparecer em outras faixas etárias e acontece uma semana ou mais tempo depois do quadro agudo da infecção pelo coronavírus. A gente considera a síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica uma complicação pós-infecciosa da covid.

O infectologista do Sabará Hospital Infantil, Dr. Francisco de Oliveira Jr

Blog: E a questão das vacinas – é seguro manter o calendário de vacinação na pandemia?

Dr. Francisco: Esse mito que não é seguro tomar vacinas na pandemia é um mito que a gente tem que combater fortemente. As crianças não devem parar seus esquemas vacinais durante a pandemia, assim como não devem parar seus tratamentos de condições crônicas, ou se aparecer algum quadro agudo que necessite de assistência ou de conduta médica. O medo pela contaminação da Covid não deve fazer com que os pais deixem de levar essa criança ao pronto-socorro, ou a uma consulta ou ao posto de saúde para tomar a vacina. E em relação à vacina, já foi observado aqui no Brasil, assim como em outros países, uma redução muito significativa da cobertura vacinal, o que é muito preocupante, por causa do risco de algumas doenças que a gente já tem sob controle, como o sarampo ou a paralisia infantil. Por isso a importância que recomendemos aos pais que cumpram o calendário vacinal das crianças mesmo durante a pandemia.

Comentários para "O que se sabe sobre coronavírus e crianças":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Distrito Federal tem a menor mortalidade infantil no Brasil

Distrito Federal tem a menor mortalidade infantil no Brasil

No DF, teste do pezinho permitirá a detecção de até 53 doenças do bebê – antes, eram 40

Fatos e fakes sobre o câncer de mama, o mais comum entre as mulheres

Fatos e fakes sobre o câncer de mama, o mais comum entre as mulheres

Estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) aponta 66 mil novos casos da doença no Brasil até o final de 2021

Saúde celebra Dia Mundial de Combate à Poliomielite

Saúde celebra Dia Mundial de Combate à Poliomielite

A prevenção à pólio, doença viral infecto contagiosa, começa ainda na infância. Último caso da doença no DF foi notificado em 1987. No Brasil, em 1988.

Aumenta circulação de subvariante Delta em Belém do Pará

Aumenta circulação de subvariante Delta em Belém do Pará

“Nessas análises a Sesma detectou uma uma subvariante Delta, a AY.33, circulando em Belém e que pode não ser detectada por testes rápidos e pelos protocolos padrões de RT-qPCR”, informou, em nota, a secretaria.

Laboratório do DF é referência nacional e auxilia no controle da raiva

Laboratório do DF é referência nacional e auxilia no controle da raiva

Laboratório foi criado em 1978, quando ocorreu o único caso de raiva humana no Distrito Federal

Passaporte da vacina vai estimular mais gente a se imunizar, defende infectologista

Passaporte da vacina vai estimular mais gente a se imunizar, defende infectologista

Projeto de Lei pretende exigir comprovante de vacinação em locais de uso coletivo do DF

DF antecipa aplicação de vacinas da Pfizer e da AstraZeneca

DF antecipa aplicação de vacinas da Pfizer e da AstraZeneca

A segunda dose das vacinas AstraZeneca e Pfizer-BioNTech já pode ser administrada, a partir desta sexta-feira, em quem já tomou a primeira dose há oito semanas

Pacientes que não tomaram a vacina são maioria nos hospitais de campanha do DF

Pacientes que não tomaram a vacina são maioria nos hospitais de campanha do DF

Imunizante está disponível para toda a população a partir de 12 anos de idade, em diversos pontos da capital

Queda de cabelo afeta a autoestima: Tratamentos clínicos na tricologia são opção

Queda de cabelo afeta a autoestima: Tratamentos clínicos na tricologia são opção

“O cabelo deve receber atenção especial o tempo todo. Cuidados preventivos constantes são importantes no enfrentamento de eventuais problemas, independente da origem”

Aparelho revolucionário de monitoramento de anestesia chega ao Brasil

Aparelho revolucionário de monitoramento de anestesia chega ao Brasil

Conox®, da farmacêutica alemã Fresenius Kabi, é o primeiro monitor que supervisiona, com precisão absoluta, nível de consciência e dor de pacientes, evitando trauma anestésico

Conheça as causas do excesso de oleosidade da pele facial e os cuidados que se deve ter com a pele oleosa

Conheça as causas do excesso de oleosidade da pele facial e os cuidados que se deve ter com a pele oleosa

Especialista explica quais fatores podem desencadear a oleosidade no rosto e indica alguns cuidados para manter o equilíbrio da pele