×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

Proteção de dados pessoais e anticorrupção: o papel do denunciante

Proteção de dados pessoais e anticorrupção: o papel do denuncianteFoto: DIVULGAÇÃO

Decreto é, portanto, a primeira norma brasileira que estabelece as regras e procedimentos a serem adotados pela administração pública para garantir, com efetividade, a proteção de denunciantes, também conhecidos como whistleblowers.

Thiago Luís Sombra E Gabrielle Graziano. - Estadão Conteúdo - 23/12/2019 - 06:24:56

Em linha com compromissos contra a corrupção assumidos nacional e internacionalmente, o Brasil passará a contar, em 2020, com um importante instrumento de proteção a denunciantes de ilícitos e irregularidades contra a administração pública federal: o Decreto nº 10.153/2019, que tem como objetivo assegurar o sigilo das informações. O texto foi publicado neste mês de dezembro e entra em vigor em março do ano que vem.

O assunto foi tema do recente Fórum “O Controle no Combate à Corrupção”, promovido pela Controladoria-Geral da União (CGU), onde foram discutidas ainda a relevância do controle na melhoria da gestão pública e as ferramentas a serem adotadas pela administração pública no combate à corrupção, como a nova configuração da Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação (Fala.BR) para receber denúncias sobre atos ilícitos praticados por agentes públicos.


Thiago Luís Sombra e Gabrielle Graziano. FOTOS: DIVULGAÇÃO

Vale notar que, antes do Decreto, o Brasil não tinha, como bem apontado no relatório econômico de fevereiro de 2018 produzido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), leis específicas dedicadas à proteção de denunciantes, tema que deveria ter sido objeto da Lei Anticorrupção. Embora a legislação existente (como a Lei n.º 13.608/2018, que dispõe sobre o serviço telefônico de recebimento de denúncias e recompensa por informações que auxiliem em investigações policiais, e a Lei n.º 13.460/2017, que dispõe sobre o sistema de ouvidoria do poder executivo federal) mencionasse a possibilidade de realização de denúncias anônimas, não existia, até a edição do Decreto, norma que dispusesse acerca da proteção dos denunciantes, ou mesmo que mencionasse as formas em que tal proteção seria conferida àqueles que, de boa-fé, realizam denúncias.

O Decreto é, portanto, a primeira norma brasileira que estabelece as regras e procedimentos a serem adotados pela administração pública para garantir, com efetividade, a proteção de denunciantes, também conhecidos como whistleblowers.

Para garantir o anonimato dos denunciantes, o decreto recorre a um mecanismo abrangido pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), a pseudonimização, processo pelo qual os dados dos denunciantes são submetidos a uma camada adicional de proteção, que impossibilita a identificação ou associação a um indivíduo, direta ou indiretamente, mediante o uso de técnicas como a criptografia, mascaramento e a hasherização. Assim, mediante a utilização de tal processo, o Decreto assegura que o denunciante terá resguardado o sigilo do seu nomeendereço e quaisquer outros dados pessoais que possibilitem identificação.

Dentre as regras estabelecidas para viabilização do sigilo dos denunciantes, o Decreto determina que as denúncias serão recebidas exclusivamente pelas unidades de ouvidoria dos órgãos ou entidades sujeitas ao Decreto, assim compreendidos os órgãos da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, as empresas estatais. As unidades, por sua vez, implantarão medidas necessárias para o recebimento, triagem e encaminhamento das denúncias para a proteção das informações recebidas.

Como uma medida de dupla segurança, além do tratamento aos dados que torne impossível a identificação dos denunciantes, as unidades de ouvidoria também terão controle de acesso com os registros dos nomes dos agentes públicos que acessem as denúncias e as respectivas datas de acesso à denúncia.

A partir da edição do Decreto, a identificação dos denunciantes será uma exceção à regra e só será possível quando for indispensável à análise dos fatos relatados na denúncia. Dessa forma, quando a identificação do denunciante for necessária, a unidade de ouvidoria entrará em contato com o denunciante, que terá até 20 dias para aceitar ou não que sua identificação seja concedida. Caso o denunciante não autorize ou tenha decorrido os 20 dias, a unidade de ouvidoria que tenha recebido originalmente a denúncia somente poderá encaminhá-la ou compartilhá-la após a sua pseudonimização.

Na hipótese de descumprimento do disposto no Decreto, o denunciante poderá comunicar ao órgão central do Sistema de Ouvidoria do Poder Executivo federal, neste caso a CGU, que dará o devido tratamento por meio da Ouvidoria Geral da União (OGU).

O Decreto n.º 10.153/2019 é mais uma medida de combate à corrupção na medida em que busca, de todas as formas, garantir a proteção à identidade de denunciantes que, de boa-fé, tenham informações sobre ilícitos ou potenciais ilícitos cometidos por agentes públicos. Deste modo, a tendência é que após a sua entrada em vigor, em março de 2020, se intensifiquem as denúncias de atos de corrupção, o que deve ser um fator de atenção tanto para as empresas privadas quanto para os agentes públicos.

*Thiago Luís Sombra, sócio das áreas de Compliance e Tecnologia do escritório Mattos Filho e ex-procurador do Estado de São Paulo

*Gabrielle Graziano, advogada da área de Compliance do escritório Mattos Filho

Comentários para "Proteção de dados pessoais e anticorrupção: o papel do denunciante":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’

Livro de Pochmann aborda abandono de projetos de país e ‘cancelamento do futuro’

Professor e economista reflete sobre transformações truncada do país e sua reprodução de um “passado trágico”

Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Livro do escritor e ativista Gareth Higgins chega ao Brasil pela Latitude, selo da VR Editora

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

Ter uma carreira estável na música é bastante difícil, e esses artistas, infelizmente, não conseguiram manter o sucesso com novos trabalhos

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Há notas melancólicas também nos 36 poemas que Joyce publicou em seu primeiro livro

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela