×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

Sobe para 32 o total de feminicídios no ano

Sobe para 32 o total de feminicídios no anoFoto: CorreioWeb

Dois casos aumentam as estatísticas de mulheres assassinadas no DF por questão de gênero, reforçando 2019 como o ano com mais mortes desde que a tipificação começou a ser monitorada. Crimes ocorreram em Vicente Pires e no Sol Nascente

Caroline Cintra E Mariana Machado-correioweb - 27/11/2019 - 09:27:47

Segundo a polícia, Danilo Moraes, irmão de Sandra (no detalhe), a matou no Assentamento 26 de Setembro: grilagem como suposta motivação

Os números de feminicídios continuam a subir no Distrito Federal. Em 2019, são 32 casos confirmados, superando, em 10,3%, o ano passado, que terminou com 29 ocorrências. Nas últimas 24 horas, a Polícia Civil confirmou a tipificação em dois casos em apuração: de Sandra Moraes, 39 anos, morta pelo irmão; e Gláucia Sotero, 45, assassinada pelo ex-companheiro. Ambas foram enforcadas.


 (Facebook/Reprodução)

Segundo investigação da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires), a cabeleireira Sandra Moraes foi estrangulada pelo irmão Danilo Moraes com um fio de conexão de internet, na noite do último sábado, e enterrada em um terreno baldio, no Assentamento 26 de Setembro. Até o fechamento desta edição, Danilo seguia foragido. O corpo foi encontrado na tarde de segunda-feira, depois que o filho da vítima, Brendo Sousa Moraes, 21, mostrou o local aos investigadores. Ele ajudou o tio a esconder os restos mortais da mãe e está preso preventivamente por ocultação de cadáver.


A polícia soube do caso quando a filha de Sandra foi até a delegacia na manhã de segunda-feira. Ela contou que o tio mandou uma mensagem, sábado, dizendo que as visitaria. Chegando lá, por volta das 20h30, chamou a irmã para sair. Cerca de 45 minutos depois, eles deixarem a residência, Danilo voltou mais tarde e contou à sobrinha que a mãe dela havia morrido ao cair em um buraco. “Ele disse que buscariam dinheiro em uma mala escondida em um buraco. Ao tentar pegar a bolsa, ela teria caído, batendo a cabeça”, contou o delegado Yuri Fernandes, chefe da 38ª DP.


Para evitar que a jovem dissesse algo, Danilo ameaçou matá-la. Em seguida, ele teria molestado a moça e a mantido em cárcere privado na casa onde o acusado mora com a mulher, grávida de 8 meses, e os filhos, no Assentamento 26 de Setembro. Dois dias após o crime, a filha da vítima conseguiu fugir e fazer a denúncia. Os policiais, então, seguiram para a casa de Danilo, que, ao ver a aproximação dos agentes, correu para uma área de mata. Brendo mostrou o local onde o corpo estava enterrado.


Danilo é procurado pela Justiça do Maranhão. Ele cumpria pena no presídio de Pedrinhas pelo estupro e assassinato de uma mulher, mas escapou da cadeia. A família dele veio ao DF a convite de Sandra. O motivo do crime ainda é investigado. Entre as hipóteses está a venda e compra de lotes no assentamento em um esquema de grilagem feito por Danilo. A polícia apura se Sandra estava envolvida. “Sandra pode ter tentado interferir de alguma forma nessa atividade, mas a motivação pode ter sido outra também”, disse Yuri.


Vingança


O assassinato de Gláucia Sotero também é investigado como feminicídio (Facebook/Reprodução)
O assassinato de Gláucia Sotero também é investigado como feminicídio

O delegado Maurício Iacozzilli, chefe da 23ª Delegacia de Polícia (P Sul), confirmou que o inquérito sobre a morte de Gláucia Sotero da Silva, 45, também será concluído como feminicídio. Bruno Rodrigues Vidal, 30, ex-companheiro da vítima, é acusado de matá-la ao não aceitar o fim do relacionamento. O crime ocorreu na casa dela, no Sol Nascente, em 15 de novembro. “O filho dela, de 9 anos, viu tudo e confirmou o enforcamento. Além disso, havia a suspeita da vingança”, explicou o delegado.


Gláucia e Bruno estavam separados desde 2017, quando ele foi preso por tentativa de homicídio contra outra pessoa. À época do assassinato de Gláucia, a vítima namorava. Para se vingar, o então companheiro dela, até o momento identificado apenas como Edilson Hugo “Pezão”; o filho dela, Marcelo Sotero Rocha Cardoso, 20 anos, e um sobrinho, Lauro Vítor Sotero, 19 anos, executaram Bruno, que estava em liberdade.


No dia seguinte à morte da mãe, Marcelo atirou contra Bruno, segundo a investigação. Desde então, ele e Edilson não foram mais encontrados. A Polícia Militar localizou Lauro com um revólver calibre 38. Ele passou por audiência de custódia e está detido preventivamente.




Depoimentos na CPI do Feminicídio

Após ouvir o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, a Câmara Legislativa segue com a agenda da CPI do Feminicídio. As próximas sessões estão marcadas para 2 e 9 de dezembro. Ainda serão ouvidos a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, e o diretor-geral da Polícia Civil, Robson Cândido da Silva. Após os depoimentos, será feita uma audiência pública com especialistas na temática.



Onde procurar ajuda

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência

Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. Telefone: 180 (Disque-denúncia)


Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)

Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia e Planaltina


Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)

Entrequadra 204/205 Sul Telefone: 3207-6172


Ministério dos Direitos Humanos

Disque 100


Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar

Telefones: 3910-1349 e 3910-1350


Três perguntas para

Rejane Jungbluth Suxberger,

juíza de violência doméstica de São Sebastião


Sobe cada vez mais o número de feminicídios no DF.

O que é possível fazer para mudar essa realidade?

O primeiro ponto que deve ser trabalhado são as políticas públicas. Existe uma dificuldade muito grande de inserir as mulheres no sistema de proteção. A gente não tem uma política pública eficaz de atendimento e, muitas vezes, elas acabam dentro do círculo da violência exatamente porque não têm mecanismos para sair. A outra questão são os atendimentos no sistema de saúde. Hoje, o encaminhamento de uma mulher para psicólogos da rede é difícil. Em São Sebastião, não há um núcleo de atendimento do poder Executivo que possa receber essas mulheres e acompanhá-las.


Ainda há medo da denúncia por parte da vítima?

Sim, porque a violência doméstica, muitas vezes, é um grande segredo. E, quando se revela, ainda existe muito a cultura de não se intrometer, porque todo casal briga. Essa questão estereotipada das relações reforça a violência. Se a gente tivesse uma política pública eficaz, na qual a gente pudesse dar suporte e acolhimento, seria mais fácil a denúncia. A gente não pode só pedir que ela denuncie. O Estado precisa estar aparelhado para receber essa denúncia e encaminhar essa mulher para o atendimento.


Ao identificar os primeiros sinais de violência, como a vítima deve proceder?

A violência doméstica começa sorrateira e, muitas vezes, é confundida com amor. Existe um vínculo muito forte entre o casal e, na maioria das vezes, ela tenta achar uma justificativa para aquilo, porque a gente vive situações estereotipadas do papel do homem e da mulher. O amor acaba sendo usado como desculpa para que a violência aconteça. Aos primeiros sinais, a mulher tem de procurar ajuda para sair desse relacionamento abusivo. Não só do sistema de Justiça, mas da própria rede de proteção, isto é, amigos e família.


Saiba mais...

A importância da mídia contra o ódio

Comentários para "Sobe para 32 o total de feminicídios no ano":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master na prova do revezamento

Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master na prova do revezamento

Time verde e amarelo cravou 8min42s32 no revezamento 4x200 livre

Peng Shuai: China mostra irritação com suspensão de torneios de tênis

Peng Shuai: China mostra irritação com suspensão de torneios de tênis

Relações Exteriores diz ser contra politização do esporte

Justiça do DF condena dono de empresa que cometeu assédio contra funcionária

Justiça do DF condena dono de empresa que cometeu assédio contra funcionária

A defesa do réu argumentou que ele deveria ser absolvido pois não haviam provas para incriminá-lo.

Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Uma em cada três mulheres com 15 anos ou mais, cerca de 736 milhões, é submetida algum tipo de violência durante a vida

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Programa ocorre em Roraima e vai até dezembro de 2023

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Miraildes, jogadora de futebol, mais conhecida como Formiga.

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Brasileira bate francesa campeã europeia júnior e vai ao topo do pódio

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Atleta bateu a tcheca Renat Zachova e foi ao pódio nos Emirados Árabes

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Movimentos que atuam na defesa dos direitos das mulheres realizaram atos de repúdio, cobrando punição do agressor

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia considera que sua vitória é também do gênero.