×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Ah, se eu fosse o Kassab...

Ah, se eu fosse o Kassab...Foto:

Editorial / Edson Sombra - 09/11/2012 - 18:32:30

O PSD nasceu para ser grande. Vendeu sua imagem como a força do novo e ergueu a tal bandeira da independência, que na verdade encobre sua tendência ao “coringuismo”. E deu certo. Com pouco mais de um ano de vida, o partido de Gilberto Kassab já é tido como um dos maiores do Brasil.

Atraiu para seus quadros verdadeira salada ideológica. De extrema-direita aos mais esquerdistas, todos com espaço e liberdade para atuar. Foi a deixa que muitos precisavam para se desacorrentarem, respaldados pela lei eleitoral, dos partidos que os prendiam e passaram a desfrutar da sensação de pertencerem a uma sigla sem dogmas. Esse era o ideal de Kassab. Ou parece ser. ...

Mas a política é cruel. Com a derrocada na capital paulista da candidatura de seu aliado, José Serra (PSDB), o ainda prefeito de São Paulo teve de se mexer antes de deixar a cadeira. Decidiu declarar apoio ao eleito Fernando Haddad (PT) e ainda acenar com a possibilidade de embarque na base de Dilma no Congresso Nacional.

Apesar das discordâncias de alguns, era aceitável. Afinal, para esses, Dilma faz um governo pouco partidário. Assume a simpatia por nomes indigestos até para o partido que a elegeu, o de Lula, e não é tão rigorosa em exigir o companheirismo petista. Além do mais, é uma presidenta que tem o apoio da maioria da população brasileira. Tudo que o novato PSD precisa para justificar o mergulho de cabeça no projeto do atual governo federal.

Nessa onda nacional, o PSD do DF tenta surfar da mesma forma. O ex-governador Rogério Rosso, que ganhou de bandeja a presidência regional da legenda, sente-se quase uma versão kassabiana no cerrado do quadrilátero do DF. Com algumas gritantes diferenças.

Enquanto Kassab está no fim de seu mandato, e pelo jeito já à procura de uma cadeira para ocupar, Rosso já está fora do GDF há quase dois anos. E sem perspectiva de voltar. Kassab galga uma pasta forte no governo Dilma para oficializar o apoio ao mandato da primeira presidenta do Brasil. Rosso diz querer repetir no DF a aliança nacional e acena com a possibilidade de, em troca de algumas dezenas de cargos, embarcar no projeto sem norte do governo de Agnelo Queiroz (PT).

Kassab agora negocia a possibilidade de assumir uma cadeira daqui a três meses, quando deixará a prefeitura paulistana. Rosso deixa vazar que já se encontrou diversas vezes com Agnelo para tratar do possível ingresso do PSD na base do petista, sem antes nem ter ouvido a opinião dos parlamentares de sua bancada. Aliás, a segunda em tamanho e importância na Câmara Distrital.

Enquanto Kassab tenta manter-se no cenário nacional como liderança política, Rosso engole a seco todos os predicados a ele atribuídos no passado por Agnelo, ou melhor – seu possível aliado – para justificar um desejo incontrolável de novamente ser chamado de Vossa Excelência. Ou então deve haver outro significado para a conhecida e repetida expressão “herança maldita”.

Se na esfera nacional o prefeito Gilberto Kassab tenta construir uma das maiores bancadas da Câmara dos Deputados, Rosso corre o risco de enxotar a representatividade do novato partido no legislativo local. Enquanto Kassab caminha para integrar o PSD a um projeto que detém mais de 70% de aprovação do povo, pelo Distrito Federal o ex-governador apanha, quase que diariamente, para tentar explicar seu gesto de querer ingressar numa gestão que bate o recorde de rejeição na história política da cidade.

Mas tudo é justificável. Se Rosso pretendesse realmente ser um Kassab, teria que no mínimo ter passado pelo teste das urnas, coisa que nunca ocorreu. Sem dúvida, daria mais valor a cada voto de cada eleitor que acreditasse em um projeto político. Foi secretário de Estado, presidente de Estatal, administrador de cidade, nunca indicado pelo povo – sempre por algum aliado maior como Roriz e Arruda. Chegou a ser escolhido duas vezes para um mandato tampão: a primeira como governador do DF, eleito por alguns deputados distritais apenas, e outra como deputado federal, por pouco mais de um mês, devido à renúncia do titular da vaga.

Toda a movimentação nacional de Kassab tenha, talvez, vendado os olhos do líder maior do partido sobre o que tem acontecido no Distrito Federal. Mas, se me permitem, e com a licença do ex-governador Rogério Rosso, se eu fosse o Kassab, eu chamaria imediatamente o presidente regional da minha legenda para uma reunião a portas fechadas.

Perguntaria a ele, em primeiro lugar, o motivo de querer colocar no balcão da feira da política três importantes integrantes de meu partido no DF: Eliana Pedrosa – a segunda mais votada da legislatura –, Liliane Roriz – herdeira política de mais de 30% de intenção de votos da família Roriz no DF – e Celina Leão, talvez a mais aguerrida parlamentar da Câmara do DF. Por que querer ficar apenas com um nome no legislativo distrital?

Questionaria ainda se, por trás desse suposto plano de aderir à gestão petista local, estaria o objetivo de ser mais um dos políticos de ocasião, aqueles que no entra e sai de governo estão sempre no poder, com cargos no primeiro-escalão. Afinal, esteve com Roriz, com Arruda e agora parece querer juntar-se ao governo de Agnelo.

E, claro, finalizaria o nobre encontro com uma pergunta simples: por que nivelar o meu projeto ideológico, que resultou nesse novo partido, que tanto é elogiado por cacifados políticos e estudiosos brasileiros, ao daqueles que apenas usam suas legendas em troca de benefícios pessoais?

Ah, se eu fosse o Kassab...

Por Edson Sombra

Comentários para "Ah, se eu fosse o Kassab...":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Tratam-se de golpistas que utilizam a imagem do Fisco para dar credibilidade aos golpes, pois os alertas oficiais da Receita não contém links

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Os dados fazem parte da pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 24 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

A nota técnica que baseia a decisão cita manual do Sistema Único de Saúde

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Estado é líder com mais de 16% da participação nacional

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

MP dos Cartórios também pretende atuar no processo de modernização com o objetivo de unificar os registros cartorais de todo o país

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

A entidade está realizando nesta semana, no Catar, seu encontro anual.

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

O IPCC também aponta que, nos próximos oito anos, 132 milhões de pessoas (especialmente de países mais vulneráveis, incluindo regiões da América do Sul) podem cair na extrema pobreza.

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Buscas por viagens aumentam no primeiro semestre

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

As primeiras visitas aos cidadãos aconteceram em março, no estágio denominado arrolamento, em que agentes comunitários de saúde visitam setores sorteados em busca do público-alvo da sondagem.

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Pesquisa TIC Domicílios foi divulgada hoje por centro de estudos

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Consumidores não pagarão mais porque bandeira está verde