×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Em Brasília. “Medicina de guerra”, dizem profissionais sobre Hospital de Ceilândia

Em Brasília. “Medicina de guerra”, dizem profissionais sobre Hospital de CeilândiaFoto: SES-DF

“Medicina de guerra” foram as palavras escolhidas pelos médicos para descrever a rotina de trabalho diante de todos os problemas enfrentados diariamente nas unidades de saúde do DF.

Por Fernando Caixeta-metrópoles - 15/05/2019 - 08:20:47

Uma força-tarefa composta por vários conselhos profissionais e sindicatos da saúde, com o apoio do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), realizou uma vistoria no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) e constatou uma série de problemas relacionada ao atendimento e ao exercício das profissões.

“Medicina de guerra” foram as palavras escolhidas pelos médicos para descrever a rotina de trabalho diante de todos os problemas enfrentados diariamente nas unidades de saúde do DF.

As entidades visitaram o pronto-socorro, a UTI neonatal, a pediatria, o centro obstétrico e a sala vermelha do HRC. Nesses locais, depararam-se com pacientes internados em macas nos corredores, sem nem sequer um suporte para soro, função que cabia aos acompanhantes. Também encontraram falhas na triagem de classificação de risco e quantidade de servidores incompatível com a demanda.

O trabalho de vistoria, segundo as entidades, continuará e abrangerá, além dos hospitais públicos, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e os postos de saúde. O objetivo é traçar um diagnóstico preciso sobre a situação que o Distrito Federal vem enfrentando há anos no sistema de saúde. O resultado está previsto para daqui a quatro meses, conforme adiantou o presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM-DF), Farid Buittago Sánchez.

“Feito esse diagnóstico, buscaremos saber onde estão os principais problemas do atendimento ao paciente, identificando e propondo soluções específicas, que passam pela atenção primária, secundária e terciária”, explica Sánchez.

O presidente do conselho criticou as decisões recentes do governador, Ibaneis Rocha (MDB), de exonerar diretores quando casos de falta de atendimento vêm a público. O episódio mais recente diz respeito ao Hospital Regional de Sobradinho (HRS), onde uma jovem de 19 anos morreu por falta de atendimento no fim de semana. Devido ao caso, Ibaneis mandou afastar os gestores da unidade.

“As soluções não passam pela demissão de diretoria, porque essa é inócua. A solução passa basicamente pelo fortalecimento da atenção primária, redimensionamento de quadro na rede pública, aumento de leitos e de unidades hospitalares, mas, principalmente, pela contratação de profissionais de saúde”, sugere Sánchez.

A conselheira dos conselhos Federal e Regional da Medicina Rosylane Rocha ouviu de seus pares no HRC que a situação é caótica na unidade de Ceilândia. “A diferença é que, em situações de guerra, os médicos retornam como heróis. No HRC, não. Lá os médicos são tratados como vilões. Muitas vezes dizem que não tem atendimento porque não há profissionais. Na verdade, tem o médico, mas ele está cuidando de dezenas de pacientes internados e não consegue atender os que chegam no pronto-socorro”, diz Rosylane.

Outro lado
Procurada pela reportagem, a Secretaria de Saúde afirmou que “está atuando em todas as frentes para a superação do caos deixado na saúde pública pelas gestões anteriores”.

“Várias providências já foram tomadas, e outras inúmeras estão em andamento. Entre elas, podemos citar a realização de mais de 22 mil cirurgias eletivas e de emergência em apenas quatro meses de gestão. O Iges-DF acaba de anunciar o processo de contratação de mais de 2.400 profissionais, entre médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem”, acrescentou a pasta, por meio de nota.

Sobre as críticas às exonerações, a Secretaria de Saúde defendeu que os cargos em comissão, de chefia e assessoramento são de confiança dos gestores públicos e que o governador pode, a qualquer momento, promover mudanças.


Comentários para "Em Brasília. “Medicina de guerra”, dizem profissionais sobre Hospital de Ceilândia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Em 2020, recusa à doação de órgãos por parentes ficou em 37,8%

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

“Seja doador de órgãos e avise sua família” se estenderá por todo ano de 2021. Uma doação pode salvar até oito vidas