×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidade

Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidadeFoto: Cavan Images/Getty Images

O ensaísta Davi Lago afirma que, sem simplismos infantis, o Brasil pode avançar no combate à peste

Por Davi Lago - Veja.com - 10/01/2021 - 15:26:17

A historiadora da ciência Anne-Marie Moulin afirma no estudo A hipótese vacinal (2003) que é um erro tratar de um tema complexo como a vacinação com dois simplismos: o negacionismo e o triunfalismo. Ambas as atitudes remontam à gênese da história da vacinação no contexto dos surtos de varíola, com o desenvolvimento da primeira vacina pelo inglês Edward Jenner em 1798. Os experimentos de Jenner foram considerados repulsivos por parte dos médicos da época, mas como as vantagens da vacinação se tornaram óbvias, os negacionistas foram derrotados: a vacinação se tornou compulsória na Inglaterra por força de sucessivas leis conhecidas como vaccination acts.

A posterior declaração de erradicação da varíola pela Organização Mundial da Saúde no século 20 estabeleceu um padrão pelo qual se avalia o efeito de todos os programas vacinais. De fato, a vacinação passou a ser apresentada como a solução global para o problema das epidemias e das doenças infecciosas. Contudo, a professora Moulin adverte que a história vacinal não é unívoca, pois carrega a marca da contingência histórica. Não se deve aderir a uma postura triunfalista ingênua: a ciência evoluiu com erros e acertos; as políticas públicas diversificaram-se; vacinas apareceram e desapareceram; e o princípio da obrigatoriedade tem sido repetidamente proclamado, atacado ou revisto.

Qual seria, então, a postura mais coerente diante destes dois simplismos? Para responder a questão Moulin examina as revoltas populares históricas contra a vacinação em regiões como Argélia, Egito, Iêmen, Camarões e Brasil, percebendo pontos em comum: disputa da credibilidade das informações, falta de clareza das diretrizes e motivações governamentais e, sobretudo, falta de confiança da população em seus representantes políticos. As revoltas contra vacinas proliferam em ambientes políticos instáveis. Assim, Moulin afirma que os modernos programas de vacinação devem ser pautados pela aceitabilidade: “demonstrando uma certa mudança de mentalidades e de métodos na medicina, o termo aceitabilidade difundiu-se rapidamente, rimando com governança e compliance”. A professora Moulin afirma ainda que “uma medida obrigatória e preventiva deve dispor de argumentos fortes se quiser evitar a impressão de arbitrariedade […] os biólogos, cientes das dificuldades encontradas no percurso da longa história das vacinas, anseiam pelo advento do rigor e da transparência no campo das vacinas”. A urgência de demandas ocasionada pela pandemia da COVID-19 comprova que os postulados da professora Moulin estão corretos. Sem simplismos infantis o Brasil pode avançar no combate à peste. A aceitabilidade emerge de consensos básicos firmados por uma comunidade com laços mínimos de solidariedade.

Comentários para "Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidade":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Em 24 horas, o Brasil registrou mais 135.080 casos de Covid-19

Em 24 horas, o Brasil registrou mais 135.080 casos de Covid-19

Total de óbitos chegou a 296 no mesmo período

Nova Zelândia impõe novas restrições em meio a avanço da variante Ômicron

Nova Zelândia impõe novas restrições em meio a avanço da variante Ômicron

A chamada fase vermelha da resposta do país à pandemia inclui medidas como exigência do uso de máscaras e limites de pessoas em encontros. As restrições entram em vigor nesta segunda-feira.

Brasil tem mais de 200 mil novos casos de covid e 332 mortes nas últimas 24 horas

Brasil tem mais de 200 mil novos casos de covid e 332 mortes nas últimas 24 horas

O Ministério da Saúde informou que no total, segundo a pasta, são 21.848.302 pessoas recuperadas.

Brasil registra mais de 168 mil novos casos de covid e 392 mortes nas últimas 24h

Brasil registra mais de 168 mil novos casos de covid e 392 mortes nas últimas 24h

Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h

Infecções pela covid disparam no Brasil; mortes também registram alta

Infecções pela covid disparam no Brasil; mortes também registram alta

Em várias partes do Brasil, gestores públicos e laboratórios privados têm dificuldades para conseguir mais exames.

Brasil registra 350 óbitos por Covid-19 em 24h ante 174 há uma semana, diz Conass

Brasil registra 350 óbitos por Covid-19 em 24h ante 174 há uma semana, diz Conass

A média móvel de novos registros nos últimos sete dias chegou a 110.047 casos.

Nicolelis: “Com a taxa de transmissão que ela tem, a ômicron vai sufocar os sistemas de saúde

Nicolelis: “Com a taxa de transmissão que ela tem, a ômicron vai sufocar os sistemas de saúde

Médico e cientista, Nicolelis coordenou o Comitê Científico do Consórcio Nordeste

Brasil atinge recorde ao superar 200 mil casos diários de Covid-19 em 24h

Brasil atinge recorde ao superar 200 mil casos diários de Covid-19 em 24h

O total de casos de covid-19 chega a 23.416.748 desde o início da pandemia, de acordo com o Conass.

Pressão da Ômicron em seguradoras dependerá de gravidade da cepa diz Fitch

Pressão da Ômicron em seguradoras dependerá de gravidade da cepa diz Fitch

Um cenário adverso, segundo a Fitch, teria um aumento do número de internações por covid no País ao mesmo tempo em que procedimentos eletivos continuariam. Essa combinação elevaria a sinistralidade do setor.

França aprova passaporte vacinal e Djokovic poderá ser barrado em Roland Garros

França aprova passaporte vacinal e Djokovic poderá ser barrado em Roland Garros

A lei foi aprovada no domingo pela Assembleia Nacional da França

Covid abalou democracia em mais da metade dos países da América Latina

Covid abalou democracia em mais da metade dos países da América Latina

A América Latina concentra um terço das mortes por covid no mundo