×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

2017 e a penúltima etapa da viagem de um governo kamikaze chamado Rollemberg

2017 e a penúltima etapa da viagem de um governo kamikaze chamado RollembergFoto:

O governador precisa decidir se reassume o comando do Buriti

Por Edson Sombra - 18/01/2017 - 08:32:35

O governo de Rodrigo Rollemberg (PSB) se assemelha a um grande trem desgovernado. Ele precisa contar com a sorte para que os passageiros cheguem com segurança até o fim da viagem. Não será uma missão fácil.

Desde o início desta gestão, o que a população tem percebido e comentado é que o governador sempre decide seguir o caminho mais cruel. No início, era fácil justificar as ações pela "grande crise econômica jamais vivida pelo Distrito Federal”. Este discurso, no entanto, foi desfiando e já se esgotou. Já deu.

Nas ruas, é difícil ouvir alguém que esteja convencido de que a crise é o único problema. Para muitos, falta competência ao chefe do Executivo. Se não for de fato, ficará como de direito. Afinal, não há um acerto sequer de toda a equipe ao administrar as crises que não são exclusividades deste governo. Vários outros governantes já passaram pelos mesmos problemas e os exemplos mostram o que ocorreu.

Só para argumentar, nossa cidade amanheceu com as passagens mais baratas novamente. Você assustou? É verdade. A decisão de recuar no reajuste não foi de longe algo pretendido pela atual equipe de governo. Pelo contrário. Quando a Câmara Legislativa se uniu para derrubar a decisão do socialista, demonstrou que deixou de lado a tradicional submissão daquele Poder com o Executivo e preferiu ouvir a voz das ruas. Parecendo um surdo, Rollemberg há tempos não sabe o que é ouvir.

Com a arriscada estratégia de recorrer à Justiça, e judicializar seus “poderes”, o governador até conseguiu uma série de vitórias temporárias. Foi assim com o aumento dos servidores, aprovado por lei, mas que o socialista fez questão de suspender. Uma atitude para lá de arriscada, tendo em vista a grande quantidade de funcionários públicos que vivem no Distrito Federal. De lá, já ganhou muita antipatia, inclusive de eleitores. Isso só para registrar um exemplo.

Quando tomou a decisão de reajustar as passagens de ônibus e metrô, Rollemberg confiou no poder de sua caneta. Assumiu o risco. Enfrentou a população, deu as costas para a Câmara Legislativa, que marcou a independência da atual gestão. Só que desta vez, não foi como o governo esperava.

Sem dialogar, sem ouvir ninguém e sem querer aceitar a derrubada de seu decreto que aumentou as passagens do transporte pelo Legislativo, o chefe do Executivo acionou a Justiça, mas desta vez o roteiro seguiu outro rumo, Rollemberg bateu com a cara no muro. O desembargador Getúlio Moraes de Oliveira, relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), pediu ajuda ao Conselho Especial da Corte, formado por mais 17 magistrados. Juntos, eles vão decidir se o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) aprovado pelos deputados distritais está de acordo ou não a Constituição.

Mesmo ao contrariar uma de suas principais promessas de campanha, a de não reajustar as tarifas do transporte público, e de ser autor de projetos de concessão de passe livre para vários segmentos, o socialista investiu contra a vontade da população e de sua própria história. Rollemberg parece não ver e não ouvir. Assim tem perdido cada vez mais, a credibilidade que ainda lhe resta.

Assim como outros inúmeros, o exemplo das tarifas serve apenas para ilustrar a falta de habilidade, de traquejo politico e de vontade da atual administração de tentar, ao menos, ouvir o que o povo tem a dizer. É um equívoco após o outro. A desconfiança ultrapassa o povo e começa a chegar dentro de órgãos de controle e até mesmo no Judiciário. Não é arriscado apostar na possível derrota jurídica do chefe do Executivo. Alguns desembargadores já sabem que há outras formas de atravessar essa crise.

Se for derrotado na Justiça, será a prova que faltava para Rollemberg entender que sua gestão está descontrolada. Reverter a péssima imagem que assombra sua administração passa a ser quase um milagre.

O discurso de austeridade de Rollemberg a cada dia se desfazendo, já era. As promessas de equilibrar as contas são desmentidas a cada momento. Não se vê resultados práticos de gestão. Só há punições de todas as ordens para quem o colocou na principal cadeira do Distrito Federal. A vida útil política do governador parece que se aproxima do fim.

Não custa lembrar que o grande trem desgovernado está nessa montanha russa por um único motivo: o socialista, por mais irônico que pareça, está próximo demais de burocratas. Está longe o bastante de quem realmente lhe garantiu um voto de confiança: o povo.

Administrar um território como o do Distrito Federal, ouvindo apenas pareceres técnicos ou mesmo a versão de quem apenas lucra com o suor do cidadão, é o maior equívoco de seu governo. O cidadão está carente de boas notícias.

Há quem aposte que os distritais já não querem responsabilidade sobre os rumos desse trem. O governador precisa decidir se reassume o comando do Buriti - e desenvolve o papel para o qual foi eleito - ou se, mesmo sem querer, tem trabalhado para entregar de vez a cabine de comando ao Legislativo local. Porque, pelo visto, a própria Justiça já não quer ser mais co-piloto dessa viagem kamikaze. Seria demais enterrar três Poderes de uma vez só. Para eles, um é o suficiente. Resta saber qual.

Comentários para "2017 e a penúltima etapa da viagem de um governo kamikaze chamado Rollemberg":

    • Amor por Brasília

      Quarta-Feira, 18 de Janeiro de 2017 -

      Parabéns Sombra, você falou tudo que o Brasiliense quer falar!!!!!!!!!

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Tratam-se de golpistas que utilizam a imagem do Fisco para dar credibilidade aos golpes, pois os alertas oficiais da Receita não contém links

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Os dados fazem parte da pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 24 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

A nota técnica que baseia a decisão cita manual do Sistema Único de Saúde

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Estado é líder com mais de 16% da participação nacional

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

MP dos Cartórios também pretende atuar no processo de modernização com o objetivo de unificar os registros cartorais de todo o país

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

A entidade está realizando nesta semana, no Catar, seu encontro anual.

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

O IPCC também aponta que, nos próximos oito anos, 132 milhões de pessoas (especialmente de países mais vulneráveis, incluindo regiões da América do Sul) podem cair na extrema pobreza.

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Buscas por viagens aumentam no primeiro semestre

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

As primeiras visitas aos cidadãos aconteceram em março, no estágio denominado arrolamento, em que agentes comunitários de saúde visitam setores sorteados em busca do público-alvo da sondagem.

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Pesquisa TIC Domicílios foi divulgada hoje por centro de estudos

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Consumidores não pagarão mais porque bandeira está verde