×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Tabagismo é doença

Tabagismo é doençaFoto: Pixabay

Os fabricantes reconhecem que seu negócio é nicotina, e o cigarro, seu produto mais eficiente para levar essa droga ao cérebro e causar dependência.

Por Tânia Cavalcante E Ana Cristina Pinho-correio Braziliense - 05/04/2019 - 10:27:12

Cigarros causam câncer e outras doenças graves. Mas lobistas da indústria do tabaco defendem que medidas para reduzir seu consumo representam ativismo contra a produção de tabaco, caracterizando-o como produto do agronegócio similar à soja e ao milho. Tentam assim obstruir a implementação da Convenção Quadro para Controle do Tabaco, tratado internacional de saúde ratificado pelo Congresso Nacional em 2005.


A Convenção não proíbe a produção de tabaco, planta que também pode ser usada na fabricação de medicamentos. Mas sua principal destinação é a fabricação de cigarros, produto que causa 7 milhões de mortes anuais no mundo. O objetivo da Convenção é reduzir o seu consumo.



Os fabricantes reconhecem que seu negócio é nicotina, e o cigarro, seu produto mais eficiente para levar essa droga ao cérebro e causar dependência. A neurociência classifica o tabagismo como uma doença do cérebro, porque afeta neurônios responsáveis pela sensação de recompensa e motivação, resultando na perda do controle sobre o uso da nicotina. Em cada tragada, substâncias tóxicas e cancerígenas do cigarro adentram pulmões e sangue dos fumantes, minando continuamente suas células e órgãos.



Aqueles que os culpam pelas doenças que desenvolvem desconsideram que a iniciação no tabagismo ocorre em massa na adolescência. No Brasil, 80% dos fumantes começaram a fumar até os 18 anos. Verdadeiras arapucas foram construídas para capturá-los: sedutoras propagandas enaltecendo os cigarros; aditivos com sabores adocicados mascarando seu gosto ruim; e as belas embalagens exibidas em prateleiras ao lado de guloseimas.



Paralelamente, aliados políticos dessa indústria procuram emperrar a aprovação de leis para prevenir a iniciação no tabagismo. Quando aprovadas, litígios protelam sua implementação, a exemplo da ação de inconstitucionalidade movida em 2012 por fabricantes contra a medida da Anvisa proibindo sabores em cigarros, que continua suspensa por liminares.



Os argumentos são velhos conhecidos: “aumentarão o contrabando de cigarros” ou “prejudicarão os produtores de tabaco”. As mesmas empresas que repetem esses mantras obstrucionistas são processadas em outros países por fraudes e envolvimento no contrabando de cigarros. Mas pressionam o governo federal e os estaduais a reduzirem os impostos sobre cigarros como panaceia para combater o contrabando.



O aumento de IPI sobre o cigarro respondeu por 50% da redução do tabagismo no Brasil, explicando tamanho antagonismo contra essa medida. Recentemente o Brasil ratificou o Protocolo para Eliminar o Mercado Ilegal de Cigarros, importante instrumento de cooperação internacional para enfrentar o crime organizado, que está na raiz desse problema. Será a resposta mais eficaz contra o contrabando de cigarros.



Essas mesmas empresas multinacionais controlam 150 mil pequenos agricultores familiares que produzem tabaco no Sul do Brasil. Reféns de dívidas que jamais conseguem quitar, esses produtores e suas famílias são também vítimas de doenças ocupacionais como a intoxicação pela nicotina da folha absorvida pela pele na colheita. As regiões fumageiras registram os maiores índices de depressão e suicídio entre agricultores, segundo dados do Ministério da Saúde.



Esse quadro tende a se deteriorar. Ao contrário dos alimentos, que sempre terão mercado, a demanda global e nacional por cigarros está caindo, situação preocupante, pois 90% do tabaco produzido é exportado. Grandes fabricantes de cigarros já diversificaram seus negócios e anunciam que deixarão de produzi-los. Eles serão substituídos por produtos como cigarros eletrônicos, que não usam tabaco em folha ou usam um volume muito pequeno.



O Programa de Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco, em implementação pelo governo federal, demonstrou que outras atividades podem ter rentabilidade igual ou superior ao tabaco. Mas o programa ainda precisa ampliar sua cobertura.



O tabagismo segue matando 157 mil brasileiros por ano. O custo anual chega a R$ 57 bilhões, enquanto a arrecadação de impostos sobre cigarros é inferior a R$ 13 bilhões. Esses números seriam ainda piores, se a proporção de fumantes na população brasileira não tivesse caído de 35% em 1989 para os atuais 10%.



Os que obstruem a Convenção, na verdade, não defendem os meios de vida dos produtores de tabaco nem contribuem para reduzir o contrabando de cigarros. Apenas prestam serviço às empresas multinacionais de cigarros, cujos elevados lucros dependem de sua capacidade de causar tabagismo, uma grave doença pediátrica.



TÂNIA CAVALCANTE
Secretária-executiva da Conicq/Instituto Nacional do Câncer (Inca)
ANA CRISTINA PINHO
Diretora-geral do Inca


Comentários para "Tabagismo é doença":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

De acordo com o IPEA, no início da pandemia já chegava a 222 mil o número de pessoas vivendo em situação de rua no Brasil

Projeto Cultura Doadora realiza Semana da Doação de Órgãos entre os dias 26 e 1º de outubro

Projeto Cultura Doadora realiza Semana da Doação de Órgãos entre os dias 26 e 1º de outubro

O projeto Cultura Doadora preparou uma programação intensa para a Semana da Doação de Órgãos

Quase 9 mil vivem nas ruas de BH:

Quase 9 mil vivem nas ruas de BH: "A única coisa que eu quero é um lar para meus filhos”

Construção civil não para de anunciar novos empreendimentos em BH, mas não há indícios de que imóveis vão resolver problema habitacional