×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

"O aumento do auxílio prometido à população não nasce do coração, mas do interesse pela reeleição."

Foto: Rogério Paiva / Ascom MPT

Auxílio para libertar e não para manter o povo no cabresto

Padre Xavier Paolillo* - Brasil De Fato | João Pessoa-pb - 30/10/2021 - 09:37:42

Zé, um cortador de cana aposentado. Eu achava que tinha mais de 90 anos, mas não chegava nem aos 70. O rosto estava queimado pelo sol e enrugado pela fadiga

Uma das experiências mais fortes na minha vida foi o encontro com Zé, um cortador de cana aposentado. Eu achava que tinha mais de 90 anos, mas não chegava nem aos 70. O rosto estava queimado pelo sol e enrugado pela fadiga. Não precisava de registro na carteira para comprovar seus anos de trabalho. Os calos nas mãos e as cicatrizes nos braços e nas pernas eram os comprovantes de seus longos e terríveis anos de duro trabalho. Sua aposentadoria era uma mixaria. Contou-me que pegava no pesado todo dia. Morava na fazenda junto com outras famílias, mas a moradia era uma covardia. A fazenda ficava longe de tudo. Para comprar o necessário para viver só existia o mercadinho do patrão. Os preços eram altíssimos.

Aumentavam a cada semana, mas o salário permanecia o mesmo. E quando aumentava pela graça de Deus, o aumento era sempre inferior àquele dos preços do mercadinho. Ninguém dava conta. No mesmo dia em que recebia o mísero salário já estava endividado. Pagava as compras da semana anterior, mas nunca conseguia zerar o passivo. A dívida aumentava cada vez mais. Virava uma bola de neve daquelas que nem o sol quente daquela região conseguia derreter. A obrigação de ficar na fazenda era a garantia do pagamento. O regime era de escravidão.

Lembrei-me dessa história ao acompanhar as discussões de economia destes últimos dias. O presidente prometeu o “Auxílio Brasil” de 400 reais. O mercado enlouqueceu, pois o teto dos gastos vai furar. Na realidade o buraco está mais em baixo. Não está no telhado, mas nos fundamentos dessa economia sem compaixão. Deus queira que esta torre que só dá acesso a uns privilegiados possa ruir para construir no lugar dela uma casa onde tem lugar para todo mundo. O povo acompanha com certa trepidação com a esperança que vai melhorar. Pura ilusão. O que vai acontecer é a mesma coisa que se passava na fazenda do Zé. Nessa economia de exploração essa miséria de auxílio nunca vai gerar proteção. Além do mais, o povo vai ter que gastar num mercado cujos preços são estabelecidos pelos patrões. Com essa inflação às alturas, os preços não vão assegurar a compra da mistura. 400 reais parecem um bom aumento, mas quando chegarem no bolso do povo vão valer tanto quanto os 150 atuais que garantem pouco mais do pão com ovo.

O regime de exploração é sempre o mesmo. Veste o casaco da benfeitoria, mas só promove malfeitoria. Transferir renda para os mais pobres é URGENTE, mas não é dar esmola. É garantir trabalho em condições humanas, salários justos, aposentadorias dignas e benefícios adequados conforme reza a Constituição. O que estamos vendo nestes dias é a perpetuação da cultura da escravidão, a mesma que humilhou seu Zé na fazenda do patrão.

O auxílio Brasil não vai ser pago com a taxação das grandes fortunas, mas pelos impostos pagos pelos trabalhadores e as trabalhadoras. Quem ajuda na partilha não são os marajás, mas a classe média e os próprios pobres. O assalariado trabalha duro, ganha mal e paga imposto sobre tudo, até sobre itens essenciais para sua sobrevivência. Além do mais deve endividar-se para comprar aquilo que ele mesmo produziu. É o fim da picada.


O dinheiro do auxílio Brasil, também, não vai ser tirado dos gastos exorbitantes da manutenção da máquina pública, dos salários escandalosos e dos penduricalhos, mas da verba destinada ao pagamento dos precatórios, isto é, do dinheiro público separado para pagar as pessoas que ganharam na justiça o direito a serem ressarcidas pelo Estado. Portanto, na fonte do auxílio há um calote.

Portanto, não venham com conversa fiada. O aumento do auxílio prometido à população não nasce do coração, mas do interesse pela reeleição. Não vem da compaixão pelo desespero dos pobres que não tem o que comer, mas do desespero de perder a eleição. Seu Zé estava preso na Fazenda no regime de escravidão, o povo hoje arrisca de ficar amarrado para sempre ao regime de opressão em nome da sobrevivência. Em tudo isso, não sinto o cheiro de solidariedade, mas o fedor de voto de cabresto.

*Pastoral do Menor da Paraíba

**Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do Brasil de Fato.

Edição: Cida Alves

Comentários para ""O aumento do auxílio prometido à população não nasce do coração, mas do interesse pela reeleição."":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Campanha 'Fim de Ano Solidário' busca arrecadar fundos em prol do combate à fome

Campanha 'Fim de Ano Solidário' busca arrecadar fundos em prol do combate à fome

Ação é promovida pelo Instituto Stop Hunger, organização mantida pela Sodexo, e terá recursos revertidos integralmente para ONGs parceiras de diversas regiões do país

Campanha contra violência representa rostos de mulheres influentes

Campanha contra violência representa rostos de mulheres influentes

Fotomontagens são do artista italiano aleXsandro Palombo

VIJ-DF lança Campanha de Natal para ajudar crianças e adolescentes acolhidos

VIJ-DF lança Campanha de Natal para ajudar crianças e adolescentes acolhidos

Doações serão recebidas até o dia 17 de dezembro

"Tirar um sonho do papel": Campanha Papai Noel dos Correios já está disponível

Para adotar, é necessário se deslocar até uma unidade participante ou acessar o blog da campanha

Literatura infantil com protagonistas negros abre novos horizontes

Literatura infantil com protagonistas negros abre novos horizontes

Para pesquisadora, obras que extrapolam o racismo são fundamentais

Campanha vai doar absorventes para 5 mil alunas da rede pública do DF

Campanha vai doar absorventes para 5 mil alunas da rede pública do DF

Os 150 mil absorventes arrecadados serão distribuídos para 5 mil estudantes: três pacotes com 10 unidades por aluna em período menstrual

A arte de transformar uma casa de abrigo social em um lar de verdade

A arte de transformar uma casa de abrigo social em um lar de verdade

Projeto Arquitetando o Mundo pretende trazer mais aconchego para projetos sociais que abrigam quem está em situação de vulnerabilidade

Mecanismo biológico explica por que faz tanto bem fazer o bem

Mecanismo biológico explica por que faz tanto bem fazer o bem

Quem pratica generosidade exercita a compaixão, o que proporciona o sentimento de gratidão

Adoção de crianças e adolescentes com deficiência: O que é preciso saber

Adoção de crianças e adolescentes com deficiência: O que é preciso saber

Psicóloga da área de adoção da VIJ-DF responde às principais dúvidas sobre o tema em entrevista

Mais de 32 mil famílias têm desconto na conta de energia

Mais de 32 mil famílias têm desconto na conta de energia

Família de baixa renda que reside em moradia de aluguel ou imóvel cedido, onde a conta de energia está em nome do proprietário do imóvel, também pode solicitar o benefício

Campanha de Solidariedade do MTD fortalece os processos organizativos nas comunidades

Campanha de Solidariedade do MTD fortalece os processos organizativos nas comunidades

Cozinhas Populares em ocupações sem teto no bairro de Mangabeira.