×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de junho de 2022

Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidade

Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidadeFoto: Cavan Images/Getty Images

O ensaísta Davi Lago afirma que, sem simplismos infantis, o Brasil pode avançar no combate à peste

Por Davi Lago - Veja.com - 10/01/2021 - 15:26:17

A historiadora da ciência Anne-Marie Moulin afirma no estudo A hipótese vacinal (2003) que é um erro tratar de um tema complexo como a vacinação com dois simplismos: o negacionismo e o triunfalismo. Ambas as atitudes remontam à gênese da história da vacinação no contexto dos surtos de varíola, com o desenvolvimento da primeira vacina pelo inglês Edward Jenner em 1798. Os experimentos de Jenner foram considerados repulsivos por parte dos médicos da época, mas como as vantagens da vacinação se tornaram óbvias, os negacionistas foram derrotados: a vacinação se tornou compulsória na Inglaterra por força de sucessivas leis conhecidas como vaccination acts.

A posterior declaração de erradicação da varíola pela Organização Mundial da Saúde no século 20 estabeleceu um padrão pelo qual se avalia o efeito de todos os programas vacinais. De fato, a vacinação passou a ser apresentada como a solução global para o problema das epidemias e das doenças infecciosas. Contudo, a professora Moulin adverte que a história vacinal não é unívoca, pois carrega a marca da contingência histórica. Não se deve aderir a uma postura triunfalista ingênua: a ciência evoluiu com erros e acertos; as políticas públicas diversificaram-se; vacinas apareceram e desapareceram; e o princípio da obrigatoriedade tem sido repetidamente proclamado, atacado ou revisto.

Qual seria, então, a postura mais coerente diante destes dois simplismos? Para responder a questão Moulin examina as revoltas populares históricas contra a vacinação em regiões como Argélia, Egito, Iêmen, Camarões e Brasil, percebendo pontos em comum: disputa da credibilidade das informações, falta de clareza das diretrizes e motivações governamentais e, sobretudo, falta de confiança da população em seus representantes políticos. As revoltas contra vacinas proliferam em ambientes políticos instáveis. Assim, Moulin afirma que os modernos programas de vacinação devem ser pautados pela aceitabilidade: “demonstrando uma certa mudança de mentalidades e de métodos na medicina, o termo aceitabilidade difundiu-se rapidamente, rimando com governança e compliance”. A professora Moulin afirma ainda que “uma medida obrigatória e preventiva deve dispor de argumentos fortes se quiser evitar a impressão de arbitrariedade […] os biólogos, cientes das dificuldades encontradas no percurso da longa história das vacinas, anseiam pelo advento do rigor e da transparência no campo das vacinas”. A urgência de demandas ocasionada pela pandemia da COVID-19 comprova que os postulados da professora Moulin estão corretos. Sem simplismos infantis o Brasil pode avançar no combate à peste. A aceitabilidade emerge de consensos básicos firmados por uma comunidade com laços mínimos de solidariedade.

Comentários para "Posturas diante da vacinação: Negacionismo, triunfalismo e aceitabilidade":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

O diabetes é uma das principais causas da amputação de membro inferior

Cuidado: A automedicação pode levar à morte

Cuidado: A automedicação pode levar à morte

Dr. Gustavo Eder Sales explica os riscos de se automedicar por meio de pesquisas na internet

14 dúvidas comuns sobre maconha medicinal

14 dúvidas comuns sobre maconha medicinal

A médica Jessica Durand esclarece as dúvidas mais frequentes dos pacientes sobre maconha medicinal

Alerta: Os riscos psicológicos da adultização da infância

Alerta: Os riscos psicológicos da adultização da infância

Psicanalista alerta que esse comportamento pode ocasionar encurtamento da infância e sexualização precoce

Lapsos de memória podem não significar doença mental, diz a psiquiatra Danielle H. Admoni

Lapsos de memória podem não significar doença mental, diz a psiquiatra Danielle H. Admoni

Situações de estresse aumentam chances de "efeito porta"

Brasil Trading Fitness Fair se transforma e vira plataforma de oportunidades

Brasil Trading Fitness Fair se transforma e vira plataforma de oportunidades

Em 2019, a BTFF reuniu mais de 70 mil visitantes, gerando R$ 80 milhões em negócios

Projeto leva saúde oftalmológica e atendimento psicossocial a jovens da rede pública

Projeto leva saúde oftalmológica e atendimento psicossocial a jovens da rede pública

A previsão é de que, pelo menos, 20 escolas, e 15 mil alunos serão beneficiadas pelo Ver Melhor Educa + até o final do projeto.

Tabus da saúde masculina são desafio contra a automedicação

Tabus da saúde masculina são desafio contra a automedicação

No combate à automedicação, o diagnóstico e acompanhamento médico por meio de plataforma digital é uma opção para garantir o acesso a tratamentos cientificamente comprovados para doenças masculinas

Se já testei positivo para Covid-19 posso doar sangue?

Se já testei positivo para Covid-19 posso doar sangue?

Quem adquiriu covid-19 sintomática, mesmo que leve, deve esperar 10 dias após a plena recuperação de todos os sintomas para poder realizar a doação de sangue

Amamentação: Tão particular e tão universal

Amamentação: Tão particular e tão universal

Ah, e claro: ajude a defender o direito de amamentar em qualquer lugar, numa boa, porque já tem confusão demais nisso

Empresas que investem em saúde mental tem índice de bem-estar melhor que média nacional

Empresas que investem em saúde mental tem índice de bem-estar melhor que média nacional

Criado pelo Zenklub, o Índice de Bem-Estar Corporativo (IBC) permite que as empresas tenham um panorama do bem-estar de seus colaboradores