×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de dezembro de 2021

Trabalho escravo e infantil. Trabalho infantil na produção de chocolate

Trabalho escravo e infantil. Trabalho infantil na produção de chocolateFoto: Divulgação MPT

Vamos pelo caminho da barbárie ou vamos em busca da nossa própria humanidade?

Marques Casara-brasil De Fato - 27/11/2019 - 19:17:54

Em um aforismo de menos de duas páginas, intitulado “Mentira de pernas longas”, o filósofo Theodor Adorno explica porque a mentira sempre prevalecerá sobre a verdade. Com a redução do indivíduo à condição de mercadoria, em uma sociedade consumista, a verdade entra em colapso. Falta à verdade mecanismos para suplantar a mentira, anabolizada por intenso aparato ideológico a serviço da administração da vida pelos interesses monopolísticos do capital.

Ao longo de décadas, o pensamento de Adorno foi revisitado e aprimorado, mas sua essência segue atual: entender porque optamos pela barbárie, em detrimento da busca pela nossa própria humanidade. É quando entra a mentira. Se hoje nos debatemos para entender o incrível poder transformador das fake news, Adorno precisou de uma frase para contextualizar o fenômeno: “Só a mentira absoluta ainda tem a liberdade de dizer de algum modo a verdade”.


Quer estudar a verdade, olhe para a mentira. É nesse contexto, de pura barbárie, que devemos olhar para a cadeia produtiva do chocolate, o saboroso alimento que tanto nos dá prazer, mas que é produzido mediante a redução de trabalhadores à condição de escravos e mediante o uso de milhares de crianças e adolescentes como trabalhadores baratos e descartáveis.

Trabalho escravo e infantil

Cinco multinacionais exploram, de forma desavergonhada, o trabalho infantil e o trabalho escravo em lavouras de cacau na Bahia e no Pará: Nestlé, Mondelez, Barry Callebaut, Cargill e Olam Brasil. Nas cadeias produtivas dessas empresas, crianças e adolescentes perdem a vida para gerar lucros bilionários.

O tema é de conhecimento das empresas, já que foram informadas do problema pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Mas elas não se responsabilizaram e mandaram conversar com as entidades de classe que representam o setor.

O único gesto que poderia mudar alguma coisa não deu certo. Em setembro, a Nestlé anunciou que poderia interromper a compra de cacau e de carne oriundas de ações predatórias na Amazônia. No entanto, a empresa desistiu da iniciativa por pressão do governo fascista que administra o Brasil.

:: Leia aqui artigo sobre trabalho infantil na cadeia produtiva da Nestlé ::

Ao invés de enfrentar o trabalho infantil e escravo de forma transparente, o setor de cacau e chocolate optou pelo “greenwashing”, anglicismo que define estratégias de marketing para encobrir crimes ambientais e violações de direitos humanos.

O ruidoso silêncio das ONGs

Seguem em constrangedor silêncio as instituições que deveriam se manifestar contra as violações na cadeia do cacau e do chocolate: o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e o Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO). Essas organizações recebem dinheiro do setor e têm, em suas cartas de princípios, normas bastante rígidas em relação ao comportamento dos seus associados.

Talvez mencioná-las explicitamente as tire do constrangedor papel de protagonistas da famosa brincadeira da vaca amarela, na qual ganha o jogo quem fica em silêncio por mais tempo.

O InPACTO é constituído por importantes organizações, que também precisam se manifestar: OIT, Repórter Brasil, o próprio Instituto Ethos e o Instituto Observatório Social, que representa o movimento sindical, outro que está mudo como um poste.

Será que todos estão a brincar de vaca amarela?

Duas coisas precisam ser feitas: tirar as crianças da situação de violência sistêmica em que se encontram e tirar os trabalhadores escravos da condição em que se encontram.

O caldeirão está cheio dos eflúvios intestinais da vaca amarela. Mas é preciso falar. É preciso iniciativas transparentes e com o acompanhamento público por parte da sociedade e é hora de agir.

:: Leia entrevista com Marques Casara sobre relatório encomendado pela OIT e pelo MPT, que aborda a cadeia produtiva do chocolate ::

Isto é um apelo

O que se faz aqui é um apelo, em nome das crianças. São oito mil crianças e adolescentes sendo exploradas. Isso precisa parar. É preciso parar com o silêncio sobre trabalho infantil e trabalho escravo na produção de chocolate. É um silêncio muito ruidoso.

Estão com a palavra as empresas e as organizações aqui mencionadas. Vamos pelo caminho da barbárie ou vamos em busca da nossa própria humanidade? De que lado você está?

Edição: Julia Chequer

Comentários para "Trabalho escravo e infantil. Trabalho infantil na produção de chocolate":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
UnB aprova título de Doutor Honoris Causa para o líder indígena Aílton Krenak

UnB aprova título de Doutor Honoris Causa para o líder indígena Aílton Krenak

Líder indígena e ambientalista Aílton Krenak receberá o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Brasília (UnB)

MST comercializa cesta de natal com produtos da reforma agrária

MST comercializa cesta de natal com produtos da reforma agrária

O período de entrega ou retirada das cestas será entre os dias 14 e 23 de dezembro.

Começa a 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Começa a 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Festival de Brasília do Cinema Brasileira será totalmente online e vai de 7 a 14 de dezembro; filmes poderão ser vistos de forma gratuita pela internet.

De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

A ação contou com exposição de fotos, plantação de sementes e contação de história

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Sofia de Souza, de 15 anos, pretende cursar alemão no Cemi Gama e conhecer a Alemanha

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Douglas Retok conta que muitas vezes percorreu a W3 Sul em busca de um muro que servisse de suporte para sua arte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

A artesã Tânia Rodrigues com a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

A avenida volta a ter circulação de veículos

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Cecília Lima, Raíssa Studart e Cléber Cardoso Xavier apresentam trabalhos produzidos durante residência artística em Olhos D’Água

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Liz veio da Bahia especialmente para encontrar Ney. Expectativa é que o casal contribua para a preservação da espécie, ameaçada de extinção.

Natal no Cerrado une espírito festivo e meio ambiente

Natal no Cerrado une espírito festivo e meio ambiente

Ação de conscientização ambiental acontece, simultaneamente, nos parques ecológicos Sucupira e Riacho Fundo