×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Precisamos enfrentar a violência sexual contra crianças e adolescentes

Precisamos enfrentar a violência sexual contra crianças e adolescentesFoto: Pixabay

Os dados ainda não dão conta da dimensão desse grave problema no país, mas mostram que a realidade é preocupante.

Por Karina A Figueiredo-metrópoles - 18/05/2019 - 13:04:10

Chegamos a mais um 18 de maio – Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. São 19 anos de mobilização desde que o dia foi instituído por Lei. A proposta é destacar a data para mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar do enfrentamento ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes.

Os dados ainda não dão conta da dimensão desse grave problema no país, mas mostram que a realidade é preocupante.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a cada hora, 228 crianças, em especial meninas, são exploradas sexualmente em países da América Latina e do Caribe. O Brasil está em primeiro lugar nesse ranking.

O Ministério dos Direitos Humanos registrou 8,5 mil casos de violência sexual contra crianças e adolescentes no primeiro semestre de 2018, pelo sistema Disque 100. Nesse período, somente no Distrito Federal, foram registrados 133 casos. Em 2017, foram 319 casos. No entanto, há indícios de subnotificação, tendo em vista que nem todas as pessoas chegam a acessar os canais de denúncia.

Mais sobre o tema

Essa grave violação de direitos envolve vários fatores de risco quando se consideram as relações histórico culturais, de geração, de gênero, de raça e etnia, de orientação sexual, de classe social e de condições econômicas de sobrevivência. Nesse tipo de violência, são estabelecidas relações diversas de poder, nas quais pessoas e/ou redes utilizam crianças e adolescentes para satisfazerem seus desejos e fantasias sexuais e/ou obterem vantagens financeiras e lucros. Ou seja, a criança ou o adolescente se torna mais um ser despossuído de humanidade e de proteção.

São meninos e meninas que, por estarem vulneráveis, podem sofrer abuso sexual intrafamiliar, envolvendo pessoas próximas ou familiares, ou se tornarem alvos da exploração sexual em suas diferentes formas, como: tráfico, pornografia, prostituição e exploração sexual no turismo. Uma das piores formas de trabalho infantil é a utilização de meninas e meninos na exploração sexual.

Por esse motivo, o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes convoca a todos – família, escola, sociedade civil, governos, instituições de atendimento, igrejas, universidades, mídia – para assumirem o compromisso no enfrentamento da violência sexual, promovendo e se responsabilizando pela proteção e pelo desenvolvimento de crianças e adolescentes de forma digna, saudável e livre da violência.

A campanha em torno do dia 18 de maio tem como símbolo uma flor, como uma lembrança dos desenhos da primeira infância, além de associar a necessidade de cuidado e proteção para o desenvolvimento pleno do ser humano.

Divulgação

DIVULGAÇÃO

Já o slogan Faça Bonito – Proteja nossas crianças e adolescentes quer chamar a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenção e proteção, pois as marcas da violência sexual ficam para sempre e podem levar as vítimas ao sofrimento intenso, inclusive à automutilação e ao suicídio.

Você, leitor, é convidado a fazer bonito! Vamos proteger as crianças e adolescentes de todas as formas de violência sexual. Se souber ou desconfiar de algum caso, não se omita, denuncie por meio do Disque 100 ou procure o Conselho Tutelar da sua região.

Karina A. Figueiredo é assistente social, coordenadora colegiada do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Comentários para "Precisamos enfrentar a violência sexual contra crianças e adolescentes":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Em 2020, recusa à doação de órgãos por parentes ficou em 37,8%

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

“Seja doador de órgãos e avise sua família” se estenderá por todo ano de 2021. Uma doação pode salvar até oito vidas