×
ContextoExato

Qualidade dos rios na Mata Atlântica melhorou com isolamento social

Qualidade dos rios na Mata Atlântica melhorou com isolamento socialFoto: Portal DW de Noticias

Qualidade do rio Tietê em São Paulo melhorou no último ano

Nádia Pontes - Portal Dw De Noticias - 22/03/2021 - 15:26:40

Monitoramento da SOS Mata Atlântica feito em mais de 100 pontos mostra que diminuição de lixo despejado no ambiente e de poluição liberada por veículos durante a pandemia influenciou qualidade das águas.

A condição de rios e córregos que cortam a Mata Atlântica apresentou uma tendência de melhora durante o primeiro ano de pandemia. Entre março de 2020 e fevereiro de 2021, um monitoramento feito em 130 pontos de coleta apontou que a diminuição do lixo e o isolamento social contribuíram para esse cenário, mostra um relatório da Fundação SOS Mata Atlântica publicado nesta segunda-feira (22/03), Dia Mundial da Água.

"Com a diminuição do fluxo de pessoas nas ruas, diminuiu a quantidade de resíduos que a gente chama de poluição difusa, que é o lixo que as pessoas jogam na rua e vai parar nos rios", comenta Gustavo Veronesi, coordenador do projeto Observando os Rios da fundação.

Com menos carros em circulação, outro reflexo do isolamento social, a poluição emitida por veículos acompanhou a queda. "A fuligem dos carros, a poluição atmosférica que cai nos rios quando vem a chuva, os resíduos de pneus que ficam no asfalto também diminuíram bastante neste período", adiciona Veronesi. Além disso, obras de esgoto levaram à melhora da qualidade principalmente do rio Tietê em São Paulo, aponta.

Dos 130 pontos analisados, distribuídos por 64 cidades espalhadas pelos 17 estados cobertos pela Mata Atlântica, a maioria apresentou qualidade regular da água (73,1%). Em 16,9% deles, a condição é ruim, e 10% têm boa qualidade – no período anterior, esse índice foi de 5%.

Apesar da tendência de melhora, não foram identificados trechos com qualidade ótima. Por outro lado, o monitoramento não encontrou nenhum corpo d'água no outro extremo da classificação. "Talvez essa seja a grande notícia. Infelizmente, sempre há algum ponto que está numa situação pior do que ruim, ou seja, péssima, o que não ocorreu neste ano", pontua Veronesi.

Na comparação com o período anterior (2019-2020), os indicadores mostraram que a qualidade melhorou em dez pontos e manteve a estabilidade em outros dez, conclui o relatório com base em 95 pontos fixos de monitoramento em que é possível estabelecer essa relação.

"O resultado do monitoramento mostra uma coerência com os fatores que afetam a relação da ação do homem com a saúde ambiental", comenta Arisvaldo Vieira Mello Junior, professor na área de recursos hídricos na Universidade de São Paulo (USP) sobre o impacto do lixo e esgoto.

Urgência do saneamento básico

Ao mesmo tempo que indica um ganho modesto de qualidade, o relatório destaca efeitos diretos da falta de saneamento básico em algumas regiões do bioma.

Com mais pessoas trabalhando de casa durante a pandemia, o consumo de água aumentou nas residências e, consequentemente, o volume de esgoto gerado. Em São Sebastião, litoral paulista, onde muitos paulistanos se refugiaram neste período, houve uma piora na qualidade do rio Boiçucanga, por exemplo. Em toda a cidade, estima-se que 60% da população esteja ligada à rede de esgotamento sanitário.

Segundo a SOS Mata Atlântica, o agravamento da crise econômica também se refletiu nos rios. Em trechos do rio Tietê na cidade paulista de Itaquaquecetuba, moradias precárias foram construídas nos últimos meses por pessoas que, sem opção, passaram a ocupar o local. Logo, a qualidade das águas do entorno piorou com o despejo de mais resíduos. A mesma situação foi observada em pontos do rio Capiberibe, em Pernambuco.

"Os rios nos dizem tudo. Eles contam o que as pessoas fazem no entorno, o cuidado que elas têm com o lugar onde vivem", comenta Veronesi sobre o cenário.

Influência de agrotóxicos e da floresta

Em regiões com lavouras, os rios do entorno não reagiram bem, mostra o relatório. A explicação está no uso de agrotóxicos, que ficam no solo e escorrem para os cursos d'água com a chuva. "São poluentes persistentes, é uma situação de extremo alerta. Rio é água, que é fundamental para a vida, para a agricultura", afirma Veronesi.

É o caso de pontos do rio Tietê monitorados em Biritiba Mirim, cidade paulista de apenas 32 mil habitantes considerada um cinturão verde devido à produção agrícola, onde a qualidade é comprometida.

Dentre os 13 trechos monitorados que apresentaram qualidade considerada boa, a proximidade a unidades protegidas ou mata nativa mostrou ser um diferencial. Entre eles estão os rios Pratagy, em Alagoas; Biriricas, no Espírito Santo; pontos dos rios Tietê e Jundiaí, em São Paulo.

"Isso mostra a importância das unidades de conservação para a preservação ambiental. E a deficiência do manejo ambiental proveniente da coleta e tratamento de esgoto em todas as áreas, seja nas metrópoles seja nas cidades menores", comenta Mello Junior.

Água e futuro

Com uma área original de 1,3 milhão de km2, a Mata Atlântica é o bioma mais destruído desde a chegada dos portugueses ao Brasil. Atualmente, restam apenas 12,4% dessa vegetação, distribuída pelo território onde vivem cerca de 70% da população brasileira.

O monitoramento anual da Fundação SOS Mata Atlântica compreende nove bacias hidrográficas e inclui rios importantes como o Tietê, São Francisco, Parnaíba, Jaguaribe e Capibaribe.

Para a fundação, a melhora definitiva da qualidade dos rios e córregos no bioma depende de investimentos firmes em saneamento e proteção da vegetação nativa. "Além disso tudo, há a urgência climática, que é tão tenebrosa quanto a pandemia. Com secas mais severas haverá menos água nos rios, que ficam com menor capacidade de se regenerarem e de dissolver poluentes", alerta Veronesi.

Para Mello Junior, que coordena uma pesquisa sobre análise de risco e vulnerabilidade da disponibilidade hídrica sujeita a mudanças climáticas, as alterações no clima adicionam variáveis que tendem a piorar o quadro.

"Esse é um assunto que precisa ser mais bem estudado. Mas já é observado em regiões do país períodos de seca mais prolongada e de chuvas mais intensas, os chamados extremos climáticos. Isso traz reflexos não só na disponibilidade de água, mas na conservação de biomas, da fauna e flora aquática", complementa.

LEIA MAIS

No Brasil, pandemia é usada como "escudo" para retrocessos, aponta estudo

Segundo pesquisa, crise sanitária é vista como "oportunidade" para reverter políticas ambientais em países com maiores florestas tropicais. No Brasil, retrocessos implicaram desmatamento e invasões de terras indígenas.

"Pandemia abre caminho para correção de rumos no meio ambiente"

Pesquisador de Harvard afirma que capacidade de mudança coletiva de comportamento demonstrada durante a crise da covid-19 pode ser passo para "grande virada" na questão do clima.

Salles revoga ato que regularizava invasões na Mata Atlântica

Após ter sido contestada pelo Ministério Público, medida é cancelada pelo ministro do Meio Ambiente, que aguarda decisão do STF sobre o tema. Restam apenas 12% da cobertura original do bioma.

Opinião: Estamos próximos do ponto de não retorno para o clima global

O ano 2021 pode ser a última chance de se iniciar uma ação global decidida em defesa do clima. Caso contrário, a humanidade pode se preparar para a catástrofe, opina a diretora da Pnuma, Inger Andersen.

Pandemias mais mortais surgirão sem proteção à natureza, alerta ONU

Painel da ONU defende o fim da destruição florestal e menos consumo de carne para evitar futuras crises mais drásticas que a covid-19. Prevenir pandemias é 100 vezes mais barato que combater seus efeitos, diz relatório.

Comentários para "Qualidade dos rios na Mata Atlântica melhorou com isolamento social":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório