×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de janeiro de 2022

'O vírus da Covid-19 não é bobo', diz Ana Maria Malik, médica e gestora de saúde

'O vírus da Covid-19 não é bobo', diz Ana Maria Malik, médica e gestora de saúdeFoto: FGV

Alerta ainda que a chance de surgirem novas variantes seguirá alta enquanto a vacinação não ocorrer em todos os países.

Estadão Conteúdo - 15/01/2022 - 10:21:04

Médica e especialista em gestão de saúde, Ana Maria Malik, coordenadora do FGV-Saúde, está otimista. Ela reconhece a gravidade da onda de Ômicron e o impacto que ela provoca no sistema de saúde, mas acredita que, além de vacinados, estamos mais bem preparados para enfrentar a nova variante.


Alerta ainda que a chance de surgirem novas variantes seguirá alta enquanto a vacinação não ocorrer em todos os países. "O vírus não é bobo."

Quais são as principais diferenças entre as ondas de variantes anteriores e a atual, de Ômicron?

São duas grandes diferenças. Agora, a população está vacinada. Não toda, mas muita gente. E agora os médicos já sabem o que fazer com os pacientes.



Em 2021, vimos o colapso do sistema de saúde em vários lugares. Acha que isso pode se repetir?

O colapso foi decorrente do fato de que houve muita necessidade de terapia intensiva. Dessa vez, embora haja mais casos, e a convivência com a influenza, a necessidade de terapia intensiva é menor para tratar os pacientes. Estamos vivendo essa onda da Ômicron com pelo menos algum know-how prévio sobre como enfrentar uma crise sanitária dessas proporções.





Há menos internações, mas as emergências estão lotadas. Qual o impacto disso? Essas pessoas todas precisavam ir ao hospital?

As pessoas se sentem seguras indo para os serviços de emergência porque estão no hospital, acham que ali há toda a infraestrutura necessária para atendê-las. Quando discutimos planejamento de unidades de emergência, nós levamos sempre em conta que existe a urgência do ponto de vista da saúde e a urgência do ponto de vista do cidadão.






Alguns especialistas acham que a Ômicron pode ser a derradeira variante, apontando para o fim da pandemia, por conta de sua alta transmissibilidade. A senhora concorda?

Acho que é uma análise otimista, apropriada para o momento. Mas só queria lembrar que influenza tem todo ano. Então, provavelmente, teremos algum corona todos os anos também, mas com consequências menos graves do que em 2020 e 2021. Mas enquanto não houver disponibilidade real de vacina para o mundo todo, o risco do surgimento de novas variantes não é pequeno. O vírus não é bobo.






As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.






fonte: Estadão Conteudo



Comentários para "'O vírus da Covid-19 não é bobo', diz Ana Maria Malik, médica e gestora de saúde":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Brasil atinge recorde ao superar 200 mil casos diários de Covid-19 em 24h

Brasil atinge recorde ao superar 200 mil casos diários de Covid-19 em 24h

O total de casos de covid-19 chega a 23.416.748 desde o início da pandemia, de acordo com o Conass.

Pressão da Ômicron em seguradoras dependerá de gravidade da cepa diz Fitch

Pressão da Ômicron em seguradoras dependerá de gravidade da cepa diz Fitch

Um cenário adverso, segundo a Fitch, teria um aumento do número de internações por covid no País ao mesmo tempo em que procedimentos eletivos continuariam. Essa combinação elevaria a sinistralidade do setor.

França aprova passaporte vacinal e Djokovic poderá ser barrado em Roland Garros

França aprova passaporte vacinal e Djokovic poderá ser barrado em Roland Garros

A lei foi aprovada no domingo pela Assembleia Nacional da França

Covid abalou democracia em mais da metade dos países da América Latina

Covid abalou democracia em mais da metade dos países da América Latina

A América Latina concentra um terço das mortes por covid no mundo

Estudos científicos podem mostrar real impacto da flurona

Estudos científicos podem mostrar real impacto da flurona

'O cenário mais comum em que coinfecções trazem problemas é a infecção secundária: o paciente está se recuperando de um quadro infeccioso e tem um novo quadro causado por outro germe. Mais frequentemente acontece com vírus e em seguida quadros bacterianos ou quadros bacterianos seguidos de fungos. Não costuma haver maior gravidade por conta da segunda infecção”, diz o especialista.

Brasil recebe primeiro lote de vacinas contra Covid-19 para crianças

Brasil recebe primeiro lote de vacinas contra Covid-19 para crianças

Remessa chegou de madrugada ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas

Com predomínio da ômicron, Brasil tem maior taxa de transmissão desde março de 2021

Com predomínio da ômicron, Brasil tem maior taxa de transmissão desde março de 2021

Em Campo Grande, capital sul-mato-grossense, 93% dos leitos de UTIs da rede pública voltados para pacientes com covid-19 estão ocupados

Mais de 50% da população na Europa poderá ser infectada pela Ômicron nas próximas semanas

Mais de 50% da população na Europa poderá ser infectada pela Ômicron nas próximas semanas

A variante Ômicron está presente em quase todos os 53 países do bloco

Sistemas de saúde na Europa sofrem com propagação rápida da Ômicron

Sistemas de saúde na Europa sofrem com propagação rápida da Ômicron

Reino Unido põe companhias privadas em alerta máximo

Gripe e ômicron: Menos letais mas muito transmissíveis, surtos aumentam a ocupação hospitalar

Gripe e ômicron: Menos letais mas muito transmissíveis, surtos aumentam a ocupação hospitalar

Novos leitos estão sendo abertos em diversos estados para atender demanda por aumento de doenças respiratórias

Evolução da Ômicron provoca mudanças na programação de grandes eventos

Evolução da Ômicron provoca mudanças na programação de grandes eventos

Pandemia não acabou, e momento é de restrição, alertam especialistas