×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

Portugal: Rejeição do orçamento pelos partidos de esquerda foi 'grande erro', avalia professor

Portugal: Rejeição do orçamento pelos partidos de esquerda foi 'grande erro', avalia professorFoto: Pixabay gratuita

A Sputnik Brasil conversou com professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra sobre as possíveis consequências da atual crise política que se instalou em Portugal.

Lauro Ramos - Agência Sputnik De Noticias - 28/10/2021 - 22:37:25

O Parlamento de Portugal reprovou na quarta-feira (27) a proposta de Orçamento do Estado para 2022 apresentada pelo governo do primeiro-ministro António Costa, do Partido Socialista (PS), de centro-esquerda. O documento foi inviabilizado com 117 votos contra, 108 a favor e cinco abstenções.

Esta foi a segunda vez que um orçamento foi reprovado no Parlamento de Portugal em 47 anos de democracia. Para entender melhor as possíveis consequências dessa crise política que se instalou em Portugal, a Sputnik Brasil conversou com José Reis, professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), coordenador do Observatório Sobre Crises e Alternativas do Centro de Estudos Sociais (CES) e autor do livro "Os Espaços da Indústria: a regulação econômica e o desenvolvimento local em Portugal".




Dissolução do Parlamento


Portugal é governado por um sistema semipresidencialista, em que o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, divide funções com o primeiro-ministro, António Costa.

José Reis explica que ao primeiro-ministro e o seu governo cabem as funções executivas, enquanto as funções constitucionais, de salvaguarda do funcionamento da democracia, são de responsabilidade do presidente. Com o impasse do orçamento, entra em cena Marcelo Rebelo de Sousa.

"Presidente vai decidir, e é a única decisão que lhe compete, se perante esse chumbo do orçamento encarrega o mesmo governo de apresentar uma nova proposta de orçamento ou se dissolve o Parlamento e convoca novas eleições", afirma Reis.

Nesta quinta-feira (28), foi divulgado o calendário de audiências de Marcelo Rebelo de Sousa. O presidente português vai ouvir os partidos e o Conselho de Estado nos termos impostos pela Constituição para a dissolução do Parlamento.

"Depois de ter reunido ontem [27 de outubro] à noite com o presidente da Assembleia da República [Ferro Rodrigues], bem como com o primeiro-ministro, que mantém o exercício das suas funções, o presidente da República vai receber amanhã [29 de outubro] os parceiros sociais, no sábado [30] os partidos políticos com representação parlamentar e reunirá o Conselho de Estado na quarta-feira [3 de novembro]", lê-se em comunicado da Presidência da República.

Embora a rejeição de um orçamento não signifique necessariamente eleições antecipadas, Marcelo Rebelo de Sousa alertou na segunda-feira (25) que, caso isso ocorresse, ele não teria outra opção que não fosse a dissolução do Parlamento e a realização das eleições dois anos antes do programado.

Portugal viveu nos últimos seis anos sob um governo firmado em uma aliança à esquerda. Para conseguir aprovar seu planejamento, depois de nomeado primeiro-ministro em 2015, António Costa convenceu o Partido Comunista Português (PCP) e o Bloco de Esquerda (BE) a formarem uma aliança, apelidada de geringonça.

"Esse acordo inicialmente foi escrito, tinha um programa claro e fácil porque se tratava de virar a página da austeridade [...]. Foi um consenso relativamente fácil de obter e durou durante a primeira legislatura, de 2015 a 2019. Em 2019, não houve acordo escrito, mas um acordo circunstancial para que o governo [minoritário] do PS, junto com o BE ou PCP, pudesse encontrar soluções para aprovar cada orçamento e isso aconteceu. Mas não aconteceu este ano [...]. Foi um grande erro", comenta José Reis.

O professor catedrático da FEUC acrescenta que se admitia como possível a rejeição da proposta de Orçamento do Estado, "mas não se previa, foi inesperado". Ele acredita que BE e PCP chumbaram a proposta por questões alheias ao orçamento em si.

"O que levou a essa ruptura, creio eu, foi um contexto mais geral de não acordo político dentro da esquerda [...]. A crise é eminentemente política, de dois partidos que não quiseram manter esse compromisso e preferiram ir a eleições porque admitiam que o fato de estarem aliados do PS está a corroer um pouco a sua base política de apoio. Foi estritamente político e não técnico."

Apesar de esta ter sido apenas a segunda vez que um orçamento foi reprovado no Parlamento em quase 50 anos, José Reis afirma que isso não é "uma tragédia ou problema".

"Há uma solução democrática perfeitamente estabilizada que é realizar eleições. Do ponto de vista constitucional, do ponto de vista do funcionamento da democracia, não é um problema", garante.

Dos cenários possíveis para as eleições antecipadas, o professor catedrático da FEUC destaca três cenários: o Partido Social-Democrata (PSD) e o Partido do Centro Democrático Social (CDS), que Reis considera como "direita democrática", ganham e governam; PS ganha com maioria absoluta; ou repetisse o resultado de 2015 e 2019, em que o PS ganha sem maioria e tem que se entender novamente com PCP e BE para governar.

Contudo, o especialista ressalta que há hoje em vários países "uma grande conflitualidade social" que "tem dado grande espaço para extrema-direita ". Atualmente há um partido considerado de extrema-direita na Assembleia da República, o Chega, que possui um deputado.

​"Nos quase 50 anos de democracia portuguesa a extrema-direita nunca teve expressão política e agora teve [...]. Mesmo que continue relativamente marginal, a extrema-direita pode ter uma expressão que nunca teve até agora [...]. Pode acontecer de a direita democrática ganhar, mas não tenha força suficiente para formar governo sem a extrema-direita", avalia.

Dessa forma, Reis aponta que, fazendo parte de um governo, o poder da extrema-direita seria muito maior, mas ele pondera que isso não deve ocorrer. O que deve acontecer é o Chega aumentar o número de deputados para dois ou três, uma vez que o partido está "em uma trajetória de crescimento".

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

Comentários para "Portugal: Rejeição do orçamento pelos partidos de esquerda foi 'grande erro', avalia professor":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Portugal restabelece restrições contra Covid-19 com alta de casos

Portugal restabelece restrições contra Covid-19 com alta de casos

País tem uma das maiores taxas de vacinação do mundo

Enem serve de acesso ao ensino superior no Brasil e em Portugal

Enem serve de acesso ao ensino superior no Brasil e em Portugal

Segundo dia de provas será no próximo domingo

'Lula está esplendoroso, mas Bolsonaro também está em boa forma', diz presidente de Portugal

'Lula está esplendoroso, mas Bolsonaro também está em boa forma', diz presidente de Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal, está em um estado esplêndido. Nada todos os dias no mar gélido de Caxias, a 15 minutos de Lisboa. Com a calma de quem vai dissolver o Parlamento no início de dezembro, ele concedeu entrevista a correspondentes estrangeiros nesta terça (23).

Encontro avalia ações para aproximar Brasil e Portugal

Encontro avalia ações para aproximar Brasil e Portugal

João Ribeiro de Almeida, Bartolomeu Rodrigues, Renata Zuquim, Luís Faro Ramos e Alexandra Pinho, conselheira cultural da Embaixada de Portugal

ONG portuguesa lamenta

ONG portuguesa lamenta "acordo nebuloso" e pouca ação dos países na COP26

Inatituição pediu maior esforço até o fim da década

Força Aérea e Marinha de Portugal conduzem exercícios de guerra antissuperfície no Báltico

Força Aérea e Marinha de Portugal conduzem exercícios de guerra antissuperfície no Báltico

Os caças F-16M da Força Aérea de Portugal, juntamente com a fragata NRP Corte-Real da Marinha, realizaram exercícios de guerra antissuperfície com forças aliadas da OTAN.

Parlamento de Portugal legaliza eutanásia

Parlamento de Portugal legaliza eutanásia

A votação foi de 138 a favor, 84 contra e cinco abstenções. O projeto original foi vetado pelo presidente Marcelo Rebelo de Sousa em março.

Em Portugal, após impasse orçamentário, presidente anuncia eleições para 30/01

Em Portugal, após impasse orçamentário, presidente anuncia eleições para 30/01

Em um discurso, a data do pleito foi marcada após um processo que levou à dissolução do Parlamento em virtude do impasse pela aprovação do Orçamento de Estado de 2022.

Portugal aprova dissolução de Parlamento e presidente convocará eleições

Portugal aprova dissolução de Parlamento e presidente convocará eleições

"O Conselho de Estado deu parecer favorável à dissolução do Parlamento", disse a presidência portuguesa em nota. "É fundamental escutá-los."

Ministro da Economia de Portugal diz que eleições antecipadas podem resolver crise política

Ministro da Economia de Portugal diz que eleições antecipadas podem resolver crise política

Após rejeição do orçamento de Estado, o ministro da Economia português acredita que a realização de eleições antecipadas pode resolver a atual crise política do país.

Museu de Coimbra faz doação de moluscos ao Museu Nacional

Museu de Coimbra faz doação de moluscos ao Museu Nacional

Exemplares integrarão o setor de malacologia da instituição brasileira