×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Exclusivo: Armadilhas administrativas miram Filippelli

Exclusivo: Armadilhas administrativas miram FilippelliFoto:

Cessão de servidores da Defensoria Pública assinada pelo vice-governador cria imbróglio jurídico e faz com que GDF corra contra o tempo para ajustar ilegalidades

Edson Sombra / Redação - 17/01/2012 - 15:08:26

Um simples ato recente que cedeu três servidores da Defensoria Pública do DF (Ceajur) para o governo do Rio de Janeiro, legislativo federal e judiciário local pode gerar problemas para o governo do Distrito Federal. Assinada pelo vice-governador, Tadeu Filippelli (PMDB), que respondia pelo GDF na ocasião, a cessão foi publicada sem a autorização do Conselho da Defensoria Pública, última instância em questões administrativas de servidores do órgão. ...


Pela lei, a autorização do Conselho Superior do Ceajur é condição indispensável para realização de qualquer sanção dessa natureza. Em reunião realizada no segundo semestre de 2011, os membros do pleno indeferiram as três cessões e, mesmo assim, o ato foi ignorado pelo governo do Distrito Federal. A Defensoria Pública é reconhecida por lei como sendo autônoma e independente.


A liberação dos procuradores do Ceajur é de interesse direto do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e do desembargador Sérgio Bittencourt, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, para onde os servidores estavam cedidos. O problema é que a lei, ao ser descumprida, pode gerar ato de improbidade administrativa, infração que quando comprovada pode resultar na inelegibilidade do autor.


A cessão
Os procuradores de Assistência Judiciária Raimundo da Costa Santos Neto, Marco Aurélio Alves de Oliveira e Renata Marinho O’Reilly Lima já estavam cedidos aos órgãos. Quando vencida a cessão, o processo foi reaberto no fim de 2011 para renovar o despacho e, em primeira tentativa, um ato foi assinado pelo governador Agnelo Queiroz para a liberação dos servidores, sem que os pedidos fossem deferidos previamente pelo Conselho do Ceajur.


Quando publicada a primeira prorrogação, o diretor-geral da Ceajur, Jairo Lourenço de Almeida, alertou o GDF, por meio do Ofício 09/11, que o ato violava o disposto no artigo 13, Inciso XXVI da Lei Complementar 828/2010, e solicitou que a cessão fosse tornada sem efeito. O pedido foi atendido pela secretaria de Estado de Governo.


Fontes ligadas a Defensoria Pública reforçam que, na época, o diretor-geral, Jairo Lourenço de Almeida, teria sido chamado na secretaria de Governo quando recebeu do secretário, Paulo Tadeu, o pedido de atender os pleitos. Apesar disso, o Conselho da Defensoria Pública, por maioria, negou as cessões. Na justificativa, um dos conselheiros explicou a falta de defensores públicos no órgão e destacou o caso da procuradora Renata Marinho, que nunca havia desempenhado a função de procuradora, uma vez que a cessão já havia sido renovada por diversas vezes.


Apesar disso, no dia 09 de janeiro de 2012, o vice-governador Tadeu Filippelli, à revelia da decisão do Conselho Superior do Ceajur, autorizou a prorrogação das cessões dos Procuradores de Assistência Judiciária do Distrito Federal. Fontes garantem que o ato já estaria pronto na secretaria de Governo e teria sido assinado pelo então governador em exercício como um despacho de rotina.


Ilegalidades
A princípio, as cessões foram autorizadas com ônus financeiro ao Ceajur, ou seja: mesmo liberados para outros poderes, a Defensoria Pública continuaria a arcar com os salários dos servidores. Tal hipótese é proibida pelo Regime Jurídico Único dos servidores do Distrito Federal, aprovado pela Câmara Legislativa no fim do ano passado. A disposição do artigo 154 do RJU afirma que “o ônus da cessão é do órgão ou entidade cessionário”.


A polêmica envolvendo a cessão dos servidores, que é interesse de integrantes do PMDB, levantou suspeitas sobre possível manobra arquitetada a fim de prejudicar administrativamente Tadeu Filippelli, que foi procurado pelo Blog para explicar o processo. Em nota emitida dois dias após a solicitação, a assessoria de comunicação da vice-governadoria reconhece o atropelo das atribuições do Ceajur, que é um órgão independente do GDF. “Todavia, essa competência não é absoluta, porque não pode suplantar a competência maior sobre a gestão dos recursos humanos do DF, que é do chefe do Poder Executivo”, sustenta.


As explicações da vice-governadoria contradizem declarações dadas pelo próprio governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ao jornal Correio Braziliense. Em matéria publicada em 24 de dezembro, sob o título "Sancionada lei que institui Regime Jurídico Único dos servidores do DF”, explica que estão dentro do RJU: funcionários do Executivo (órgãos, autarquias e fundações); e do Poder Legislativo (Câmara Legislativa e Tribunal de Contas do DF). Ficam fora: militares (Polícia Militar e Corpo de Bombeiros), policiais civis; funcionários do Poder Judiciário; do Ministério Público; e da Defensoria Pública”.


Juristas ouvidos pelo Blog afirmam que “a lei geral não derroga e nem revoga lei especial, salvo se o fizer expressamente. O princípio é o da especialidade, segundo o qual, a lei especial prevalece sobre a geral. A Lei 840, ademais, não é incompatível com a Lei Complementar 828/2010, pois o ato de ceder é do governador, que, todavia, deve se submeter ao decidido pelo Conselho Superior do Ceajur”. A reportagem procurou ainda o diretor-geral do Ceajur, Jairo Lourenço de Almeida, mas foi informada de que ele estaria fora de Brasília.


Sobre a questão do ônus dos servidores, a vice-governadoria admite que “houve equívoco na publicação, que já foi prontamente corrigido no Diário Oficial de sexta-feira, dia 13 de janeiro de 2012”.


Corrida contra o tempo
O temor de que a cessão de três servidores resultasse em ação de improbidade administrativa fez com que o vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB) convocasse o subdiretor-geral da Defensoria Pública do Distrito Federal (Ceajur), Ricardo Batista Sousa, para uma reunião de urgência com a presença de Cláudio Monteiro, um dos nomes de confiança de Agnelo Queiroz.


Após a conversa, o subdiretor convocou reunião extraordinária do Conselho para o dia 16 de janeiro de 2012. No encontro, que durou cerca de cinco horas, os conselheiros recuaram da decisão que tomaram há menos de um mês e, por cinco votos a dois, cederam os servidores.


A revogação do ato levanta questionamentos administrativos, uma vez que as cessões foram publicadas com data anterior à liberação assinada pelos conselheiros. "Há um mês, não existia interesse público que justificasse as cessões. O diretor-geral do Ceajur chegou a mencionar que não poderia ceder, pois faltam defensores. O que mudou? Agora, quando a casca de banana foi revelada, o governo resolveu enquadrar os Conselheiros do Ceajur”, desabafou, com indignação, uma fonte.

Comentários para "Exclusivo: Armadilhas administrativas miram Filippelli":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Receita Federal alerta sobre fraudes envolvendo regularização do CPF

Tratam-se de golpistas que utilizam a imagem do Fisco para dar credibilidade aos golpes, pois os alertas oficiais da Receita não contém links

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Passagens aéreas sobem 123% em 12 meses e lideram com as maiores altas

Os dados fazem parte da pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 24 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

ANS amplia cobertura de tratamentos de transtornos globais do desenvolvimento

A nota técnica que baseia a decisão cita manual do Sistema Único de Saúde

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Minas Gerais é campeão na geração de energia solar

Estado é líder com mais de 16% da participação nacional

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

Reconhecimento de firma poderá ser feito on-line

MP dos Cartórios também pretende atuar no processo de modernização com o objetivo de unificar os registros cartorais de todo o país

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

Passageiros terão de se acostumar com passagens mais caras, diz Iata

A entidade está realizando nesta semana, no Catar, seu encontro anual.

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

O IPCC também aponta que, nos próximos oito anos, 132 milhões de pessoas (especialmente de países mais vulneráveis, incluindo regiões da América do Sul) podem cair na extrema pobreza.

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Turismo fatura R$ 15,4 bi só em março, segundo FecomercioSP

Buscas por viagens aumentam no primeiro semestre

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

Começa a 3ª fase da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal

As primeiras visitas aos cidadãos aconteceram em março, no estágio denominado arrolamento, em que agentes comunitários de saúde visitam setores sorteados em busca do público-alvo da sondagem.

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Classes B, C, D e E no Brasil têm menos acesso a computadores desde a pandemia

Pesquisa TIC Domicílios foi divulgada hoje por centro de estudos

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Consumidores não pagarão mais porque bandeira está verde