×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Sucateamento e omissão: Médico aponta causas do agravamento da crise sanitária no Brasil

Sucateamento e omissão: Médico aponta causas do agravamento da crise sanitária no BrasilFoto: Reprodução

Falta de planejamento, problemas de gestão, sucateamento do sistema de saúde. Em entrevista à Sputnik Brasil, o especialista em saúde coletiva Deivisson dos Santos, da UFPR, analisou os motivos por trás da atual crise sanitária no país e na cidade de Manaus

Por Renan Lúcio - Sputnik - 17/01/2021 - 11:26:06

Nesta sexta-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro isentou seu governo de responsabilidade pelo caos no Amazonas, dizendo que o mesmo fez a sua parte no que se refere à crise sanitária que afeta a cidade de Manaus.

​A capital amazonense sofre com o colapso da saúde pública em meio a um expressivo aumento nos casos de COVID-19. Faltam leitos nos hospitais para atender os pacientes e faltam também cilindros de oxigênio para tratar os casos mais graves. Autoridades de diferentes níveis vêm adotando medidas paliativas para lidar com a crise, mas a situação permanece fora de controle.

Pacientes estão sendo transferidos, as Forças Armadas foram acionadas e até um pedido de socorro aos Estados Unidos já foi feito para ajudar na entrega de oxigênio, cuja escassez já provocou a morte de várias pessoas que estavam internadas em hospitais da cidade.

​Para o médico Deivisson Vianna Dantas dos Santos, professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e coordenador do Mestrado Profissional em Saúde da Família da instituição, o que está acontecendo neste momento em Manaus e, em geral, no Brasil, é que a população está colhendo os frutos da falta de planejamento e gestão por parte principalmente do governo federal.

Em entrevista à Sputnik Brasil, o especialista explica que a atual crise observada no país seria "evitável" se as autoridades do setor tivessem realizado algum tipo de preparo para o enfrentamento de algumas das dificuldades impostas pela pandemia. Mas, infelizmente, segundo ele, não foi isso que aconteceu.

Em primeiro lugar, o professor destaca que, muito antes do início dessa fase mais aguda do surto do novo coronavírus no Brasil, profissionais e pesquisadores das ciências médicas já vinham alertando que a situação deveria piorar dentro de alguns meses, com base principalmente no histórico observado em outros países. O governo, no entanto, preferiu ignorar, afirmando, inclusive, que a pandemia já estava perto do fim.

​​De outro lado, ao longo da atual gestão, ocorreu também, ainda de acordo com Santos, um "sucateamento" grande do Sistema Único de Saúde (SUS), apesar da destinação de valores significativos para o combate ao surto da COVID-19.

"No início do ano de 2020, foi aprovado o famoso 'orçamento de guerra'. Foram, e vale a pena lembrar, R$ 500 bilhões para o enfrentamento da pandemia da COVID-19. Desses R$ 500 bilhões, apenas R$ 63 bilhões, mais especificamente, R$ 63,7 bilhões, cerca de 13% desse orçamento, foram destinados ao Ministério da Saúde. Além disso, a gente viu uma grande instabilidade dos ministros e da equipe técnica. Até hoje, a gente tem um ministro general que pouco entende de saúde pública."

​Além de a pasta da Saúde ter recebido uma parcela pequena do montante destinado ao combate ao novo coronavírus, cerca de 37% desses valores nem chegaram a ser executados pelo ministro Eduardo Pazuello, segundo o professor. Prova desse sucateamento mencionado por ele seria o fato de que, para 2021, apesar da crise sanitária, o orçamento da União prevê um valor ainda menor do que o de 2020 para o Sistema Único de Saúde.

"Em 2020, foi dada uma dotação equivalente a R$ 185 bilhões para o SUS. No orçamento de 2021, o SUS passa a ter R$ 123 bilhões apenas. Então, a gente vê que o quadro vai piorar no ano de 2021, porque pouco planejamento está sendo feito para equipar o nosso sistema de saúde para o que está por vir", argumenta o médico.

No que diz respeito à atual crise verificada no Amazonas especificamente, para o especialista, além desse cenário de falta de planejamento e sucateamento, ele considera que houve também uma omissão grave por parte do poder público em Manaus.

"A gente estava vendo, no mês de dezembro, um aumento do número de casos. Nós, especialistas da saúde coletiva, indicamos lockdown para aquele município e isso não foi realizado. E a gente está vendo a explosão de casos aí, hoje. É uma omissão em termos de políticas públicas que pode ser considerada criminosa."

​A pandemia, de acordo com Deivisson Vianna Dantas dos Santos, teve o poder de desestruturar o sistema de saúde brasileiro, afetando também diversos tipos de serviços e cuidados não relacionados à COVID-19. E essa é outra questão também deve ser tratada com preocupação, já que, possivelmente, alguns desses problemas negligenciados ao longo desse período poderão, mais à frente, também provocar um número significativo de mortes e agravamento de quadros de saúde.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação

Comentários para "Sucateamento e omissão: Médico aponta causas do agravamento da crise sanitária no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Empresa desencoraja visitas de interessados por causa da violência

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

As vendas de café solúvel do Brasil no exterior caíram 4,7% no primeiro trimestre de 2022 devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia. A projeção anual de perdas no setor é de cerca de US$ 100 milhões (R$ 505,5 milhões), disse uma associação da indústria na sexta-feira (13).

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Civis de Mariupol deixam região após mais de dois meses sitiados.

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Cairo assumiu o compromisso de dar prioridade às demandas de fertilizantes pedindo em contrapartida que tenha preferência no setor de exportação de frutas brasileiras.

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

A crise dos semicondutores tem gerado diversos problemas à indústria brasileira, principalmente a automotiva. A Sputnik Brasil entrevistou especialistas e representantes do setor de semicondutores para discutir como o Brasil pode se proteger de crises futuras.

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Ativista histórico contra o racismo alerta que a pauta nunca foi tratada de acordo com sua dimensão

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Empresas veem futuro promissor fora do país

"Já temos sinais de uma nova onda de evasão de cérebros", afirma doutor em História da Ciência

Em entrevista, Olival Freire Júnior fala sobre o impacto do não investimento em ciência no Brasil

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Contar com um advogado especializado em compliance é um diferencial

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Dez empresas ou instituições paulistas vão poder participar da Feira do Livro de Frankfurt este ano dentro do projeto Creative SP.

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Preços subiram em quase todos os itens avaliados; destaque para alimentos, gás, remédios e, novamente, combustíveis