×
ContextoExato

Museu da República abre as portas para exposição de 14 artistas negras

Museu da República abre as portas para exposição de 14 artistas negrasFoto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A exposição Sob a Potência da Presença, com curadoria de Keyna Eleison, traz obras de arte contemporânea de mulheres negras ao Museu da República

Por Alana Gandra - Agência Brasil Rio De Janeiro - 15/11/2019 - 09:12:45

O Museu da República inaugura hoje (15) a exposição "Sob a Potência da Presença", com obras de 14 artistas negras. A curadora da mostra, Keyna Eleison, mestre em história da arte, disse que a exposição é resultado de um processo de acompanhamento artístico realizado e patrocinado pela Rede Nami, uma rede de mulheres que usa as artes urbanas para promover os direitos femininos, coordenada pela artista visual e ativista social, Panmela Castro.

“Foram nove encontros, em cada um dos quais elas conheceram [trabalhos de] artistas mulheres nacionais e internacionais que são importantes no mundo da arte e têm exposições no mundo inteiro”, disse Keyna. Todas essas artistas eram negras, com exceção de Lygia Clark, pintora e escultora brasileira, morta em abril de 1988. “A Lygia é, de fato, uma dobra dentro da relevância do mundo da arte”.

A exposição Sob a Potência da Presença, com curadoria de Keyna Eleison, traz obras de arte contemporânea de mulheres negras ao Museu da RepúblicaFernando Frazão/Agência Brasil

A exposição é composta de pinturas, esculturas, performances, instalações, colagens, entre outros. “É uma exposição multimídia mesmo. Tem todas as relações de arte que a gente pode imaginar”, disse Keyna, que é professora do Grupo de Acompanhamento da Rede Nami e do programa gratuito de ensino da Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

“A gente hoje em dia não vê muitas artistas negras em grandes exposições, em grandes espaços”, disse a curadora sobre o nome da exposição: “Sob a potência da presença”.

Será realizada hoje (15) uma mesa redonda sobre “A Importância de Impulsionar Mulheres Negras na Arte Contemporânea”, da qual participarão, além de Keyna Eleison, a ativista Panmela Castro e a doutora em artes visuais paulista Rosana Paulino.

Também está marcada para hoje a mostra “AfroGrafiteiras”, reunindo cerca de 40 telas das alunas do curso de formação política através da arte, também promovido pela Rede Nami.

O programa de acompanhamento da Rede Nami é bienal. O grupo que participa da exposição no Museu da República pertence à terceira turma formada em arte contemporânea pela ONG este ano. O programa é gratuito e foi iniciado em 2015.

A mostra ficará aberta ao público no Museu da República até o dia 2 de fevereiro de 2020 e pode ser vista de terça a sexta-feira, das 10h às 17h; e nos sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h.

Edição: Lílian Beraldo

Comentários para "Museu da República abre as portas para exposição de 14 artistas negras":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório