×
ContextoExato
Responsive image

Chile, o campeão de vacinação da América do Sul

Chile, o campeão de vacinação da América do SulFoto: Portal DW de Noticias

Idosos chilenos aguardam por sua primeira dose anti-coronavírus

Ines Eisele - Portal Dw De Noticias - 14/02/2021 - 07:25:51

Rapidez e eficiência com que o país imuniza sua população têm merecido elogios. Tal sucesso se deve à experiência chilena com campanhas de imunização em massa e à política de aquisição inteligente.

Enquanto em diversos países da Europa a imunização em massa contra a covid-19 só se iniciou em ritmo hesitante, no Chile ela transcorre a pleno vapor desde a abertura dos centros de vacinação, em 3 de fevereiro. Dentro de um prazo mínimo, o país conseguiu inocular diariamente 150 mil, 180 mil, até 270 mil cidadãos.

O balanço total, desde que, no fim de dezembro, foram ministradas as primeiras doses a seu pessoal de saúde, é que já receberam pelo menos a primeira dose mais de 1,6 milhão de chilenos, ou mais de 8% da relativamente pequena população de 19 milhões.

Só poucas nações apresentam uma quota de vacinação mais alta, segundo site Our World in Data : Israel (70%), Emirados Árabes Unidos (47%), Reino Unido (20%) e Estados Unidos (14%) – e isso já tendo começado com as injeções várias semanas atrás.

O cientista Max Roser, fundador do Our World in Data , classificou no Twitter o desempenho do Chile como "notável". Também o presidente Sebastian Piñera mostrou-se visivelmente positivo ao quebrar a marca do 1 milhão, na última terça-feira: "Agradeço aos mais idosos, às comunidades, aos funcionários da saúde, às Forças Armadas, às de segurança, a todos. Vamos vencer esta pandemia."

Presidente chileno Sebastian Piñera (c.) após receber a vacina da covid-19

Presidente Sebastian Piñera (c.) após receber a vacina da covid-19

Plano nacional de vacinação robusto

O ministro da Saúde, Enrique Paris, declarou ao jornal espanhol El País que o sistema de saúde chileno tem experiência extensa com campanhas de vacinação em grande escala, existindo desde 1978 um plano nacional de imunização "muito robusto".

"No Chile, ninguém é vacinado sem registrar seu nome, seu documento de identidade e a vacina que recebeu. Assim, conseguimos realizar estatísticas precisas." Além disso, o país andino relativamente abastado encomendou as doses bem cedo e em grande quantidade.

Outro fator importante desse sucesso é a vacina da Sinovac. Em conjunto com a Universidade Pontifícia Católica do Chile, a fabricante chinesa realizou no país um estudo sobre o imunizante, e em contrapartida, o Chile obteve acesso preferencial a sua Coronavac. Estão combinados 60 milhões de doses num prazo de três anos.

Dos demais fabricantes, o país sul-americano receberá outros 30 milhões de doses. Até o momento, foram autorizadas e estão em uso o produto da Pfizer-BionNTech e a Coronavac – embora esta apenas para indivíduos entre 18 e 59 anos, pois não há estudos de longo prazo para gerações mais velhas.

A esperança da imunidade de rebanho

Em meio ao elogio generalizado à campanha de vacinação, os residentes da Ilha de Páscoa, território do Chile, manifestaram descontentamento pela má comunicação com o continente. "Eles não falam conosco, não planejam conosco", queixa-se o prefeito Pedro Edmunds Paoa.

Entre outros pontos, ele critica a priorização dos cidadãos entre 85 e 90 anos, que são apenas cinco na comunidade de 5.800 habitantes. Seja como for, a ilha a 3.500 quilômetros de distância da terra firme não acusou um único caso de covid-19 desde a eclosão da pandemia.

A meta declarada de Santiago é vacinar 5 milhões no primeiro trimestre de 2021. Até o fim de junho, deverão ser 15 milhões, ou 80% da população. Caso o Chile consiga manter o ritmo atual, trata-se de uma meta francamente realista, e o país poderá se tornar um dos primeiros a alcançar a imunidade de rebanho contra o vírus Sars-Cov-2.

Uma perspectiva aguardada com ansiedade, pois, com quase 770 mil contagiados e mais de 19 mil mortos, a república andina tem sido duramente atingida pela pandemia.

  • Uma pessoa passa de scooter diante de um centro de saúde e prevenção em Pequim

    A EVOLUÇÃO DA PANDEMIA DE COVID-19

    O começo de tudo em Wuhan

    A China notifica a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre uma misteriosa pneumonia em Wuhan, de cerca de 11 milhões de habitantes. Especialistas de todo o mundo começam a tentar identificar o agente causador. Supõe-se que ele tenha se originado num mercado de frutos do mar na cidade. Inicialmente é comunicado haver cerca de 40 pessoas infectadas. (31/12/2019)

  • LEIA MAIS

China ganha terreno na América Latina

Desde a descoberta da região pelos chineses no início dos anos 2000, a influência de Pequim vem crescendo. Agora, a crise causada pelo novo coronavírus traz oportunidades.

Parcela de brasileiros que quer se vacinar volta a crescer

Datafolha aponta que 79% dos brasileiros querem se imunizar contra covid-19. Crescimento ocorre em meio à percepção de que epidemia está fora de controle no país. Índice é menor entre apoiadores de Bolsonaro.

Escravos viabilizaram primeiro plano de vacinação do Brasil

Primeira vacina usada no Brasil foi trazida ao país em 1804 de "braço em braço" por escravos enviados a Lisboa. Estrutura de vacinação contra varíola no período colonial transformou igrejas em postos de saúde.

Primeiro lote de insumos para vacina AstraZeneca chega ao Brasil

Material para a produção local de vacinas chega com atraso de um mês, empurrando cronograma de produção da Fiocruz para março. Inicialmente, fundação esperava entregar primeiras doses na semana que vem.

Pfizer solicita à Anvisa registro definitivo de vacina contra covid-19

Imunizante que já vem sendo aplicado em dezenas de países está no centro de briga entre laboratório e governo Bolsonaro. Planalto ignorou ofertas da empresa ao longo do ano passado.

Comentários para "Chile, o campeão de vacinação da América do Sul":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório