×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 07 de dezembro de 2021

Anvisa aprova nova droga para malária

Anvisa aprova nova droga para maláriaFoto: Portal Biologia/divulgação

Ela reduz a duração do tratamento de sete para um dia

Por Lígia Formenti Brasília - Estadão Conteúdo - 30/10/2019 - 14:55:52

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na terça-feira, 29, o registro de um medicamento com potencial para facilitar de forma expressiva o tratamento da malária e evitar recaídas. Batizada de tafenoquina, a droga é a primeira aprovada nos últimos 60 anos para a principal forma da doença no País, provocada pelo Plasmodium vivax. O maior avanço trazido pelo remédio, de acordo com pesquisadores, está relacionado à forma de uso. Ela reduz a duração do tratamento de sete para um dia. Hoje, boa parte dos pacientes, ao sentir uma leve melhora, acaba abandonando a terapia. "Sem o esquema completo, a pessoa pode apresentar a doença novamente", conta o médico especialista em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz da Amazônia, Marcus Vinícius Guimarães Lacerda.

Transmitida pela picada do mosquito anopheles infectado pelo protozoário, a malária provoca febre, mal, estar, dores de cabeça e no corpo. Entre os meses de janeiro e agosto, foram identificados no País 87 mil casos da doença. Provocada por um protozoário, a malária é considerada endêmica no País. O tratamento hoje inclui duas drogas. Uma delas é indicada para controlar a infecção aguda e outra, de 7 dias, a primaquina, para a eliminação do parasita que se instala no fígado.

As recaídas acontecem mesmo que o paciente não tenha tido um novo contato com o agente causador da doença. Quando o tratamento com a primaquina não é finalizado, o protozoário fica "adormecido" no fígado e, por razões ainda não conhecidas, pode novamente se manifestar. Não há padrão para recaídas. Podem tanto ser mais leves como muito mais graves do que a primeira manifestação da doença.

A tafenoquina foi desenvolvida há cerca de 40 anos pelo exército americano, a partir da primaquina. O princípio ativo, no entanto, ficou anos aguardando o desenvolvimento e pesquisas que demonstrassem sua eficácia e segurança. A retomada ocorreu há alguns anos, com uma pesquisa feita em parceria entre a GSK e a organização não-governamental Medicines for Malaria Venture (MMV). Pesquisas clínicas foram feitas no Brasil para o uso do medicamento. Cerca de 200 voluntários participaram do estudo.

O Brasil é o primeiro país endêmico a aprovar o uso da tafenoquina. A droga já recebeu registro nos Estados Unidos e na Austrália. Com o sinal verde da Anvisa, terá início em janeiro um estudo para a incorporação da droga no Sistema Único de Saúde. O medicamento deverá ser usado nas cidades de Manaus e Porto Velho a partir de janeiro do próximo ano, com duração de um ano. Se resultados forem considerados bons, a droga poderá ser incorporada pelo Sistema Único de Saúde.

O registro concedido pela Anvisa prevê que a tafenoquina seja dada para pacientes com mais de 16 anos. Ela substitui a primaquina e não dispensa o uso de medicamentos para a forma aguda da doença. O novo medicamento não é indicado para mulheres grávidas e para pessoas com deficiência na produção de uma enzima, a G6PD. Estima-se que 5% da população apresentam o problema. "Pessoas que com a deficiência que tomam a tafenoquina podem ter efeitos colaterais graves, como a destruição das células vermelhas", diz Lacerda.

Para evitar o risco, o novo medicamento somente será usado depois da realização de um teste rápido, feito para identificar a deficiência. Diretor do departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Júlio Croda, afirma que esse teste rápido será aplicado nas duas cidades. "Vamos acompanhar de perto essa implementação, para ver a facilidade do uso do exame, a adaptação dos profissionais", disse. O aparelho é semelhante ao que identifica as taxas de glicose no sangue. Portátil e funciona por meio de baterias. Nos casos em que a deficiência da enzima for identificada, a recomendação será usar o medicamento tradicional (primaquina), mas de forma monitorada. "Hoje sabemos que a primaquina também provoca o mesmo risco para pacientes com a deficiência. O tratamento agora ficará mais seguro."

Médico da GSK, Roberto Zajdenverg, avalia que a droga tem um potencial promissor. A droga é produzida na Índia. À frente do estudo clínico realizado no Brasil com a droga, Lacerda também está otimista com o impacto positivo que a droga pode trazer na redução de casos no País. "Evitando as recaídas, será possível também reduzir a circulação do parasita". Com menos pessoas doentes, menor o risco de o mosquito anopheles se contaminar e passar e transmitir a doença para outras pessoas. Há ainda outro fator importante, a identificação de novos surtos. "Hoje não sabemos se um caso identificado é provocado por uma infecção nova ou uma recaída", conta Croda.

Se resultados forem positivos, afirma Croda, a nova droga poderá ser usada nas demais áreas onde a malária é endêmica. Hoje, 38 cidades são consideradas prioritárias para a doença.

Comentários para "Anvisa aprova nova droga para malária":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Redes de Solidariedade e Afeto: A defesa da vida em tempos de Covid-19

Redes de Solidariedade e Afeto: A defesa da vida em tempos de Covid-19

Atividades presenciais foram reduzidas para evitar aglomerações.

Campanha 'Fim de Ano Solidário' busca arrecadar fundos em prol do combate à fome

Campanha 'Fim de Ano Solidário' busca arrecadar fundos em prol do combate à fome

Ação é promovida pelo Instituto Stop Hunger, organização mantida pela Sodexo, e terá recursos revertidos integralmente para ONGs parceiras de diversas regiões do país

Campanha contra violência representa rostos de mulheres influentes

Campanha contra violência representa rostos de mulheres influentes

Fotomontagens são do artista italiano aleXsandro Palombo

VIJ-DF lança Campanha de Natal para ajudar crianças e adolescentes acolhidos

VIJ-DF lança Campanha de Natal para ajudar crianças e adolescentes acolhidos

Doações serão recebidas até o dia 17 de dezembro

"Tirar um sonho do papel": Campanha Papai Noel dos Correios já está disponível

Para adotar, é necessário se deslocar até uma unidade participante ou acessar o blog da campanha

Literatura infantil com protagonistas negros abre novos horizontes

Literatura infantil com protagonistas negros abre novos horizontes

Para pesquisadora, obras que extrapolam o racismo são fundamentais

Campanha vai doar absorventes para 5 mil alunas da rede pública do DF

Campanha vai doar absorventes para 5 mil alunas da rede pública do DF

Os 150 mil absorventes arrecadados serão distribuídos para 5 mil estudantes: três pacotes com 10 unidades por aluna em período menstrual

A arte de transformar uma casa de abrigo social em um lar de verdade

A arte de transformar uma casa de abrigo social em um lar de verdade

Projeto Arquitetando o Mundo pretende trazer mais aconchego para projetos sociais que abrigam quem está em situação de vulnerabilidade

Mecanismo biológico explica por que faz tanto bem fazer o bem

Mecanismo biológico explica por que faz tanto bem fazer o bem

Quem pratica generosidade exercita a compaixão, o que proporciona o sentimento de gratidão

Adoção de crianças e adolescentes com deficiência: O que é preciso saber

Adoção de crianças e adolescentes com deficiência: O que é preciso saber

Psicóloga da área de adoção da VIJ-DF responde às principais dúvidas sobre o tema em entrevista

Mais de 32 mil famílias têm desconto na conta de energia

Mais de 32 mil famílias têm desconto na conta de energia

Família de baixa renda que reside em moradia de aluguel ou imóvel cedido, onde a conta de energia está em nome do proprietário do imóvel, também pode solicitar o benefício