×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de setembro de 2021

A venda do Palácio Capanema e a precificação da PátriaFoto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A venda do Palácio Capanema e a precificação da Pátria

O Palácio Gustavo Capanema, no centro do Rio, tem suas fachadas restauradas. Obras instaladas no Palácio Capanema, como o painel de Portinari, também foram recuperadas

Por Salin Siddartha - 26/08/2021 - 06:30:06

A Nação é um todo completo cuja visibilidade se faz notar pelos símbolos construídos por suas gerações. O Palácio Capanema, localizado no Centro do Rio de Janeiro, é um desses símbolos. Ele traduz, no País, a chamada “nova arquitetura” proposta por Le Corbusier como corolário da concepção arquitetônica modernista; mas o governo federal aspira vendê-lo por um lance mínimo de aproximadamente 30 milhões de reais, quando se sabe que, só em sua restauração e revitalização, o governo de Michel Temer gastou cerca de 120 milhões de reais.

Imitando artisticamente a forma como são construídas as casas de palafitas no Brasil, o prédio que leva o nome do célebre ministro Gustavo Capanema se ergue suspenso sobre pilotis e marca o início da arquitetura moderna brasileira. Não é coincidência o fato de ter sido a primeira obra notável que marcou a assinatura de Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Burle Marx, porém sinaliza o início de um discurso cunhado em concreto armado que se espraiaria por nossa Pátria, perpassando pela criação da Pampulha, com sua igrejinha e seu cassino, até atingir o auge com o Plano Piloto de Brasília, com seus prédios elevados também sobre pilotis, seu paisagismo também (e tão bem) elaborado por Burle Marx e o projeto urbanístico e arquitetônico dos mesmos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.


As palafitas amazônidas deixam passar por entre si o fluxo das águas, em convivência harmônica com os rios, sem emparedar o movimento de seu curso; e os pilotis modernos do Palácio Capanema permitem fluir a mobilidade de pedestres que atravessam caminhando aquele edifício da Rua da Imprensa, nº
16. Tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, ele integra a Lista Indicativa do Brasil ao reconhecimento como Patrimônio Mundial pela UNESCO – e com justo motivo, pois o prédio acumula 19 painéis pintados por Cândido Portinari (14 em afrescos e 15 em azulejos), além de esculturas de Bruno Giorgi e Adriana Janacópulos. Com tudo isso, o Palácio Capanema ainda continua a constar na relação dos dois mil imóveis listados pelo Ministério da Economia para serem vendidos.









No momento em que escrevo este artigo, existe expressiva pressão de arquitetos, artistas, políticos esclarecidos e da opinião pública contra a venda dessa verdadeira riqueza inestimável de nossa arquitetura. Oxalá o Poder Executivo Federal venha a pronunciar-se pública e oficialmente pela retirada do leilão desse verdadeiro Palácio da Cultura. Em uma época em que a imagem brasílica está tão mal vista na comunidade internacional, em decorrência da política externa desastrada em que se meteu o Ministério das Relações Exteriores nos últimos dois anos e sete meses, seria um crime entregar à privataria um símbolo do progressismo e da modernidade brasileira aberto ao conhecimento da intelectualidade acadêmica internacional, como é o caso do Palácio Capanema.






























A posse da cultura nacional está muito além de valores materiais sonantes, por isso quem vende o patrimônio cultural do seu povo não é digno de ser considerado patriota, pois a Pátria não pode ser precificada. A riqueza patrimonial do Palácio Capanema contradiz com a ignorância aliada à má fé de quem pretende leiloá-la a especuladores, e o Brasil não merece tamanho desrespeito. Isso só demonstra o apequenamento de mentalidades que não deveriam ousar a tal direito.

































































Fica, aqui, o alerta: a cultura brasileira não está à venda, Senhores governantes, porque não se pode vender o que não tem preço.




































































































Cruzeiro-DF, 25 de agosto de 2021
SALIN SIDDARTHA


























































Comentários para "A venda do Palácio Capanema e a precificação da Pátria":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

O relator Weverton Rocha é processado por improbidade

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

A audiência pública será transmitida pela TV Justiça e pela Rádio Justiça

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

Seis famílias são suspeitas de operar rachadinha

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

O inquérito policial será encaminhado para a Vara Criminal de Águas Claras, competente para processar e julgar o feito.

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu missões religiosas em terras indígenas de povos isolados durante a pandemia.

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

O MPF também acusa a Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região de promover um 'verdadeiro e ilegal rejulgamento' do caso ao anular a decisão que havia aceitado a denúncia.

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

A ação aponta que não foram tomadas as medidas necessárias para realocar as famílias em condições adequadas, conforme decidido pelo STF, sobretudo em relação ao isolamento social.

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

Inquéritos sobre o 7 de setembro, o Dia da Independência, avançam

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Rogério Schietti criticou, em julgamento oficial, política de liberação indiscriminada do porte e da posse de armas por parte do presidente