×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Unicef alerta para aumento das violações aos direitos das crianças no mundo

Unicef alerta para aumento das violações aos direitos das crianças no mundoFoto: © Unicef/Raphael Pouget

O Unicef reconhece que mesmo antes da pandemia, cerca de 1 bilhão de crianças no mundo já sofriam algum tipo de privação

Agência Onu News De Noticias - 01/01/2022 - 11:28:55

Situação é especialmente preocupante em países em conflito, como Afeganistão, Iêmen, Síria e Etiópia; diretora-geral da agência faz balanço sobre 2021, lamentando que os menores de idade continuem morrendo e sofrendo; Somália foi o país com o maior número de abduções.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, menos da metade das partes envolvidas em conflito no mundo se comprometeram de fato em proteger as crianças. Com isso, o ano de 2021 foi marcado por graves violações aos direitos dos menores de idade.

Bebê de um mês com sua família em Adra, após escaparem da violência em Ghouta, Síria.

Foto: © UNICEF/Omar Sanadiki

Bebê de um mês com sua família em Adra, após escaparem da violência em Ghouta, Síria.

Nesta sexta-feira, o Unicef alertou para “o preço arrasador que milhares de crianças estão pagando” devido a conflitos armados, violência intercomunitária e insegurança. Na semana passada, por exemplo, quatro menores morreram durante ataques no estado de Kayah, leste de Mianmar.

Insensibilidade

Criança desalojada no estado de Kachin, Mianmar.

Foto: OCHA/P. Peron

Criança desalojada no estado de Kachin, Mianmar.

A diretora executiva da agência da ONU declarou que “ano após ano, os lados em conflito continuam demonstrando desprezo pelo bem-estar” dos menores. Henrietta Fore disse ainda que “as crianças estão sofrendo e morrendo devido a esta insensibilidade” e pediu mais esforços “para proteger os menores desses perigos”.

O Unicef esclaresce que os dados de 2021 ainda não estão disponíveis, mas no ano passado foram cometidas 26,4 mil violações graves contra crianças – esse foi o total verificado pela ONU.

Nos primeiros três meses de 2021, casos de sequestro ou de violência sexual continuaram subindo a índices alarmantes: uma alta de mais de 50% e 10% respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2020.

Situação africana

A Somália foi o país que registrou o maior número de abduções de menores, seguida da República Democrática do Congo e da Bacia do Lago Chade (região integrando Chade, Nigéria, Camarões e Níger).

O Unicef revela ainda que as nações com os maiores números de casos de violência sexual contra crianças foram RD Congo, Somália e República Centro-Africana.

Este ano também foi marcado pelo aniversário de 25 anos do relatório “O Impacto da Guerra nas Crianças”, liderado pela ativista social moçambicana Graça Machel. O documento apelava à comunidade internacional para tomar medidas concretas para proteger as crianças da guerra.

Nos últimos 16 anos, as Nações Unidas verificaram 266 mil casos de graves violações contra crianças em mais de 30 conflitos em várias regiões do mundo, mas os números reais podem ser muito maiores.

Moçambique

O Afeganistão, por exemplo, é o país com o maior número de mortes de crianças em conflito desde 2005: 28,5 mil. Já o Oriente Médio e o norte da África foram as regiões com os números mais altos de ataques a escolas e hospitais: 22 somente no primeiro semestre deste ano.

No Iêmen, pelo menos 10 mil crianças morreram ou ficaram feridas desde que os confrontos começaram, em 2015 – o equivalente a quatro crianças por dia. A ONU também confirma ter havido violações nos Camarões, na Colômbia, na Líbia, em Moçambique e nas Filipinas.

O uso de explosivos é uma ameaça persistente. De acordo com o Unicef, no ano passado, explosivos remanescentes de guerra mataram ou feriram um total de 3,9 mil crianças.

Outro problema destacado pela agência é o recrutamento de crianças para o combate, especialmente em países africanos como Somália e RD Congo. O Unicef pede a todos os lados em conflito para implementarem planos de ação e medidas concretas para proteger as crianças e evitar que essas graves violações ocorram.

Comentários para "Unicef alerta para aumento das violações aos direitos das crianças no mundo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Defensoras públicas criam projeto para atender órfãos do feminicídio

Defensoras públicas criam projeto para atender órfãos do feminicídio

iniciativa foi contemplada com o Prêmio Innovare

Presidente promulga convenção interamericana contra o racismo

Presidente promulga convenção interamericana contra o racismo

Texto foi publicado no Diário Oficial da União

Juíza de Santa Catarina manda reduzir de jornada de mãe de criança com deficiência

Juíza de Santa Catarina manda reduzir de jornada de mãe de criança com deficiência

Segunda magistrada, “ela teve de buscar a tutela judicial para reduzir a jornada e poder ser mãe e trabalhadora ao mesmo tempo”.

Governo Bolsonaro quer aprofundar privatização da saúde indígena, alertam organizações

Governo Bolsonaro quer aprofundar privatização da saúde indígena, alertam organizações

Foto de criança Yanomami desnutrida virou símbolo da crise na assistência médica aos povos originários

Dignidade menstrual é um direito, regulamentação da Lei no DF é urgente

Dignidade menstrual é um direito, regulamentação da Lei no DF é urgente

É necessário que o Estado garanta políticas públicas que promovam a dignidade menstrual

Estudo da ONU revela falta de justiça para migrantes vítimas de abuso

Estudo da ONU revela falta de justiça para migrantes vítimas de abuso

Restrições impostas em resposta à Covid-19 podem ter levado funcionários de fronteira a exigir subornos mais altos

Em meio às crises, movimentos populares comemoram retomada das ruas e vitória da vacinação

Em meio às crises, movimentos populares comemoram retomada das ruas e vitória da vacinação

Manifestantes em marcha na Avenida Conde da Boa Vista pelo Fora Bolsonaro -

“A luta não é minha. Ela é histórica”, diz Padre Júlio Lancellotti

“A luta não é minha. Ela é histórica”, diz Padre Júlio Lancellotti

“A luta não é minha. Ela é histórica”, diz Padre Júlio Lancellotti ao Programa Bem Viver

Defensoria pública e movimentos populares promovem campanha de combate à pobreza menstrual

Defensoria pública e movimentos populares promovem campanha de combate à pobreza menstrual

No DF, Lei que prevê a distribuição gratuita de absorventes para mulheres em situação de vulnerabilidade ainda não foi implantada.

Crise põe metade das crianças no Líbano sob risco de violência física e emocional

Crise põe metade das crianças no Líbano sob risco de violência física e emocional

Pelo menos 1 milhão de crianças no Líbano estão sob perigo de violência física e mental à medida que a crise do país se intensifica

"Bolsonaro nega a pandemia e nega a fome no país", diz assessora da FIAN Brasil

Protestos lembraram da alta dos alimentos no governo Bolsonaro