×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

Psiquiatra orienta sobre cuidados com a saúde mental em tempos de pandemia

Psiquiatra orienta sobre cuidados com a saúde mental em tempos de pandemiaFoto: Geovana Albuquerque / Secretaria de Saúde

Meditação, leitura e ajuda ao próximo são algumas das medidas recomendadas para atravessar este período de distanciamento social

Agência Brasília * - 22/04/2020 - 16:13:45

Há pouco mais de um mês, o mundo mudou. Lojas fechadas, aulas suspensas e a recomendação de que as pessoas deveriam ficar em casa, como forma de evitar a contaminação por coronavírus , mudaram a rotina de muita gente. O isolamento social, porém, pode trazer outro problema: os impactos na saúde mental.

“Todos reagem de maneira diferente a situações estressantes. Como você responde à pandemia pode depender de sua formação, da sua história de vida, das suas características particulares e da comunidade em que você vive”, destaca a referência técnica distrital em Psiquiatria da Secretaria de Saúde, Fernanda Benquerer.

Segundo a profissional, os grupos que podem responder mais intensamente ao estresse desta crise incluem os idosos e as pessoas com doenças crônicas, por terem mais riscos em caso de contraírem a Covid-19, além dos profissionais de saúde e as pessoas que já tenham algum transtorno mental.

Ela destaca que os medos que podem influenciar no estado mental das pessoas incluem preocupação com a questão financeira, medo de adoecer, sentimentos de desesperança e tédio, ansiedade. Isso pode ocasionar alterações de sono, concentração nas tarefas diárias e reações de estresse.

“Os estressores à população durante a epidemia podem ter consequências de longo prazo nas comunidades e nas famílias, também. Porém, para além dos desafios, emergem, em meio às turbulências, consequências positivas. Em momento críticos, as pessoas se orgulham por terem encontrado alternativas para lidar com a situação e terem desenvolvido resiliência”, comenta Fernanda Benquerer.

A psiquiatra destaca que, em desastres, os membros da comunidade frequentemente mostram altruísmo e cooperação. Além disso, as pessoas experimentam um sentimento de satisfação em poder ajudar os outros.

“A construção de um sentido para o que é vivenciado também traz certo alívio. É inevitável pensar sobre quais são as nossas prioridades na vida”, ressalta.

Saiba mais:

O que fazer

Fernanda Benquerer dá algumas dicas de como aumentar o bem-estar neste período de isolamento social. “Planeje uma rotina mesmo que fique dentro de casa. Se estiver em trabalho remoto, faça pausas e se movimente durante o período de trabalho. Sugerimos pausas de cinco minutos a cada 1 hora de trabalho, e preferencialmente que as pausas sejam ativas”, orienta.

A psiquiatra também aconselha que as pessoas evitem ficar muito focadas em notícias sobre a pandemia. “Busque informações sobre outros assuntos. Mas, caso venha a procurar notícias sobre o coronavírus, vá a fontes oficiais e seguras e evite as notícias sensacionalistas”, detalha.

Fernanda também pede que as pessoas tenham cuidado ao passar informações para crianças e idosos. “Proteja suas crianças, sem fomentar nelas o medo ou o pânico. Ofereça espaços para que elas expressem seus medos e fantasias em relação ao tema. Ensine de forma lúdica e simples como ela pode se proteger”, orienta.

Sem estresse

Para relaxar, ela sugere que as pessoas busquem atividades como meditação, ouvir música, assistir a filmes e até mesmo aproveitar o momento para fazer cursos online. Organizar a casa, como aqueles armários em que há muito tempo não se mexe, também é uma boa saída para ocupar a cabeça.

“Não cobre de si mesmo tanta produtividade e desempenho nas atividades, não crie expectativas sobre quando a quarentena terminará, mas se lembre de que este momento vai passar”, frisa.

Ela também orienta a buscar formas de ajudar a sua comunidade – familiares, vizinhos, trabalhadores. “A solidariedade e a cooperação auxiliam os dois lados e aumentam a satisfação e os vínculos sociais”, complementa a psiquiatra.

Fernanda destaca ainda que vários sentimentos desagradáveis são normais neste período. “Podemos também desenvolver mais tolerância e aceitação conosco e com os outros”

Ajuda

A profissional, porém, sugere que as pessoas procurem ajuda se estiverem em sofrimento importante. “Não me refiro só à ajuda médica. Pode ser atendimento psicológico também. Inclusive os psicólogos já estão autorizados a teleatendimento há alguns anos, a regulamentação médica é que é bem recente. Na Secretaria de Saúde há algumas propostas sendo estruturadas. Os serviços de saúde mental da rede estão funcionando”, destaca.

Entre as ações da Secretaria de Saúde está a produção de vídeos com práticas integrativas e dicas de autocuidados, que estão sendo disponibilizadas nas redes sociais.

* Com informações da Secretaria de Saúde

22/4/20 16:03

Secretaria responde ao vivo dúvidas sobre a plataforma Google Sala de Aula

Ferramenta começa a ser utilizada nesta semana pelos estudantes da rede pública

22/4/20 15:42

Força-tarefa evita desmoronamento de ponte em Planaltina

Após uma vistoria de rotina identificar o problema, equipes entram em ação e seguem em ritmo intenso para recuperar o trecho sobre um córrego na região da Rajadinha

Comentários para "Psiquiatra orienta sobre cuidados com a saúde mental em tempos de pandemia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
MP do DF quer informações sobre leitos de UTI e campanha para incentivar vacinação contra a Covid-19

MP do DF quer informações sobre leitos de UTI e campanha para incentivar vacinação contra a Covid-19

Secretaria de Saúde deverá informar, no prazo de dez dias, sobre o legado dos leitos de UTI pós-pandemia. MPDFT também solicita campanha de conscientização sobre vacinação

Donos de cachorros de grande porte são condenados por ataque

Donos de cachorros de grande porte são condenados por ataque

A decisão foi unânime.

Moradores de rua do DF tem abrigo provisório para noites de frio

Moradores de rua do DF tem abrigo provisório para noites de frio

São 100 vagas para pernoite das 20h às 8h, por ordem de chegada

Distrito Federal recebe projeto pioneiro para reciclagem de bituca de cigarro

Distrito Federal recebe projeto pioneiro para reciclagem de bituca de cigarro

Com apoio da Administração do Plano Piloto e do SLU, empresa paulista instalou 100 coletores; iniciativa foi apresentada no Museu da Limpeza Urbana

Projeto 'Conte lá que eu canto cá' se apresenta para estudantes do DF

Projeto 'Conte lá que eu canto cá' se apresenta para estudantes do DF

O grupo ainda quer mais. Uma das metas para próximas temporadas é inserir no repertório novos autores e compositores e mira o olhar para as culturas do Norte e Sul do país.

Distrito Federal registra um estupro de vulnerável por dia

Distrito Federal registra um estupro de vulnerável por dia

No 1º trimestre, 82,2% dos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes aconteceram no ambiente familiar

Servidores da CGU decidem entrar em greve a partir de 30 de maio

Servidores da CGU decidem entrar em greve a partir de 30 de maio

Com essa decisão, o número de carreiras em greve sobe para quatro

Aumento de casos por covid faz cidades voltarem a recomendar uso de máscara

Aumento de casos por covid faz cidades voltarem a recomendar uso de máscara

O Brasil registrou 115 novas mortes pela covid na quinta-feira, 19. A média móvel de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, está em 113. O índice permanece acima de 100 pelo sexto dia consecutivo.

Temperaturas sobem um pouco, mas frio permanece no fim de semana

Temperaturas sobem um pouco, mas frio permanece no fim de semana

Tempestade Subtropical Yakecan se afastou do continente

Passageiros de ônibus no DF ganham direito de desembarque livre após as 21h

Passageiros de ônibus no DF ganham direito de desembarque livre após as 21h

Autor do projeto que deu origem à nova lei, o deputado Rafael Prudente defende o ganho em segurança resultante da possibilidade de parada livre para os usuários do transporte público

Policiais e bombeiras do DF têm direito a horário para amamentação por dois anos

Policiais e bombeiras do DF têm direito a horário para amamentação por dois anos

Proteger a lactante foi a intenção de Abrantes, que argumentou ainda pela isonomia de direitos com as demais corporações da segurança pública.